Montfort Associação Cultural

6 de janeiro de 2005

Download PDF

Pró-Darwin

Autor: Fábio Vanini

  • Consulente: Jacob
  • Idade: 52
  • Localizaçao: Florianópolis – SC – Brasil
  • Escolaridade: Superior concluído
  • Religião: Protestante

Prezados Senhores: Saúde.

REF: Pró-Darwin.

Li sua réplica de carta versando sobre suposto apoio do Papa ao evolucionismo.

Gostaria de comentar e conhecer seus comentários nos seguintes termos: 1-) A Teoria da Evolução não é uma teoria sobre a origem da vida. Antes é uma teoria sobre a origem de espécies a partir de espécies pré-existentes.

2-) A inexistência de um princípio criativo, leia-se Deus, não é uma conclusão da Teoria da Evolução. Antes é um pressuposto filosófico, muito válido creio eu. Exemplifico. Criacionistas comprometidos com as genealogias bíblicas sustentam que o Universo tem pouco menos que 6 mil anos de idade. Inútil é lhes mostrar fósseis de dinossauros que datam de 60 milhões de idade. Os criacionistas respondem que Deus pode ter criado fósseis que aparentam 60 milhões de idade mas têm apenas pouco menos que 6 mil anos. Ora, isso é superstição. Não dá para trabalhar com uma categoria “científica” tão mal definida e tão mal comportada. O Deus desses interlocutores se assemelha a um falsário pois cria coisas que aparentam ser o que não são. Faz bem o cientista que deixa Deus fora de seus modelos explicativos, e dentro da sua vida moral e conduta social.

3-) A noção de que os animais evoluem é mais antiga do que Darwin. Lamarck se debruçou sobre o problema e concluiu que girafas têm pescoço comprido porque acabou o alimento no chão e elas tiveram que buscar o alimento no alto das árvores espichando o pescoço. Com o uso intensificado, os pescoços se tornaram mais compridos.

4-) Galápagos forneceu a Darwin inúmeras provas que foram muito bem exploradas em sua extensa obra. Darwin sobrepujou Lamarck amplamente. Sua explicação, embasada na seleção natural, superou a defeituosa explicação de Lamarck. A obra de Darwin, sua análise das observações feitas, lhe valeram amplo reconhecimento da comunidade científica.

5-) Nada melhor que a seleção natural para explicar porque pingüins estão adaptados às geleiras e camelos aos desertos. Muitos outros animais estão bem adaptados ao seu habitat e a melhor explicação sobre COMO aconteceu esta adaptação é a seleção natural.

6-) A classificação taxonômica dos animais nos fornece inúmeras provas de que há parentesco entre os animais. Mais recentemente os “relógios bioquímicos” se atrevem a dizer há quantos anos atrás viveu o ancestral comum a dois viventes. Não tenho notícias de disparidades entre os “relógios bioquímicos” e a classificação taxonômica dos animais.

7-) Quem apresentou provas fraudulentas sobre a evolução ? Darwin ? Não acredito. É impossível evitar que aventureiros, em busca de fama e dinheiro, apresentem provas falsas a favor de uma Teoria importante como a Evolução. A Teoria da Evolução exerce um papel orientador sobre o conhecimento científico em desenvolvimento. É tentador falsificar provas sobre uma Teoria tão importante.

8-) Sobre a primeira espécie há o seguinte: Pasteur rejeitou a geração espontânea de ratos, mosquitos etc. Darwin o acompanha nesta rejeição. Pasteur aceitou a geração espontânea de Adão, Eva e um casal de cada um dos animais conhecidos ao tempo da decisão. Darwin rejeitou esta geração espontânea anti-científica, mas aceitou a geração espontânea do progenoto, isto é um ser muito simples mas vivo, capaz de se multiplicar. Esta espécie teria sido capaz de gerar outras através de mutação e seleção natural. Está nas mãos dos bioquímicos gerar vida em laboratório. Darwin não tem a receita para a geração dessa vida simples, e nunca prometeu isso.

9-) Espécies de transição (Exemplo, meio-ave meio-réptil) têm uma vantagem evolutiva latente que as leva a viverem mal, sobreviverem mal com prole reduzida deixando em conseqüência raros fósseis. Essa falta de fósseis não deve ser motivo para se descartar a teoria.

10-) Religiosos não deveriam se incomodar com Darwin. O Gênesis não é um livro científico mas é um livro religioso que trata de proclamar verdades religiosas sobre o Homem, Deus e o Universo. Adão e seu pecado são conceitos religiosos inelutáveis. A Teoria da Evolução em nada denigre o Homem.

Faz bem Sua Santidade o Papa em mandar uma Comissão estudar a Teoria da Evolução. Rejeitar essa Teoria sem analisá-la seria um grave equívoco que jogaria na fogueira muita gente de bem.

Esses são os comentários que submeto aos seus comentários.

Cordiais saudações, Jacob

Sr. Jacob, salve Maria,

Sua carta requer uma longa explicação sobre diversos temas sobre a história e filosofia da teoria da Evolução. Logo estaremos publicando um trabalho sobre a teoria darwinista e suas variantes, mostrando como é uma teoria exaustivamente estudada e refutada. E, como nenhuma teoria pode ser descartada sem estudo, o Papa atual resolveu mandar estudá-la, o que mostra que é uma teoria que traz muitas dúvidas e contradições, senão não seria necessário aplicar-se a ela.

Limito-me, se me permite, a responder alguns pontos de sua carta que não são necessariamente tratados no trabalho que logo será publicado neste site. Levando em consideração ponto por ponto, temos que:

1) a teoria da evolução das espécies, se não se compromete a explicar suas origens, é mais incompleta ainda, pois para se estudar um processo, deve-se conhecer o ponto de partida. Aliás, a existência da categoria “espécie”, enquanto categoria real, contradiz a evolução enquanto processo contínuo. E essas espécies pré-existentes apareceram de onde? Qualquer evolucionista renomado diria que surgiram da matéria bruta, o que mostra seu compromisso com o materialismo, ignorância (ou repugnância) metafísica e necessidade de se buscar a origem primeira das espécies e eliminar o Deus criador.

2) Criacionistas são os que acreditam que o Universo foi criado por Deus. Existem milhares de interpretações insanas e estranhas. Garanto que somente uma é verdadeira. O evolucionismo é anti-lógico e nega princípios básicos de metafísica, física, biologia, química e culinária (sopa caótica…). Para contrapor a esses que também se dizem cientistas esclarecidos, aparecem aqueles que defendem uma idade de 6000 anos – absurda – para o Universo, baseado numa interpretação literal, pouco sábia, do livro do Gênesis. Sugiro que leia outras cartas respondidas nesse site sobre o tema.

3) Lamarck não demorou nada a ser refutado, com sua teoria ingênua. Já se falava em evolução (não necessariamente com esse termo) muitos séculos antes de Lamarck. Até os egípcios e gregos tinham uma certa idéia gnóstica de um Universo evolutivo.

4) Galápagos não ofereceu prova nenhuma a Darwin. Ele viu diferentes tentilhões com bicos diferentes em diferentes ilhas e “chutou” que eles tinham ancestralidade comum. A prova de que Darwin não tinha provas é que ele diz em seus livros que seriam necessárias provas mais que prováveis que comprovassem sua teoria.

5) O senhor comete um erro básico ao tratar da teoria. A seleção natural somente, não explica nada. É necessário a ela uma outra força, a mutação (pelo menos na teoria darwinista). A seleção natural, sozinha, elimina os pouco adaptados ou favorece os mais aptos, não origina adaptações. E aí entra a velha tautologia darwiniana: quem são os mais aptos? Os que sobrevivem! E quais os que sobrevivem? Os mais aptos…

6) Lineu desenvolveu a classificação taxonômica atual e era criacionista. Lembre-se de uma regra importante: semelhança não implica ancestralidade, mas ancestralidade implica semelhança. Meu pai se parece comigo, mas um homem moreno, de pele e olhos claros, magro e orelhudo, andando na rua, pode não ser parente meu. Quanto aos relógios biológicos, extremamente criticados pelos próprios biólogos: a) não se prova uma teoria por não se encontrar evidências contrárias. b) Classificação taxonômica é uma coisa, cladística é outra coisa. A primeira se refere somente a dar nomes. Árvores filogenéticas é que tratam da origem evolutiva das espécies. Como pode haver consonância entre os relógios moleculares e as árvores filogenéticas, se estas estão mudando a cada publicação e conforme o cientista?

7) Darwin não apresentou provas, mas as pediu. Sugiro que leia o texto “convite de Darwin”, publicado pelo prof. Enésio de Almeida na revista Galileu (http://revistagalileu.globo.com/Galileu/0,6993,ECT578940-1726,00.html).

As fraudes apareceram, sim, por desespero em se sustentar tal sistema cheio de falhas. O Pe. Teilhard de Chardin, por exemplo, não queria fama ou dinheiro. Tanto que sua fraude foi “esquecida”, para não comprometer sua fama e a venda de seus livros. Esse padre foi responsabilizado pela fraude do Homem de Piltdown por Stephen Jay Gould. Ele esteve envolvido também na fraude do Sinanthropus Pekinensis

8) Só faltava o Naturalista prometer que algum dia alguém criaria vida a partir de uma panela de água suja. Pode ter certeza que os cientistas estão quebrando a cabeça, desenvolvendo sistemas teoricamente perfeitos para o aparecimento da vida, diferentes simulações da atmosfera da terra, etc. Se forçando a situação eles não conseguem, imagine a sopa sozinha, ao relento. Só não ia juntar mosca, pois elas ainda não tinham evoluído.

9) Repare no que o sr. diz: a) Vantagem latente: ou é vantagem ou nao é, em termos de seleção natural. Neutralidade é outra teoria. b) As “espécies de transição”, se viviam mal e deixaram poucos descendentes, como delas veio toda a diversidade (“a evolução não faz saltos”)? Isso é um dos pontos críticos da teoria darwinista propriamente dita e, de certo modo, de todas as outras. A seleção tende a eliminar as novidades, defeitos e “transições”. Imagine um pseudo réptil sem orelha e sem parte da mandíbula. Não ia comer, nem ouvir o predador chegando para comê-lo. Seria o filé evolutivo perfeito. Quanto aos fósseis, eis mais uma evidência que o próprio Darwin requisitou para as gerações futuras, e continua se requisitando.

10) No Gênesis, Deus diz por 10 (dez) vezes que criou os seres que dão descendentes segundo a sua espécie. Portanto, Gênesis e Darwin são antagônicos. Para o Catolicismo, somos filhos de Deus, para o darwinismo, filhos de macaco. Como o darwinismo não denigre o homem? Sem contar que Darwin, por exemplo, caracteriza a certos índios como homens primitivos, próximos dos macacos, na obra A Evolução do Homem, o que mostra uma conseqüência óbvia do darwinismo: o racismo.

Quanto a “Rejeitar essa Teoria sem analisá-la”, digo que, uma vez analisada, podemos rejeitá-la com mais louvor.

In corde Iesu et Maria, semper,

Fabio Vanini

TAGS

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais