Montfort Associação Cultural

16 de março de 2013

Download PDF

Primeiro Domingo da Paixão

 

Fonte:

 Missal Quotidiano Latim-Português,

D. Beda Keckeisen, 1947, pp.  303 a  308

Obras Raras do Catolicismo

Comentário ao Evangelho:

Missa Tridentina na Paróquia São Sebastião, Campo Grande, MS

Comentário do Evangelho dia por:
Santo Irineu de Lyon (aprox. 130 – aprox. 208), bispo, teólogo e mártir
Contra as Heresias IV, 5-7 (extraído do site da Diocese de Blumenau/SC, com adaptações a/c blog)
“Abraão viu o Meu dia, e ficou feliz.” (Jo 8, 56)
Como Abraão era profeta, viu no Espírito o dia da vinda do Senhor e o desígnio da Sua Paixão, pela qual ele próprio e todos os que, como ele, criam em Deus, seriam salvos. E estremeceu com grande alegria. O Senhor não era, portanto, desconhecido de Abraão, pois que ele desejou ver o Seu dia. [...] Ele desejou ver esse dia a fim de poder, também ele, abraçar Cristo; tendo-o visto de maneira profética pelo Espírito, exultou.
Foi por isso que Simeão, que era da sua posteridade, realizou a alegria do patriarca e disse: “Agora, Mestre soberano, podes deixar o Teu servo partir em paz segundo a Tua promessa; porque os meus olhos viram a Tua salvação, que preparaste em favor de todos os povos” (Lc 2, 29ss.) [...] E Isabel disse [segundo certos manuscritos]: “A minha alma glorifica o Senhor, o meu espírito exulta em Deus meu Salvador”[“segundo certos manuscritos”, pois São Lucas atribui tal frase a Nossa Senhora, nota do blog]. A exultação de Abraão descia assim sobre os que viam Cristo e que acreditavam Nele. E, dos seus filhos, esta exultação subia para Abraão. [...]
Foi, pois, com toda a justiça que o Senhor deu testemunho dele dizendo: “Abraão, vosso Pai, exultou com o pensamento de ver o Meu dia: viu-o e regozijou-se” (Jo 8, 56). E não foi só a propósito de Abraão que o disse, mas de todos os que, desde o início, adquiriram o conhecimento de Deus e profetizaram a vinda de Cristo. Porque eles receberam esta revelação da parte do próprio Filho, esse Filho que, nestes tempos que são os últimos, Se tornou visível e palpável e conversou com os homens, para suscitar das pedras filhos de Abraão (Mt 3, 9), e tornar a sua descendência semelhante às estrelas do céu (Gn 15, 5).

Publicações relacionadas

Artigos Montfort: Onde o Céu toca a terra: um percurso pelo Rito Romano Tradicional - Marcos Bonelli

Oração e Vida Espiritual: Quarto Domingo da Quaresma – Domingo Laetare

Oração e Vida Espiritual: A Nosso Senhor coroado de espinhos - Ivone Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais