Montfort Associação Cultural

24 de novembro de 2004

Download PDF

Porque a Igreja condenou o estilo de música

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Luiz Fernando
  • Idade: 16
  • Localizaçao: São José dos Campos – SP – Brasil
  • Escolaridade: 2.o grau em andamento
  • Religião: Católica

Salve Maria!

Porque a Igreja condenou o estilo de música “valsa”?

Parabenizo o site de vocês, além de agradecer a paciência que vocês têm em responder tantos e-mails com dúvidas (este, por exemplo, é o quarto e-mail que envio a vocês).

Gostaria de fazer ainda um pedido: seria interessante e até mesmo necessário que vcs escrevessem dois cadernos a respeito das Cruzadas e da Santa Inquisição. É grande o número de asneiras que escrevem por aí (meus livros de escola estão recheados deles, e ai de mim se escrever outra coisa nas provas!) é enorme e as poucas informações corretas que podemos encontrar são muito pingadas. Estes cadernos poderiam refutar essas baboseiras que andam soltas por aí.

Orem por mim, para que nunca siga nada contrário à fé católica.

Obrigado,
Luiz Fernando

Muito prezado Luiz Fernando,
salve Maria.

Muito agradecido por seu elogio a nosso trabalho. Receber um email como o seu nos incentiva a prosseguir nesta obra de elucidação, em defesa da Fé católica.

De fato, para os católicos, hoje, infelizmente, há poucas possibilidades de serem informados, pelos meios normais, a respeito da doutrina católica. Os colégios católicos deixaram praticamente de existir, e quando neles se ensina catecismo, é pior ainda do que se não ensinassem nada. Na PUC de São Paulo, informaram-me alguns alunos, que há professores de religião — eles se dizem professores de “Teologia”– que se confessam publicamente ateus.

Nestas tristes circunstâncias, considero ainda mais premente o dever de professor católico de ensinar o que sabe sobre a nossa religião.

Nas livrarias ditas católicas , normalmente se acham livros de budismo, de macumba etc. E quando se encontra algum livro que se diz católico, o que nele se encontra é heresia modernista.

Passo agora a responder a sua pergunta.

A valsa foi condenada pela igreja, porque era a primeira dança em que os dançarinos bailavam abraçados.

Hoje, a decadência foi tanta que se acharia essa condenação um absurdo de rigor moral.

Entretanto, naquele tempo, a valsa causou enorme escândalo.

Prova disso é a descrição que Eça de Queirós faz de um par dançando a valsa, em seu romance, “A Ilustre Casa dos Ramires”.

A Igreja, Mãe e Mestra da verdade, cheia de Sabedoria, previa que, esse novo tipo de dança abriria as portas para danças cada vez mais escandalosas. Passou-se pelo tango, pelo fox, pelo swing, pelo rock, até chegar à lambada.

Abismo chama abismo.

O maior escândalo, porém, não foram essas danças cada vez mais imorais e escandalosas. O pior foi o silêncio crescente dos que deviam ensinar moral, e que foram, cada vez mais, se calando, para depois defenderem — com o famoso “que é que tem ?” — as piores coisas.

Foi esse entorpecimento religioso, e o abandono da doutrina católica em matéria de Moral que levaram aos escândalos atuais de pedofilia e homossexualismo no clero, praticamente em todo o mundo.

Graças a Deus, o Papa João Paulo II acaba de determinar como uma das medidas necessárias para corrigir a situação calamitosa de muitos sacerdotes em matéria moral, que se ensine, nos Seminários, a Moral católica integralmente.

Estava bem na hora. Para não dizer que a hora já havia passado há muito tempo.

Havendo tempo, escreveremos os cadernos que você sugere sobre a Inquisição e sobre as Cruzadas, para dar aos estudantes católicos a possibilidadede refutar as calúnias que se assacam contra a Santa Igreja, nesses temas.

In Corde Jesu, semper,

Orlando Fedeli.

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Arte Gótica - André Palma

Cartas: Músicas satanicas - Orlando Fedeli

Cadernos de Estudo: Nos labirintos de Eco - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais