Montfort Associação Cultural

21 de janeiro de 2005

Download PDF

Poder do demônio

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Felipe
  • Localizaçao: – Brasil

Prezado Sr. Fedeli Minha última dúvida é a seguinte: Como é que o Diabo tem poderes para atuar à vontade na Terra. Como é que lhe é permitido perverter a humanidade? É Deus que lhe permite usar seus poderes para a prática da sedução dos homens??? Afinal, Satanás pode enganar os homens quando e como quiser???

Obrigado por atender minhas humildes perguntas e que o Manto da Virgem Maria proteja os homens do poder maligno!!!

Felipe

Prezado Felipe, salve Maria!

Você poderá encontrar a resposta ao que me pergunta no livro de Jó, na Sagrada Escritura.

Lá, você verá que Deus permite ao demônio tentar aos bons, mas que jamais permite tudo ao demônio, colocando limites à sua ação. Além disso, Deus sempre assiste, com sua graça, aos que estão sendo tentados pelo demônio. E a graça de Deus é sempre superior à tentação.

Conta-se que Santo Antão, quando foi ser monge no deserto do Egito, perto de Tebas, na primeira noite que passou numa gruta, usada como túmulo pelos pagãos, o demônio deu uma grande surra nele. Ao despertar, todo machucado, Santo Antão teve uma visão de Cristo, que lhe apareceu na gruta. Ele então perguntou queixoso a Cristo: “Senhor, tu estavas aí?”.

E Nosso Senhor lhe respondeu: “Eu estava aqui, mas queria ver, primeiro, a tua vitória”.

E desde então os diabos não mais puderam bater em Santo Antão.

Assim também, Deus permite que o diabo nos tente — como permitiu que ele tentasse a Cristo– mas nos dá a sua graça, porque quer ver nossa vitória.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Respeito à Nossa Senhora - Orlando Fedeli

Curso de Catecismo Romano III – Os Mandamentos - Ivone Fedeli

Cartas: Sobre o papel dos padrinhos - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais