Montfort Associação Cultural

26 de janeiro de 2005

Download PDF

Plano da maçonaria

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Emílio Paulo
  • Localizaçao: Recife – PE – Brasil
  • Religião: Católica

Prezados da Associação Montfort, Salve Maria

Primeiramente, gostaria que vocês me mandassem documentos esclarecendo o que é a maçonaria, de onde veio, quando surgiu, qual sua hierarquia, porque é condenada pela Igreja e etc…

Tenho uma dúvida sobre um tal plano feito pela maçonaria para destruir a Igreja, chamado “Master Plan”.Nele existe uma série de pontos para modificar e acabar com a missa, como introduzir música na mesma, tornando-a num show, assim como o “culto” dos protestantes.Entretanto o que mais me assustou foi em relação à eucaristia, onde no ponto 9, deste plano diabólico, fica bem claro a intenção de destruir a mesma: Ponto 9 – “É preciso adaptar a Missa aos novos tempos”.

“Que se empregue um pão quase corrente, que se o dê nas mãos, que se receba de preferência de pé ou sentados, nunca de joelhos, que se mastigue, que nada soe a SAGRADO, que se coma o que sobrar” …

Na Igreja que frequento, isso acontece desde o início de minha vida, como também a missa-show prevalece…Como era a missa de antigamente?Esse plano é verídico?Espero resposta, a qual considero urgente…

Atenciosamente

Emílio Paulo

Muito prezado Emílio Paulo, salve Maria!

Não conhecemos melhor documento, para conhecer a Maçonaria, do que a encíclica Humanum Genus de Leão XIII. Nela você encontrará o que procura, sem fantasias e sem desvios. Recomendo a sua leitura e estudo acurado. Você pode encontrar essa encíclica no site Montfort (http://www.montfort.org.br/documentos/humanum.html). Claro, esse estudo deveria ser completado por sólidas pesquisas históricas. Recomendo-lhe que você o faça, sem buscar segredos mirabolantes, e nem interpretações fantasistas.

Combata a imaginação, que em estudos históricos só pode levar ao delírio.

Por exemplo, o tal “Master Plan”, que tem circulado na Internet, diz grandes verdades. A pergunta é : esse Master Plan foi escrito, antes ou depois de ter ocorrido os acontecimentos pós Vaticano II?

Que, em linhas gerais, ele descreve a realidade atual na Igreja, não há duvida. mas ele em pode ser uma mera descrição e não um Plano.

O que não significa que não tenha havido um plano.

Bastaria, examinar o que dizia o Modernismo e o que repetiram os seus herdeiros, os teólogos da Nova Teologia, para ser possível prever o que aconteceria na Igreja, caso esses teólogos das Nova Teologia fossem chamados a opinar sobre as reformas da Igreja no Vaticano II.

Esses teólogos não só foram chamados como peritos conciliares, como, de fato, acabaram por dominar as comissões conciliares, e influíram profundamente nos textos proclamados “pastoralmente”.

Aliás, sendo eles Modernistas, eles eram contrários a qualquer proclamação dogmática por parte da Igreja. Por isso, aconselharam que o Vaticano II tivesse apenas um caráter pastoral, e jamais dogmático e infalível.

Pouco importa que o tal “Master Plan seja ou não verídico”.

O que é veridicamente trágico é que os abusos da Missa chegaram a tal ponto, que o cardeal Ratzinger fala em “anarquia litúrgica”.

E tão verdadeira é essa destruição que o Papa João Paulo II apontou vários graves abusos que estão arruinando a Igreja, nestes tempos pós conciliares. E um desses abusos é a Missa Show, as consagrações feitas com matéria diversa do que a prevista etc.

A Missa de São Pio V, que a Igreja celebrou durante 2.000 anos, era muito solene e cheia de símbolos. Era plena de majestade, e, principalmente, consistia na renovação do único e mesmo sacrifício de Cristo no Calvário, coisa que se procura, hoje, negar, ou colocar à sombra e no esquecimento, reduzindo a Missa a um mero banquete, ou a um simples memorial, sem sacrifício propiciatório.

In Corde Jesu, semper,

Orlando Fedeli.

TAGS

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais