Montfort Associação Cultural

8 de janeiro de 2007

Download PDF

Pena de morte e Saddam Hussein

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Victor Romania
  • Idade: 20
  • Localizaçao: Vitória – ES – Brasil
  • Escolaridade: 2.o grau concluído
  • Profissão: Aux. Escritório
  • Religião: Católica

Salve Maria!

Caros amigos da Montfort, quero compartilhar uma notícia recentemente publicada que diz que “A Igreja católica é contrária à pena de morte, ainda que o condenado seja culpado de graves delitos” e questionar sobre a Pena de Morte.

Está notícia me parece ser um tanto contraditória.

A Pena de Morte ainda é uma doutrina Católica? (pois não é o que a notícia diz.)
Se a for, diga em quais casos se utilizaria, ou melhor, como seria aplicada.
O que vocês acham do caso de Saddam Hussein? Justo?

Notícia:



ZENIT – O mundo visto de Roma

Código: ZP07010107

Data de publicação: 2007-01-01

Execução de Saddam Hussein: Santa Sé reitera seu rechaço à pena de morte

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 1 de janeiro de 2006 (ZENIT.org).- A Igreja católica é contrária à pena de morte, ainda que o condenado seja culpado de graves delitos.

Foi assim que recordou à imprensa, no sábado passado, o diretor da Sala de Informação da Santa Sé, padre Federico Lombardi, S.J.

Nesse dia o ex-presidente do Iraque, Saddam Hussein, morreu enforcado na sede dos serviços militares iraquianos no bairro Qadumiya, em Bagdá.

«Uma execução capital é sempre uma notícia trágica, motivo de tristeza, ainda que se trate de uma pessoa que é culpada de graves delitos», expressa a declaração do padre Lombardi.

«A postura da Igreja católica – contrária à pena de morte – foi sublinhada várias vezes. Matar o culpado não é o caminho para reconstruiu a justiça e reconciliar a sociedade. Inclusive existe o risco de que, ao contrário, se alimente o espírito de vingança e se semeie nova violência», acrescenta.

«Neste tempo obscuro da vida do povo iraquiano não se pode senão desejar que todos os responsáveis realizem verdadeiramente todo esforço para que em uma situação dramática se abram finalmente espirais de reconciliação e de paz», conclui.

[ Tirado do link: http://www.zenit.org/portuguese/visualizza.phtml?sid=100544 ]



Desde já muito obrigado.

Fiquem com Deus.

Muito prezado Victor,
Salve Maria.

     É inacreditável que esse Padre, porta voz do Vaticano, tenha declarado que a Igreja Católica é contrária à pena de morte.
Isso é completamente falso. A doutrina católica é favorável à pena capital. Até o Catecismo da Igreja Católica, nascido do Concílio Vaticano II, não ousa negar isso, e reconhece, ainda que de modo relutante, que a doutrina da Igreja aprova a pena capital.

Preservar o bem comum da sociedade exige que o agressor se prive das possibilidades de prejudicar a outrem. A este título o ensinamento tradicional da Igreja reconheceu como fundamentado o direito e o dever da legítima autoridade pública de inflingir penas proporcionadas  à gravidade dos delitos,sem excluir, em casos de extrema gravidade, a pena de morte” (Catecismo da Igreja Católica no 2266).

     No site Montfort já demos, várias vezes, as comprovações de que Cristo Jesus defendeu a pena de morte.
     Claro que esse padre conhece esses argumentos, mas para ser “politicamente correto”, ele nega o que a Igreja sempre ensinou.
     Quanto à execução de Saddam Hussein, não há dúvida que ele foi um tirano socialista e assassino de curdos e de xiitas. A mídia atual, que só defende os esquerdistas, tinha que defender esse assassino e tentar fazer dele um herói e “canonizá-lo”, assim como canoniza Gandhi, Martin Luther King, Kenndy, etc.
In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Planejamento familiar contra a pobreza - Lucia Zucchi

Cartas: Argumentação a favor da pena de morte no Brasil - Marcelo Andrade

Cartas: Condenação da usura e do lucro - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais