Montfort Associação Cultural

20 de junho de 2012

Download PDF

Paulo VI e a “fumaça de Satanás”, presente na Igreja há quarenta anos

Como bem notou um vaticanista recentemente, Paulo VI fez notar a entrada da “fumaça de Satanás” na Igreja, mas ninguém a viu sair… De fato, a dúvida, a inquietação, os confrontos que caracterizam uma terrível crise de fé, têm sua causa em buscar a luz fora da Igreja, através das janelas imprudentemente abertas para o mundo no Concílio Vaticano II. É essa mesma crise de fé que penetrou hoje até o fundo no povo católico, expondo-o à influência da modernidade sem nenhum princípio moral. Pois, embora notada e lastimada por Paulo VI em 1972, a crise não foi combatida em suas causas.

Artigo Michelangelo Nasca

Publicado em  Vatican Insider

Imagem Diocesi Porto-Santa Rufina

Comentário Lucia Zucchi

A “profecia” de Paulo VI sobre o maligno presente no Sacro Palácio

A famosa menção à “fumaça de Satanás no templo de Deus” do Papa Montini, em sua homilia da festa dos Santos Pedro e Paulo em junho de 1972
Talvez no seu tempo de “corvos” se falasse pouco no Vaticano, mas certamente alguma coisa tinha que cheirar, já que Paulo VI, um dos maiores papas do século XX,  em 29 de junho de 1972 – Solenidade dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, durante a homilia que marcou o início de seu décimo ano de Pontificado – surpreendentemente afirmou ter tido a sensação de que “por alguma fissura a fumaça de Satanás entrou no templo de Deus.”

No resumo dessa homilia histórica, conservado pela Santa Sé na página dedicada ao Papa Paulo VI, lemos: “Há a dúvida, a incerteza, a problematica, a inquietação, a insatisfação, o  confronto. Não se confia mais na Igreja. e sim se confia no primeiro profeta profano que vem nos falar de algum jornal ou algum movimento social, para procurá-lo e perguntar se ele tem a fórmula da verdadeira vida. E não percebemos que em vez disso temos que ser nós mesmos mestres e professores. Entrou a dúvida em nossas consciências, e entrou pelas janelas que deveriam estar abertas à luz. (…) A escola torna-se palco de confusões e contradições, por vezes absurdas. Celebra-se o progresso para poder, em seguida,  demoli-lo com as revoluções mais estranhas e mais radicais, para negar tudo o que conquistou, para voltar a ser primitivos após ter tanto exaltado os progressos do mundo moderno. ”

Daqui a alguns dias, na igreja de Santa Maria em Vallicella (Chiesa Nuova), em Roma, haverá uma reunião (patrocinado pela FUCI) para recordar o 49º.  aniversário da eleição para o papado de Giovanni Battista Montini, o Papa Paulo VI. Nesta ocasião será apresentado o livro “Mons. Montini”, cujos autores são Fulvio de Giorgi, professor de História da Educação na Universidade de Modena – Reggio Emilia, eo diretor do” L’Osservatore Romano “, Giovanni Maria Vian.

É incrível observar a atualidade do pensamento expresso por Paulo VI há quarenta anos atrás e que ainda agora volta através das páginas do nossa imprensa e nos clichés de tantos leitores ingênuos:  “Ninguém confia mais na Igreja. e sim se confia no primeiro profeta profano que vem nos falar de algum jornal ou algum movimento social, para procurá-lo e perguntar se ele tem a fórmula da verdadeira vida.

São exatamente esses especiais “profetas seculares” a captar hoje as atenções e a curiosidade de muitas pessoas, anunciadores funestos de misteriosas tramas e intrigas do Vaticano capazes de insinuar uma dúvida ainda sobre o ar que respiramos!

Já o Primeiro Pontífice,  através do Espírito de Verdade recebido de Cristo, advertia: ” Assim como houve entre o povo falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos doutores que introduzirão disfarçadamente seitas perniciosas. Eles, renegando assim o Senhor que os resgatou, atrairão sobre si uma ruína repentina. Muitos os seguirão nas suas desordens e serão deste modo a causa de o caminho da verdade ser caluniado. Movidos por cobiça, eles vos hão de explorar por palavras cheias de astúcia. Há muito tempo a condenação os ameaça, e a sua ruína não tardará.”(2 Pedro, 2, 1-3).

Publicações relacionadas

Artigos Montfort: A Liturgia: entrevista com o Cardeal Joseph Ratzinger - Orlando Fedeli

Artigos Montfort: O que há de comum entre o Papa Paulo VI e Eike Batista? - Alberto Zucchi

Documentos da Igreja: Bento XVI: Mensagem para o 50° Dia Mundial de Oração pelas Vocações

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais