Montfort Associação Cultural

20 de março de 2013

Download PDF

Papa terá que enfrentar mito do Vaticano 2º

Até a Folha de São Paulo – fina flor da esquerda chique, inclusive eclesiástica – está dizendo isso! Peço aos senhores notar o colossal levantamento de poeira, e consequente questionamento do mito, que sucedeu à convocação do Ano da Fé, nos cinquenta anos do Concílio Vaticano II. Finíssimo estrategista, Bento XVI…

Análise: Papa terá que enfrentar mito do Vaticano 2º

Fonte: Folha de São Paulo 

MATEUS SOARES DE AZEVEDO
ESPECIAL PARA A FOLHA

Da substância dos 16 documentos elaborados durante o concílio Vaticano 2º (1962-65) sobre uma variedade de assuntos, entre os quais o ecumenismo e a relação do catolicismo com outras religiões, pouco se conhece.

Tampouco são lembrados os encarniçados debates, as numerosas sessões, a história de sua convocação por João 23 e de sua conclusão, já sob a batuta de Paulo 6º.

Mas há rica e variada “mitologia” envolvendo o evento. Confrontá-la será o principal desafio de Francisco.

Tal mitologia sustenta que, antes do Vaticano 2º, a igreja era uma instituição retrógrada, superada, mesmo reacionária. O Concílio teria sido uma lufada de ar fresco.

Mas se a igreja tivesse sido este corpo fossilizado, como teria sobrevivido aos inúmeros desafios e confrontos que a ameaçaram?

Se fosse tal como a descrevem, certamente não teria sobrevivido ao fascismo, nem ao comunismo de Stálin, tampouco ao liberalismo. A verdade é que os documentos do Concílio não são conhecidos senão de especialistas.

O Vaticano 2º se tornou como um “Bezerro de Ouro” para muitos. Tornou-se tão sacrossanto que não pode ser criticado ou questionado.

Os meros resultados quantitativos do Concílio, contudo, são desastrosos para a própria tradição que ele supostamente veio renovar. Os números e a situação espiritual geral mostram que o projeto fracassou.

Esperava-se uma “renovação”, mas o que se tem visto após meio século são crescente secularização e dessacralização da sociedade, abandono da fé por milhões, escândalos morais e corrupção financeira.

Parafraseando Nelson Rodrigues, resta saber o que Francisco fará para impedir que a América Latina logo se torne “o maior continente ex-católico do mundo”.

A primeira coisa é colocar a verdade no lugar do mito do Concílio.

 

MATEUS SOARES DE AZEVEDO é mestre em História das Religiões pela USP

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais