Montfort Associação Cultural

11 de abril de 2005

Download PDF

Papa João Paulo II e o ecumenismo

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Sandro
  • Idade: 22
  • Localizaçao: PE – Brasil
  • Escolaridade: Superior concluído
  • Religião: Católica

Querido irmão na fé católica.

É com grande alegria que me comunico com você, professor. Quando conheci o seu site fiquei boqueaberto, pois são poucos os que tem coragem de defender com unhas e dentes a nossa tão querida e amada Igreja Católica Apostólica e Romana que é tão vitimada de calunias e defamações por parte principalmente daqueles que se dizem cristãos e que se acham donos da verdade. Confesso que no passado muitas indagações dos protestantes me deixaram confuso, mas felismente diferente de muitos irmãos católicos, procurei respostas dentro da doutrina católica através de livros e sites inclusive o seu e até mesmo sites evangelicos como forma de comparação de idéias. Pude constatar a autenticidade do catolicismo como a Igreja de Cristo e isso me alegrou muito, pois quando vejo um evangelico falando mal da Igreja não me acanho e exponho as minhas idéias em defesa da minha religião sem medo de cometer deslizes. Tenho um amigo de trabalho, católico, que fica muito confuso quando os evangélicos criticam a nossa Igreja utilizando a Bíblia para isso. Gostaria que o Senhor mandasse uma mensagem direcionada a ele quando respostasse minha pergunta que irei fazer. Mostrarei a ele sua resposta e muitas outras questões interessantes que existem no seu site. Bem, minha pergunta está direcionada a postura do nosso falecido Papa João Paulo II, que pregava um diálogo com os mais diversos credos (judeus, muçulmanos, ortodoxos, etc.). Suponho que o desejo de Deus é que houvesse apenas um rebanho, mas sabemos que diante da nossa realidade é bem difícil que haja uma unificação dos povos em um único credo. Gostaria de saber o objetivo do Papa ao aproximar-se dessas facções religiosas, nas quais existem até algumas que nem mesmo aceitam Jesus como o filho de Deus.

Mais uma vez exponho minha admiração pelo seu trabalho, espero ansiosamente sua resposta e rogo a Virgem Maria que ilumine os caminhos da Igreja Católica, assim como todos os seus menbros com sabedoria e fé em seu filho Jesus Cristo.

Muito prezado Aledissandro,
Salve Maria!
 
    Muito me alegra seu posicionamento valente enfrentando os hereges protestantes. É assim que se defende a Fé católica e não com conversinhas ecumênicas que nunca converteram ninguém. Agradeço-lhe também os elogios ao site Montfort. Tomara que você aproveite bem os artigos que nele existem.
    Foi o Vaticano II que lançou oficialmente o movimento ecumênico que fora condenado pelo Papa Pio XI, na encíclica Mortalium Animos, de 1928.
    Você poderá encontrar e ler essa encíclica no site Montfort. Leia-a, e passe-a para seu amigo. Nela se condena claramente o ecumenismo, e muita coisa que se faz hoje.
    O Papa João Paulo II apoiou intensamente o ecumenismo. E apesar de todos os seus esforços e medidas para agradar os hereges nenhum deles se converteu ao catolicismo.
    O Ecumenismo não só não converteu nenhum herege à Igreja, como teve um efeito péssimo: dividiu os católicos.
    Você tem razão em não esperar a união de qualquer grupo herege ou cismático à Igreja, porque a única coisa que produz a unidade é a verdade. E o ecumenismo coloca a verdade católica em segundo plano, visando apenas uma união diplomática que os ecumênicos chama de solidariedade e que não é a caridade.
    A caridade quer fazer o bem aos próximo, e não há maior bem do que a verdade. Recusando dar a verdade aos hereges, calando a verdade, não se chegará nunca à unidade na Fé
   
In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Guerra do Iraque… ou de araque - Orlando Fedeli

Cartas: Carta a "Bof" se for o Boff - Orlando Fedeli

Cartas: Cerimônia escandalosa do Pe. Roberto Lettieri, fundador da Toca de Assis - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais