Montfort Associação Cultural

23 de novembro de 2004

Download PDF

Padrinhos

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Paulo e Lenice
  • Localizaçao: Pouso Alegre – MG – Brasil
  • Escolaridade: 2.o grau incompleto
  • Religião: Católica

CAROS AMIGO, A PAZ DE JESUS ESTEJA COM TODOS VOCES.

EU E MINHA ESPOSA SOMOS AGENTES DO BATISMO EM NOSSSA PARÓQUIA E CERTO DIA NOS PERGUNTARAM SOBRE A ORIGEM DO PADRINHO DE BATISMO. MINHA PERGUNTA É ONDE E QUAL A ORIGEM DO PADRINHO DE BATISMO, CRISMA, CASAMENTO?

AGUARDAMOS ANSIOSOS A RESPOSTA DE VOCES.

ATENCIOSAMENTE.

PAULO E LENICE

Prezados Paulo e Eunice, salve Maria.

Muito provavelmente, a origem de padrinhos de Batismo remonta aos primeiros tempos da Igreja, quando os pagãos se convertiam e recebiam o Batismo, e, com ele, a vida espiritual. Ora, essas pessoas tinham pais naturais que lhes haviam transmitido a vida física. Normalmente, os que os haviam convertido, eram pessoas que não eram seus parentes, mas deles tinham recebido a doutrina católica, e por eles tinham sido levados à pia batismal. Eram, pois, como pais espirituais, e que tinham responsabilidade pelo neobatizado, aconselhando-o e fazendo as vezes de pais espirituais. Daí, se passou a fazer o mesmo no Crisma.

Hoje, em dia, erroneamente, se pensa que o Crisma seria uma confirmação do Batismo. O Sacramento do Crisma nos faz soldados de Cristo, porque a Igreja é militante e não pacifista. O Crisma é dado àqueles que querem lutar pela Fé. Hoje, já não se defende a Fé. Dialoga-se com os inimigos dela.

Os padrinhos de Crisma devem, pois, ensinar a seus afilhados como lutar, defendendo a Fé com argumentos e sem medo, sem nenhum respeito humano, difundindo a Fé católica.

Pelo casamento, constitui-se uma nova sociedade conjugal e familiar que se agregará à sociedade, fazendo-a crescer. Por isso, a cerimônia matrimonial, obrigatoriamente tem caráter público.

Os padrinhos de casamento, além de serem testemunhas da sociedade diante da nova sociedade familiar que se constitui, tem o dever de orientar o novo casal na prática da religião na vida conjugal, lembrando-lhes os deveres de receberem todos os filhos que Deus lhes mandar, — como se lê na nova cerimônia do casamento — e como educar, de modo cristão, os filhos que tiverem.

Esperando tê-los atendido, subscrevo-me atenciosamente,

in Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli.

TAGS

Publicações relacionadas

Artigos Montfort: A Montfort com nova espada - Orlando Fedeli

Notícias e Atualidades: Padre Bux: “Se queremos salvar almas, voltemo-nos para o catecismo”

Cartas: Santa Missa, renovação do sacrifício da Cruz - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais