Montfort Associação Cultural

1 de abril de 2009

Download PDF

Padre se recusa a dar a comunhão diretamente na boca

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Gabriel Oliveira
  • Localizaçao: Vitória – ES – Brasil
  • Escolaridade: Superior em andamento
  • Religião: Católica

Prezados Senhores,
Salve Maria.

Na missa de hoje, na hora de receber a comunhão, eu, reconhecendo a minha indignidade de tocar no corpo de Cristo, apenas esperei que o padre me desse a comunhão diretamente na boca; num tom gozador ele falou: ” Suas mãos estão limpas, menino”. Para não criar escândalos eu então estendi as mãos para receber a comunhão. Eu deveria ter me negado a receber a comunhão nas mãos? Seria melhor eu ter deixado de comungar? Assim que cheguei em casa, logo acessei o site da Arquidiocese da minha cidade para perguntar se tenho o direito de receber a comunhão diretamente na boca.
Outra questão relacionada a isso: é lícito os ministros da eucaristia ministrarem a comunhão aos fiéis ou isso só é cabível ao padre?
Quando será que o papa corrigirá os erros do Concílio Vaticano II e a missa tradicional será restituída?
Peço a Deus que abençoe e frutifique cada vez mais o trabalho dos senhores.

Atenciosamente,
Gabriel Pinto de Oliveira

Muito prezado Gabriel,
Salve Maria.

     A Santa Sé determinou claramente que é um direito do fiel receber a comunhão de joelhos e na boca. Você deveria ter recusado receber a comunhão na mão.

     Escreva respeitosamente a seu Bispo, reclamando seu direito. Caso não o atendam, escreva à Sagrada Congregação do Culto Divino, na pessoa do Eminentíssimo Cardeal Cañizares.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Legalização de aborto de feto anencéfalo - Lucia Zucchi

Oração e Vida Espiritual: Oração a Nossa Senhora, de São Francisco de Sales

Cartas: Sugestão de temas para formação de coroinhas - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais