Montfort Associação Cultural

29 de julho de 2011

Download PDF

Padre é agredido fisicamente por celebrar missa tridentina

Fonte: Il Giornale Della Toscana

26 de julho de 2011 - Florença, Italia

“Basta con la messa in latino” e aggredisce il Prete

“Basta com a missa em latim” e atacou o padre

“Você tem sido durão, mas vamos esmagar sua cabeça. Assinado, seu amigo Satã.” Essa foi uma das várias mensagens ameaçadoras enviadas recentemente ao Pe. Hernan Garcia Pardo, pároco de São Miguel, em Ronta [Mugello região da Província de Florença, Toscana]. Sua culpa [foi] a celebração da missa em latim, liberalizada por Bento XVI em setembro de 2007.

Os avisos, que ocorrem há algum tempo, não fizeram o padre, que apesar de tudo continuou a dizer Missa segundo o rito antigo, desistisse. Na última quarta-feira o padre foi espancado por um “fiel” na Reitoria da cidade, na presença de sua mãe idosa. O espancamento causou-lhe uma contusão nas costas, o que o levou a sala de emergência de Borgo San Lorenzo, onde ele foi tratado.

A notícia foi publicada hoje no “Giornale della Toscana”. As acusações feitas contra Pe. Hernán são de espalhamento do rebanho, e acima de tudo ele não é perdoado por distribuir a Comunhão na boca [ao fiel] ajoelhado em vez de na mão, da mesma forma como Bento XVI.

Para outros, o ítalo-argentino apenas trouxe de volta alguma sacra austeridade à paróquia, excluindo guitarras das celebrações e trazendo de volta para dentro dos muros da Igreja o antigo canto gregoriano. …

Alguns comentaristas estão culpando o ataque à onda de satanismo na Europa, a qual está em alta durante a última década. Em 2007, um dos especialistas do Vaticano sobre satanismo, Don Oreste Benzie, disse ao Sunday Telegraph que existem mais de 8.000 seitas satânicas no país com mais de 600.000 membros “e os números números estão crescendo o tempo todo”.

TAGS

Publicações relacionadas

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais