Montfort Associação Cultural

4 de janeiro de 2008

Download PDF

Padre dá graças a Deus por conversão do irmão ao protestantismo

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Gustavo de Oliveira Martins
  • Localizaçao: Maceió – AL – Brasil
  • Religião: Católica

Olá caríssimo Prof. Orlando e equipe Montfort!
 
Escrevo indignado por hoje ver o quanto estão trabalhando os lobos para tentar destruir a Verdadeira Igreja de Cristo! Como aqui em Maceió ainda não há a Santa Missa Tridentina, continuo frequentando a Missa Nova, pós-conciliar. Infelizmente, não fico mais admirado com os abusos cometidos na Igreja pois os mesmos são tantos e estão “evoluindo” com o passar dos domingos. Pessoas tocando no Santíssimo, músicas “dançantes” (provocando dança como conseqüência), comunhão na mão, roupas indevidas, muita conversa durantes as Missas, entre outros…mas os abusos cometidos pelos leigos acredito que é até compreensível (não eximindo-os de culpa) pois o mau exemplo vem de cima para baixo.
Eu mesmo, como um outro consulente escreveu há algum tempo, achava lindo dizer que as outras religiões são válidas, vendo nessa afirmação muita humildade. Por isso procuro condenar apenas o erro e dizer o que é o correto (quando tenho condições para isso). Porém, quando vejo um padre dizer que “a idéia de achar que somente a Igreja Católica possui a verdade, que somente ela é a Igreja de Cristo, é uma idéia retrógrada, que deve ser deixada na Idade Média” (provavelmente para esse padre a Idade Média foi a idade das trevas) me revolta muito. Isso até expus ao senhor, professor, quando da sua última visita a Maceió. Falo do padre que, para poder celebrar, precisa bater palmas, ou melhor, além de bater, os fiéis precisam bater também, para que a Missa seja “animada”. 
Não bastasse isso que eu relato, domingo último (30/12/2207) fui à Missa novamente onde o celebrante (peço adiantadamente desculpas pelas palavras que serão escritas a seguir) resolveu contar uma historia sobre desestrutura familiar na homilia. Passo então a citar as palavras usadas por ele: “as pessoas hoje em dia gastam muito dinheiro com psicólogos, curandeiros, quando, na verdade, a raiz do problema está na família. Com certeza essas pessoas têm algum tipo de distúrbio na família que as fazem agir de determinadas formas. Uma vez, uma senhora me pediu que abençoasse a casa dela porque, segundo ela, nada dava certo em sua vida. Eu agendei com ela um dia e fui. Ao entrar na casa, havia um rapaz sentado no sofá assistindo televisão e essa senhora falou então para o rapaz: levante daí seu c, v (não publicar essas palavras) que o padre quer benzer a casa...” 
caro professor, na hora achei que tinha entrado no lugar errado e não na Igreja. Não bastasse isso, em seguida, ele resolveu contar outra que me deixou mais indignado ainda e que considero mais grave: 
o meu irmão sempre foi a ovelha negra da família, sempre viveu em farras, bebedeiras, se amigou com uma mulher insuportável e eu sempre dei conselhos a ele, orei por ele e hoje, graças a Deus, ele é crente, virou evangélico“.
Tenho certeza que ele se referiu a alguma igrejola do tipo da do “pedir mais cedo” porque senão ele teria dito que o irmão tinha se convertido ao catolicismo. Professor, isso é muito grave….até quando teremos padres assim? Até quando teremos que ouvi-los dizer heresias? Até quando assistiremos a tantas profanações?

Que Deus continue abençoando o trabalho de vocês!!!

Muito prezado Gustavo,
Salve Maria.

     Você tem razão em sua indignação. Na Missa de sempre, o padre, antes de fazer o sermão, roga a Deus que lhe permita anunciar digna e competentemente o santo Evangelho.
   
  Esses padres modernos, em seus sermões dizem heresias e baixezas. Falam sem competência e indignamente. 
     Esse exatamente é o caso do Padre que você cita: palavrões e a monstruosidade de dar graças a Deus que o irmão ficou herege. Esse padre é pior que o irmão dele que apostatou e foi para uma igrejola qualquer. 
     Esse padre, materialmente, está na Igreja católica, e, abusando de seu sacredócio, espalha heresias e baixezas em seus sermões. Que males não advirão de tais loucuras?
    
 Procurem urgentemente um Padre que queira rezar a Missa de sempre. 
     
Um abraço saudoso.
     
Que Deus lhe dê um santo ano novo.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Notícias e Atualidades: “A vida já existe com o embrião”, afirma Cambiaghi, do Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia

Cartas: Preciso de um Pastor - Orlando Fedeli

Cartas: Joeirando a Montfort - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais