Montfort Associação Cultural

13 de agosto de 2007

Download PDF

O site Monfort ajudou-me imenso!

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: João
  • Localizaçao: Coimbra – Portugal
  • Profissão: Enfermeiro
  • Religião: Católica

Olá a toda a equipa do site Monfort!

Estou a acabar a licenciatura em Enfermagem e escrevo para deixar um comentário, já que encontrei este site há alguns meses atrás, ao acaso, quando pesquisava sobre a posição da Igreja em relação ao espiritismo.

Cresci num ambiente católico, frequentei a catequese ate aos 15 anos e quando era mais pequeno sempre gostei de assuntos relacionados com a religião, rezando o terço todos os dias, sempre que possivel mas principalmente no mês de Maio. Emocionei-me quando fui a Fátima pela primeira vez, tinha eu 11 anos. Gostava mesmo de estar na igreja, de rezar, nao conseguia adormecer sem rezar pelo menos ao Anjo da Guarda.

Conforme os anos passaram, estas práticas foram-se perdendo, mas nunca deixei de frequentar a Santa Missa. No entanto, dúvidas iam aparecendo…comecei a ler artigos relacionados com espiritismo, reencarnação…etc…e pensava eu…”porque nao?”…e comecei a aceitar algumas teorias, esquecendo-me cada vez mais do que me tinha ensinado a Santa Igreja Católica. Cheguei até a duvidar da Presença Real de Jesus na Sagrada Hóstia!

Na primeira vez que vi este site, confesso que me ri bastante…isto porque a minha opinião era totalmente contrária a tudo o que aqui se diz. Então, comecei a visitar o site só por diversão para ler (que o professor e todos me perdoem, mas era a minha opinião na altura) os “disparates” que aqui se diziam… Considerava que este site era demasiado retrógada, antiquado, que nem devia existir um site assim, pois a Igreja já era antiquada o suficiente. Ela tinha de ser renovada, aberta para outras confissões, incluindo ao espiritismo, etc… parece que sentia orgulho em criticar o que aqui era escrito. (agora tenho pena, quase vergonha de escrever isto).

Passei muito tempo entrando no site só para me rir, para criticar o que aqui era dito, até que descobri que vocês defendiam a celebração da Missa de Sempre. Desde criança que pensava que a Missa “actual” (que foi a unica que conheci) era apenas uma tradução fiel da Missa em Latim. Compreendi, com o vosso site que não é assim… aos poucos dei por mim a concordar com o que aqui era escrito!… comecei a procurar o site para encontrar respostas para as minhas duvidas… Percebi que o Concílio vaticano II foi desastroso para a Igreja e acredito firmemente que o 3º segredo de Fátima se refere à grande crise de Fé e apostasia que estamos vivendo.

Digo sinceramente, que apenas pelo que aqui li, tenho um enorme desejo de assistir a uma Missa em Rito Tridentino, e espero que aqui em Portugal haja bastantes igrejas a fazê-lo. As pessoas da minha geração, incluindo eu, nunca tiveram oportunidade de assistir a uma Missa de Sempre e eu acredito que faria bem a todos nós para melhor compreendermos o significado real da Missa: a renovação do sacrifício da Cruz.

Uma dúvida que eu tenho e que gostaria que me respondessem: A Missa de Sempre tem que ser celebrada obrigatoriamente em latim? Ou poder-se-á celebrar em lingua vernácula, com as modificações apenas do rito? É uma dúvida que tenho que, a ser possivel, gostaria que me respondessem.

Por fim, quero apenas dizer que nunca mais procurei temas relacionados com espiritismo ou outra “seita” desse género, pois graças a vocês sei que a Igreja Católica é verdadeiramente a Igreja de Cristo!

Deus vos ajude a continuar o vosso belo trabalho. Permita Ele que a Fé da sua Igreja nunca vacile, rezando todos pelo Papa, para que a Nau da Igreja seja quanto antes conduzida e ancorada às duas colunas da salvação: Jesus presente no Santíssimo Sacramento tão Real e Perfeitamente como no Céu e a Devoção a Nossa Mãe Purísima Santa Maria.

Muito prezado João,
Salve Maria.

     Dou graças a Deus pelo fato de que o site Montfort o tenha ajudado a retornar à Fé que você tinha desde menino. Como é verdade que Nossa Senhora não abandona a quem a Ela se entrega rezando até um mínimo de orações com confiança. Foram suas Ave Marias e seu terço em maio que A levaram a conzi-lo de volta para Deus, livrando-o dos enganos do espiritismo.
     Foi Nossa Senhora quem abençoou os textos do site Montfort e fez com que você encontrasse o que precisava.
     Caso você um dia vá até Fátima, diga a Nossa Senhora que tenha pena de mim também, para que eu possa servi-la até morrer. Diga a Ela que, como pela minha idade, falta-me ainda pouco tempo, que Ele me permita dar aulas e escrever cartas em defesa da Igreja Católica até o dia de minha morte, porque só pela Igreja quero viver e morrer.
     Meu caro João, se um dia eu for a Portugal, de novo, gostaria muito de encontrá-lo e dar-lhe um abraço bem amigo. 

     Quanto à Missa, os modernistas a fizeram dizer na língua popular porque eles crêem que quem reza a Missa é o povo. O que é bem falso. Só o sacerdote tem o poder de realizar o milagre da transubstanciação. Por isso, o Concílio de Trento condenou os que afirmavam que a Missa tem que ser rezada na língua do povo.

     Na Missa de sempre, há palavras em latim, grego (Kyrie elleison) e em hebraico (Amén, Alleluia, Hosanah, Sabaoth). Isso porque, na cruz de Jesus Cristo, Pilatos colocou a sentença de morte de Jesus em latim (língua dos romanos), em grego (língua que todos falavam, então, no Oriente) e em hebraico. Por essa razão, há palavras nessas três línguas, na Missa de sempre. 
     Outra razão é que, como as línguas mortas não mudam de sentido, a doutrina da Missa permanece sem erros, nessas línguas. Se for usada a língua popular — a língua viva — com palavras que estão constantemente mudando de sentido, há grave risco de se introduzirem erros, na Missa.
    Que Nossa Sennhora de Fátima permita que logo você possa assistir a Missa de sempre nas terras de Santa Maria. E que Ela o conserve na Santa Fé.
     Um abraço, meu caro amigo. 
     Escreva-me sempre.
In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais