Montfort Associação Cultural

30 de junho de 2005

Download PDF

O poder da Mídia

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Luiz Santos
  • Idade: 23
  • Localizaçao: Maceió – AL – Brasil
  • Escolaridade: 2.o grau concluído
  • Religião: Católica

Ave Maria cheia de graça

Caros irmãos do Montfort. E impreesionante o que a mídia está fazendo com as pessoas ultimamente. Ela manipula a todos e o que é pior, entra em todos os temas. Desde o seu nascimento teve o papel de mostrar a população o errado (se não foi, deveria). Mas com o passar do tempo venho observando uns ataques as instituições sobretudo as religiões. Nem a Igreja Católica escapa. Qualquer assunto é pra ser falado (liberdade de impremsa), mas como disse uma vez um pádroco: liberdade é estar livre para fazer o bem e não para fazer o que quer (nesse caso a maldade). Fico imprescionado como as pessoas caem nas conversas de alguns cronistas ou reporteres. Como a Igreja reaje a esses ataques que muitas das vezes viram até heresia e blasfémia?

Que Deus Perdoe nosso pecados.

  O MURO DA HIPOCRISIA…

                                                                              …E CÃES CONDUTORES DO REBANHO
 
Muito prezado Luiz,
Salve Maria!
 
    Você tem toda a razão ao constatar como a Mídia combate aa Igreja Católica, e como difunde superstições e propaga inverdades e imoralidades. Ela deveria ser chamada a Mentirídia.
    E isso não é de agora.
    Você constata, ainda com toda a razão, que a Mentirídia “faz a cabeça” das pessoas, criando ídolos, e, quando é preciso, derrubando-os.
    É incrível como ela faz pretensos santos, e, depois, os derruba com toda a facilidade. E o público, sem cabeça própria nem se dá conta de como é manipulado. Os mesmos que foram fanatizados em relação a um pretenso santo ou herói, logo depois riem com os vícios dos “santos” que eles haviam adorado.
    Foi assim com Collor, elevado a alturas olímpicas e celestiais, e depois derrubado pelos horrores da Casa da Dinda e do PC, Paulo César Farias – que morreu não se sabe como.
    Ou como bem se sabe como…
    A Mentirídia, pundonorosamente, faz esquecer o que ela quer que se esqueça…
 
    O PT, o Lula e sus auxiliares genuínos ou zédircêicos seráficos foram colocados sob os holofotes rosiclermente celestiais da Mentirídia e apresentados como modelos de pureza, de honestidade, e firmeza de caráter. Eram a própria Incorruptibilidade.
    Agora …se viu o que valia a imagem criada pela Mentirídia.
   
    Décadas atrás, caiu o Muro da Vergonha, deixando exposta a tirania e a miséria socialista.
    Agora, no Brasil, caiu o Muro da Hipocrisia, deixando exposta a corrupção que se apresentava com o manto farisaico da honestidade.
 
    Certa vez, alguém pediu a Danton, o conhecido orador e assassino jacobino, que fizesse um discurso e desencadeasse uma Revolução na Bélgica. Ao que respondeu Danton que bem conhecia como se faz, de fato, uma Revolução:
   
    ”Não se fazem revoluções com chá. Os grandes princípios de igualdade, liberdade e fraternidade são bons para os livros. Na prática, para fazer uma Revolução, é preciso ter bandidos pagos”.
   
    E ainda:
 
    ”O povo é um rebanho, que, com bons cães, se conduz para onde se quer”. 
 
    Hoje, o rebanho é conduzido não por cães latidores, mas pela Mentirídia, que propaga os sofismas que o “Povo” tem que acreditar.
    Caiu o Muro da Hipocrisia.
    Que vergonha se nos apresentará agora como a Honra?
 
    Quosque tandem Mentirídia abutere patientia nostra?
   
    Só Cristo é o Caminho.
    Só a Igreja tem a Verdade.
    Sigamos somente a Cristo, somente a Verdade, porque quem segue a Mentirídia acaba gritando: “Viva Barrabás!” “Crucifica a Cristo”.
 
In Corde Jesu, semper, 
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Notícias e Atualidades: Cientistas da França rejeitam criacionismo americano e islâmico

Artigos Montfort: Democracia Liberal: demagogia maquiada - Fábio Vanini

Artigos Montfort: Manifesto em defesa de Nossa Senhora - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais