Montfort Associação Cultural

17 de janeiro de 2013

Download PDF

No Reino Unido, mais de mil padres assinam carta aberta contra “casamento” homossexual

Carta publicada em The Telegraph

Tradução em português Radio Renascença 

Artigo de John Bingham traduzido do blog francês de Jeanne Smits 

 

 

Mais de mil padres e bispos assinaram uma carta aberta ao Governo do Reino Unido, mostrando-se preocupados com os efeitos da legalização do “casamento” entre homossexuais, que o Executivo do Primeiro Ministro David Cameron quer introduzir. A carta foi publicada no jornal inglês The Daily Telegraph.

Os 1067 signatários recordam ao Governo que só recentemente é que os católicos puderam participar ativa e livremente na vida social e política do país e temem que essa liberdade seja ameaçada por esta proposta de lei.

Caso seja aprovada, esta legislação terá muitas consequências legais, restringindo seriamente a capacidade dos católicos de poder ensinar a verdade sobre o casamento nas suas escolas, instituições de solidariedade social e locais de culto”.

O Governo já anunciou que a liberdade das igrejas não será posta em causa com a medida, mas isso não convence os sacerdotes: “Argumentar que os católicos e outros poderão ensinar as suas crenças sobre o casamento nas escolas e outros locais não tem qualquer significado se tiverem de promover simultaneamente a visão contrária”.

Entre os mais de mil membros do clero encontra-se um largo espectro de padres e bispos, incluindo muitos que são considerados liberais e ligados ao Partido Trabalhista bem como alguns de tendência mais conservadora.

Segundo artigo publicado no The Telegraph, para os padres que estiveram na origem da carta e muitos bispos, abades e colegas que aderiram, é a combinação de leis de igualdade e de outras leis contra a discriminação em razão da “orientação sexual “, em particular, e uma possível lei de “casamento” para casais do mesmo sexo que automaticamente amordaçarão os  católicos em seus lugares de culto e de ação educativa ou de caridade, mas também os exporão à perseguição e podem chegar à exclusão de muitos ofícios ou profissões. A liberdade de pregar também pode ser ameaçada, especialmente para capelães militares, nas prisões ou hospitais.

Dom Philip Egan, Bispo de Portsmouth

O jornalista, John Bingham, cita o arcebispo Dom Philip Egan, novo bispo de Portsmouth, para que o tom da carta é “dramático“, mas não “exagerado“. “É realmente orwelliano querer definir o casamento“, disse ele, acrescentando que essas palavras são duras, mas que “algo assim é totalitário“. Ele acrescentou temer ver os sacerdotes presos como “homofóbicos” ou “fanáticos“.

Padre Andrew Pinsent, físico e teólogo renomado de Oxford

Um teólogo renomado de Oxford, o padre católico Andrew Pinsent, que assinou a carta acrescenta:

“Somos muito sensíveis a tudo isso que, historicamente, porque, obviamente, a Reforma começou na Inglaterra sobre o casamento. Henrique VIII poderia obter o perdão para seu adultério, mas ele não quis, ele queria controlar o casamento e redefinir o que era um casamento, e o que não era. Porque a Igreja não quis fazer concessões sobre este ponto, três séculos de convulsão dentro da sociedade inglesa se seguiram, e a vida do ponto de vista católico foi muito difícil. O que tememos agora é que uma malha de leis que está sendo colocado violará a nossa liberdade de consciência.”

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais