Montfort Associação Cultural

25 de outubro de 2006

Download PDF

Naturezas de Jesus

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Marcos Pio Dias
  • Localizaçao: Divinópolis – MG – Brasil
  • Escolaridade: 2.o grau concluído
  • Profissão: Tecnico Tributarista
  • Religião: Católica

Sr. Orlando
Que a paz de Nosso Senhor Jesus Cristo esteja sempre contigo.

Gostaria de uma explicação do senhor quanto a um trecho do evangelho de domingo 15/10/06, segundo o evangelho de São Marcos Cap. 10, vercículo 18 diz ” E Jesus respondeu: Porque me chamas de bom? Só DEUS é bom e mais ninguem.” Desculpe mais uma vez, mas Jesus está excluindo sua divindade? Sei que Jesus é Deus filho, e que isso está em varias partes dos evangelhos mas porque em algumas outras passagens evangelicas Jesus não assume sua divindade, parecendo ser ele apenas um enviado de Deus e não o proprio Deus que se fez carne e abtou entre nós.

Ats
Marcos Pio Dias

Muito prezado  Marcos,
Salve Maria.
 
     Nosso Senhor dizendo que só Deus é bom, estava exatamente afirmando a sua Divindade.
     Ele disse ser igual ao Pai, e quem o visse, via o Pai. Afirmou que tudo o que o Pai tinha, ele também tinha. Afirmou ser o Princípio, istro o Verbo no qual tudo foi feito.
     Todas as suas obras provam que Ele era Deus. Por outro lado, Ele mostrou ser também homem. Nasceu de uma mulher, para      provar que era homem como nós. Porém, nasceu de uma Virgem, para provar que era Deus. Dormia no barco, como homem. Fazia parar ventos e tempestades como Deus. Quando nasceu, nem podia andar, para provar que era homem como qualquer um de nós. Mas movia a estrela para provar que era Deus. 
     Em todos os atos de Jesus aparece claramente que sua única Pessoa — a do Filho, Segunda Pessoa da Santíssima Trindade — tinha duas naturezas: uma divina e outra humana. Jesus Cristo é o Filho de Deus feito homem.
     Quando o jovem disse a Ele: “Bom Mestre”, Nosso Senhor lhe respondeu: “Só Deus é bom“. Com isso, Ele não quis dizer que as outras coisas não sao boas. Ele mesmo disse em São Lucas: “o sal é bom” (Luc XIV, 34). Dizendo: “Só Deus é bom”, Nosso Senhor queria dizer ao jovem que só Deus era o Bem absoluto. Queria dizer ao jovem, que se ele reconhecia que Jesus era o bom mestre, devia compreender que Ele era também infinitamente bom por ser Deus. Jesus, então, distinguia entre Bem Absoluto (Deus) e bem relativo (o das criaturas). Desse modo, Jesus convidava o jovem a reconhecer que Ele era Deus.
     Esperando tê-lo ajudado em algo me despeço

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Curso de Catecismo Romano IV – A Oração - Ivone Fedeli

Cartas: Esperança de salvação - Orlando Fedeli

Documentos da Igreja: Adão e Cristo: do pecado (original) à liberdade

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais