Montfort Associação Cultural

31 de maio de 2013

Download PDF

Na França, a loucura anti anti “casamento gay”

Ontem, 29 de maio, um grupo de quatro moças, um rapaz e um senhor, aguardavam na fila diante do Palais de Justice, em Paris, para visitar a magnífica Sainte Chapelle. Uma das moças, entretanto, usava, por baixo de um casaco, uma camiseta da Manif pour tous.  Essa foi a grande manifestação contra a lei que autoriza o casamento entre pessoas do mesmo sexo, que reuniu mais de um milhão de pessoas, dez dias atrás em sua terceira edição.

No mesmo momento, segundo o jornal Le Point, que publica a notícia e o video do advogado, eram julgados em uma das câmaras do Palácio diversos manifestantes que foram presos durante a manifestação…

Imediatamente, agentes da polícia de Paris prendem o grupo no furgão estacionado em frente ao palácio. De lá, uma das moças chama seu advogado, Jerôme Triomphe, que filma a cena a partir de sua chegada.

Alegando um artigo do Código Penal francês que manda punir com sete anos de prisão qualquer pessoa detentora de autoridade que ordena ou obedece arbitrariamente a uma ordem atentatória à liberdade individual, o advogado pergunta os motivos da detenção, o nome do responsável, sem obter resposta, e pede a libertação de seus clientes.

Após comunicação com superiores, os policiais recebem a ordem de embarcar à força o grupo no metrô, sob protesto dos advogados.

A cena filmada termina com a liberação do grupo – note-se a extrema discrição da peça de roupa que motivou a prisão – e a afirmação do advogado de que eles poderiam ir aonde quisessem.

Entretanto, segundo Le Point, não só eles foram “reconduzidos” ao metrô, com a informação de que o acesso à Sainte Chapelle era proibido para eles, como foram novamente detidos à saída do mesmo por outros policiais.

Assista ao vídeo: Le Point

Leia também em Riposte Catholique

 

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais