Montfort Associação Cultural

30 de dezembro de 2011

Download PDF

Meu filho morreu sem batismo, me ajudem!

Autor: Lucia Zucchi

  • Consulente: Anônimo
  • Localizaçao: Belém – PA – Brasil
  • Religião: Católica

Caros irmãos em Cristo, escrevo a vocês em busca de socorro ao qual minha alma se desespera, preciso de respostas a um questionamento que vem me angustiando a ponto de nem sequer dormir em paz. Infelizmente a um ano atrás perdi meu bebêzinho, não sabia que estava grávida e confesso que não provoquei este aborto. Quando ele foi expelido eu estranhei pois ele não estava formado totalmente e na verdade, eu não imaginava que era um embrião, chamei minha mãe e ela desconfiou que se tratava de um aborto, levamos o expelido a minha ginecologista que pediu exame de laboratório, contudo, ja afirmando que acreditava que se tratava mesmo de um embrião.
Irmãos, vocês não imaginam a dor que senti com aquelas palavras, se soubesse, eu teria feito de tudo para ter meu filhinho. Quando o levei ao laboratório, minha mãe me disse para rezar e abençoá-lo antes de entregá-lo, e assim fiz. Pedi a Deus que tivesse misericórdia do meu bebê e o abençoei de todo coração. Depois que saí do laboratório eu me desesperei porque eu não sabia onde iriam deixar os restinhos dele, quis voltar, mas minha mãe me impediu me advertindo que eu precisava saber se era mesmo um embrião. Enfim, meu desespero está no fato de saber que os que não são batizados vão para o limbo, pois são inocentes, mas detém o pecado original e por não serem batizados, não conseguem a graça de estar inteiramente com Deus.
Irmãos, isso me desespera por dentro, me dói na alma, pensar que meu bebêzinho tão inocente estará privado de estar com Deus, nosso Senhor. Por conta disso, rezo desesperada todos os dias para que Deus o perdoe e me perdoe também se por algum motivo eu não fui merecedora de mantê-lo em meu ventre. Irmãos, meu bebê nem sequer nasceu, foi tirado do meu ventre acredito que com menos de um mês de vida, pois era muito pequenino, sem formação de braços, cabeça ou perninhas.
Eu nunca me revoltei contra o meu Senhor por isso, se foi a vontade de Deus deveria ser comprida, ja me confessei sobre isso e perdi perdão a Deus se eu causei tão grande mal. Me dói pensar que meu bebê não poderá ter a graça de ver a face de Cristo. Preciso desesperadamente saber se meu bebêzinho poderá ter essa graça ja que não chegou a nascer e era um serzinho puro e inocente e quando vocês falam sobre o limbo, relatam apenas as crianças que nascem e posteriormente morrem sem receberem o batismo. O sentido de nascer para vocês é vir ao mundo com vida? E os bebês abortados? Como ficam nesta situação ja que sequer tem a chance de nascer e morrem ainda no ventre da mãe?
Me ajudem por favor, preciso de paz sobre isto.
Peço desde já, que rezem também por mim e por meu bebêzinho para que alcancemos a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo.
Que Jesus abençoe a todos vocês e que tenha misericórdia para que todos nós sejamos salvos!
Peço também, encarecidamente, que mantenham sigilo esta carta, ou no mínimo, troquem meu nome por outro, pois tenho certeza que muitas mães devem sentir a mesma aflição que eu.

Cara B.,
Salve Maria!
 
     Antes de mais nada, calma e paz do coração! O que é absolutamente certo é que Deus não faltará com a caridade para com seu filhinho! É preciso em todas as circunstâncias ter confiança em que Ele fará o melhor para conosco.
     Não diga que você “fez um aborto” porque você não o fez, você o sofreu. E um “aborto espontâneo”, que acontece sem culpa sua, nem culpa de ninguém. Isso acontece, dizem os especialistas, com 15 a 20% de todas as primeiras gestações. E, se acontece espontaneamente, está dentro dos planos de Deus!
     
     O que acontece com as crianças que morrem sem batismo, quer tenham nascido com vida ou não? É esse o motivo de sua preocupação e angústia! A resposta para isso é que não sabemos ao certo. A Igreja não tem uma doutrina definida sobre o que acontecerá com as almas das crianças que morrem sem batismo. A hipótese mais aceita entre os teólogos é a de que elas permanecerão no limbo. Nesse local, elas terão uma felicidade natural, visto não poderem ser condenadas ao inferno por não terem cometido pecado, nem poderem ir ao céu, por não terem recebido a “adoção de Filhos de Deus”, por não terem sido batizadas.
     Por quanto tempo elas estarão no limbo? Há duas hipóteses: ou elas estarão aí por toda a eternidade, ou, por ocasião do fim do mundo, elas passarão por uma espécie de prova onde decidirão por uma adesão à vontade de Deus e irão ao céu, ou pela recusa definitiva em servir a Deus e irão ao inferno. Tal prova acontece com todos os homens que passam pelo mundo – apenas não sabemos como se dará com esses pequenos seres, que não tiveram ocasião em sua curtíssima vida de escolher a favor ou contra Deus.
     
     Quanto a você mesma, também não há motivo para angústia! Se você já se confessou, como diz, é preciso confiar no perdão de Deus, pois o sacramento da confissão tem o poder de apagar todo e qualquer pecado que tenhamos feito. “Porque terei misericórdia das suas culpas, e não me lembrarei mais dos seus pecados”, é a palavra de Deus que São Paulo cita na Epístola aos Hebreus.
 
     Agradecemos sua oração para que Nosso Senhor tenha misericórida de nós e nos abençoe e pedimos que rogue sempre por nós.
 
No Coração de Jesus e Maria,
Lucia Zucchi
 

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: João Batista e Jesus - Orlando Fedeli

Cartas: A introdução da morte no mundo e os efeitos do batismo - Emerson Chenta

Artigos Montfort: Disputationes Theologicae – parte 2

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais