Montfort Associação Cultural

30 de agosto de 2009

Download PDF

Marxista! A acusação que faltava contra a Montfort.

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Rogério Amaral Silva
  • Localizaçao: Taguatinga – DF – Brasil
  • Escolaridade: Superior em andamento
  • Profissão: Policial Militar
  • Religião: Católica

Prezado Professor Orlando,
Salve Maria

     Sou o Rogério, de Brasília. Acabei de ler um pequeno artigo, na verdade um parágrafo, de Padre Joãozinho. No pequeno texto, o sacerdote teve a capacidade de acusar a Montfort de marxismo velado por conta do método de confronto.
 

     Que absurdo, pelo mesmo raciocínio, poderia se afirmar que Nosso Senhor Jesus Cristo era adepto da dialética marxista, tendo em vista o violento choque e acusações que fazia contra os Fariseus.
     São esses os doutores formados na Gregroriana de Roma?
     Qualquer bacharelzinho sabe que na dialética marxista tanto a tese com a antítese são aniquiladas para a formação da síntese. No apostolado católico não existe confronto de tese com antítese, mas somente entre Verdade e Mentira, no qual a Verdade deve prevalecer sobre a mentira.
     Confira abaixo, texto foi retirado do site:
     http://www.padrejoaozinhoscj.com.br/ no link “artigos”:

O Marxismo velado do site MONTFORT

     Tenho lido com interesse as publicações do site Montfort. Alguns dos frequentadores deste espaço costuma passar diariamente em meu BLOG e deixar aqui seus comentários. Alguns deles têm muito valor, inclusive acadêmico.
 

     Mas o que tem me deixado com uma pulga atrás da orelha é a sistemática “metodologia do conflito” utilizada por alguns deles. Esta dialética “diabólica” (no sentido etimológico da palavra) é própria da dialética materialista marxista, que tem como essência o ateísmo prático. Neste caso vejo uma ortodoxia teórica e um ateísmo prático. A necessidade de sempre
combater alguém é tipica da guerrilha marxista. Esta “guerra santa” promovida pela site Montfort no fundo professa o ateísmo prático. O cristão prefere a ternura. Quando afirmei isso outro dia, um dos Montfortianos me chamou de sentimental. Outro ridularizou pessoas deste BLOG. Tenho coleções de pecados contra a caridade entre os comentários registrados aqui no BLOG.
 
     Ultimamente tenho visto a guerra santa acontecendo mesmo entre os próprios tradicionalistas. Como diz Jesus “como é possível sobreviver um reino dividido contra si mesmo”? Se professamos a mesma fé, vamos viver na caridade que nos une e congrega. Fora disso, até a mais autêntica ortodoxia é heterodoxa. Até a mais genuína fé se torna pagã!

Muito prezado Rogério, salve Maria.
 
     Essas acusações só me honram. Esse padre herege me acusa de ser marxista e materialista. Outros padres (até tradicionalistas) me acusam de ser modernista e liberal (Sic). Houve quem dissesse que eu iria aderir ao Vaticano II e à Missa nova, por defender o Papa Bento XVI. Outros dizem que sou tefepista disfarçado. Só falta alguém me acusar de usar uma careca postiça, de ser gago, ou de me disfaçar de baixinho. Ou que sou um jovem cabeludo disfarçado de velho de 76 anos.
 
     Na Divina Commedia, Dante (um inimigo de Roma e do papado) coloca na boca de Virgílio estes versos magníficos, aconselhando-o a não dar ouvidos a ofensas de pessoas que o odiavam:
 
     ”Vien dietro a me e lascia dir le genti,
      Sta come torre ferma che non china
      Giammai la cima per soffiar dei venti”
 
     (Cito de cor, o que explicaria algum posível erro meu nessa citação)
 
     ”Vem após mim, e deixa as pessoas falarem.
     Permance como torre firme que
     jamais inclina seu topo, pelo soprar dos ventos”
 
     Um abraço bem amigo.
 
In Corde Jesu, semper,
     Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: "Pregador" da RCC mostra toda sua cultura

Cartas: Carnaval ´cristão`? - Orlando Fedeli

Cartas: Seminarista mostra como é o ecumenismo ensinado nos seminários - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais