Montfort Associação Cultural

13 de julho de 2008

Download PDF

Jesus quer salvar todos os homens

Autor: Alinny Amorim

  • Consulente: Renata Lara
  • Localizaçao: Campo Grande – MS – Brasil
  • Religião: Católica

Queridos amigos em Cristo, Salve Maria! 

Por intermédio de Maria Santíssima, rezemos fervorosamente em defesa da Santa Igreja, que sofre tantos insultos a cada dia, sob diversos aspectos. Ontem mesmo, justamente no primeiro ano de “liberação” da Missa Tridentina, a mesma foi atacada e duramente criticada. Pensam estarem loucos todos aqueles que assistem a Ela, pensam estarem caídos no anacronismo todos aqueles que dEla participam. E acreditem! Querem reclamar justamente a quem??? Ao Papa!!!
 
Rezemos pelo Santo Padre, a fim de que o Senhor o conserve, e pelos nossos sacerdotes, para que permaneçam firmes e incorruptíveis na fé, de forma que, seguramente, sigam na pregação do verdadeiro Evangelho, no combate aos modernismos e a tantas barbaridades que vemos ocorrer. Que eles levem a todos a verdadeira doutrina Católica, mesmo que muitas vezes ela venha a ser difamada, por membros da própria Igreja, que como filhos ingratos atacam a sua Mãe amorosa. 
 
Vamos rezar com fé, no intuito de que não se afastem pessoas do único e sábio Caminho. Alguns sacerdotes, infelizmente, esquecem-se de que sua função é nobre. Domingo passado mesmo, 06/07/08, recebemos de um padre o conselho de não falarmos de Nossa Senhora aos protestantes. Devemos baixar a cabeça, então? Devemos privá-los de encontrar a Verdade? Se temos familiares, parentes, amigos, ou conhecidos que estão desviados, é nosso dever ajudá-los. Não precisamos destratá-los, mas por caridade, devemos chamá-los para perto de Deus, com serenidade. Se o coração deles for duro, e nossas palavras não adiantarem, rezemos por eles. Quem ama a Deus sobre todas as coisas ama ao Bem mais do que a tudo. Quem ama corrige, educa no que é certo, traz para a Verdade. 
 
Jesus ama a nós católicos? Sim. E ama os budistas, os protestantes e todos os demais afastados. Porém, Jesus ama os budistas, os protestantes e todos os demais afastados enquanto pecadores que podem vir a se redimir, jamais enquanto hereges. E como Ele deu sua vida por todos nós, quer, portanto, salvar todas as almas, inclusive as dos hereges, dos blasfemos, dos apóstatas, dos ingratos. E Ele dá graças até mesmo aos apóstatas, infiéis, hereges a fim de que ocorra a sua conversão à önica Religião Verdadeira, que é a CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA, fora da qual não há salvação.
 
As almas dos infiéis também são obras das mãos de Deus e também são feitas à sua imagem e semelhança. Jesus derramou todo o seu Sangue e padeceu morte atrocíssima por todos nós. Não devemos ficar calados, tampouco permanecer inertes. Façamos a nossa parte, sábia e convenientemente. E não temamos, pois Deus prometeu que as portas do inferno jamais prevalecerão sobre a Igreja.
 
Que a Virgem Maria, pela graça que vem de Deus, nos dê a coragem necessária para enfrentarmos o mal e chamarmos para a Vida aqueles que da Vida estão afastados.
 
O meu abraço,
Renata.

Muito prezada Renata,
Salve Maria!

Fico muito feliz por sua carta de desabafo. Permita-me chamá-la de desabafo, pois creio eu que muitos de nós quereríamos dizer as mesmas coisas, em palavras diferentes, porém com o mesmo tom de clamor e de ódio perfeito contra os que torturam nossa alma a cada dia. Faço minhas as suas palavras, assim como sua angústia pelo que nos tortura.

Minha amiga, os homens maus querem sim nos torturar. Amedrontar nossa alma. Fazer de nossas almas, almas covardes e cansadas, sem forças para combater. Almas “anestesiadas”, desanimadas, inertes e indiferentes às torturas. E imaginando-se vencedores, eles cogitam nossas pobres almas unidas às deles no combate à Sã Doutrina. 

Mas não! Enganam-se aqueles que pensam estar vencendo nossas almas pelo cansaço. Sim, nossas almas estão cansadas. Porém, ainda continuamos lutando, com a humilde força que têm nossas almas-espadas. Nossos inimigos? Não… “não devemos destratá-los”, mas tratá-los com firmeza, dureza e rudeza, se preciso for. Corrigindo os errantes e ensinando os ignorantes, caridosamente. E “se o coração deles for duro, e nossas palavras não adiantarem, rezemos por eles”. Peçamos a Nossa Senhora que abra os olhos deles para a Verdade e que Ela, nossa guardiã, faça de nossas almas, “almas-espadas”, de soldados combatentes, com “argumentos-flechas” que acertam certeiros o contra-argumento herege e mentiroso.

Nosso Senhor ama a todos. Mas nem por isso todos amam a Nosso Senhor. O Amor de Cristo não bastou para converter os hereges. O Amor de Cristo não nos uniu. Somos ingratos. E como podemos ver, minha amiga, nem mesmo dentro da Santa Igreja, imaculada, bastou o amor de Cristo para unir ao Papa esse padre ao qual você se refere, assim como tantos outros que perseguem o Santo Padre.

Como você disse, lamentavelmente existem a apostasia e a infidelidade. São os frutos sempre patentes da luta entre a luz e as trevas, entre o bem e o mal, entre a bandeira de Deus e a bandeira de Lúcifer, entre a Cidade de Deus e a Cidade dos Homens. É por isso que lutamos atrozmente contra as trevas, amando o inimigo como a nós mesmos, e fazendo o possível para salvar sua alma, mesmo que para isso tenhamos que derrotá-lo, caridosamente.

E a você, minha cara Renata, tenho nesta batalha como minha irmã. Agradeço-a por esta sua carta que veio a mim no dia de hoje como um presente de Deus, especialmente no dia de hoje, quando me encontrava enormemente abatida com alguns desgostos. Obrigada por seu desabafo que me fez rezar e desabafar.

Uno-me a você em oração pelo Santo Padre neste um ano de Summorum Pontificum.

Um grande abraço!

In Jesu et Maria, semper
Alinny Amorim

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Referências bibliográficas sobre Psicologia

Cartas: Defesa de Frei Betto, Boff e outros - Orlando Fedeli

Cartas: Filme sobre Lutero, verdade ou mentira? - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais