Montfort Associação Cultural

24 de janeiro de 2005

Download PDF

Jesus Histórico

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Marcelo Henrique
  • Localizaçao: – Brasil
  • Religião: Católica

Muito Prezado Professor Orlando!
Que a paz e a graça do Senhor Jesus estejam sempre convosco!

Caro professor, antes de mais nada, perdoe-me por haver levado tanto tempo para lhe escrever novamente. Meu cotidiano tem sido repleto de atividades, tanto acadêmicas quanto eclesiais. Com a graça do Bom Deus, todas estas atividades têm sido levadas a bom termo.

Professor, um amigo me interrogou ultimamente acerca da existência do Jesus histórico. Teria ele interesse em “provas científicas” da existência do Senhor Jesus. De pronto, eu poderia dizer algumas coisas a este jovem, que está, felizmente, crescendo na fé e encontrando-se com Deus, mas guardo firme convicção de que o professor poderia fazê-lo com indiscutível maior êxito.

Despeço-me, com fraterna saudação, aguardando sua resposta,

Do amigo,

Marcelo Henrique

Meu caro Marcelo, salve Maria.

Sobre a existência histórica de Jesus, há vários documentos históricos além dos Evangelhos que são também documentos históricos de valor insuperável.

Por exemplo, o historiador judeu Flávio Josefo que viveu ainda no primeiro século (nasceu no ano 37 ou 38 e participou da guerra contra os romanos no ano 70, escreveu em seu livro Antigüidades Judaicas:

“(O sumo sacerdote) Hanan reúne o Sinedrim em conselho judiciário e faz comparecer perante ele o irmão de Jesus cognominado Cristo (Tiago era o nome dele) com alguns outros” (Flavio Josefo, Antiguidades Judaicas, XX, p.1, apud Suma Católica contra os sem Deus, dirigida por Ivan Kologrivof. Ed José Olympio, Rio de Janeiro 1939, p. 254).

E mais adiante, no mesmo livro, escreveu Flávio Josefo:

“Foi naquele tempo (por ocasião da sublevação contra Pilatos que queria servir-se do tesouro do Templo para aduzir a Jerusalém a água de um manancial longínquo), que apareceu Jesus, homem sábio, se é que, falando dele, podemos usar este termo — homem. Pois ele fez coisas maravilhosas, e, para os que aceitam a verdade com prazer, foi um mestre. Atraiu a si muitos judeus, e também muitos gregos. Foi ele o Messias esperado; e quando Pilatos, por denúncia dos notáveis de nossa nação, o condenou a ser crucificado, os que antes o haviam amado durante a vida persistiram nesse amor, pois Ele lhes apareceu vivo de novo no terceiro dia, tal como haviam predito os divinos profetas, que tinham predito também outras coisas maravilhosas a respeito dele; e a espécie de gente que tira dele o nome de cristãos susiste ainda em nosos dias”. (Flávio Josefo, História dos Hebreus, Antigüidades Judaicas, XVIII, III, 3 , ed. cit. p. 254).

Tácito, historiador romano, também fala de Jesus.

“Para destruir o boato (que o acusava do incêndio de Roma), Nero supôs culpados e inflingiu tormentos requintadíssimos àqueles cujas abominações os faziam detestar, e a quem a multidão chamava cristãos. Este nome lhes vem de Cristo, que, sob o principado de Tibério, o procurador Pôncio Pilatos entregara ao suplício. Reprimida incontinenti, essa detestável superstição repontava de novo, não mais somente na Judéia, onde nascera o mal, mas anda em Roma, pra onde tudo quanto há de horroroso e de vergonhoso no mundo aflue e acha numerosa clientela” (Tácito, Anais , XV, 44 trad, Gaelzer na Coleção Budé, apud Suma Católica contra os sem Deus p. 256).

Suetônio na Vida dos Doze Césares, publicada nos anos 119-122, diz que que o imperador Cláudio “expulsou os judeus de Roma, tornados sob o impulso de Chrestos, uma causa de desordem“; e, na vida de Nero, que sucedeu a Cláudio, acrescenta: “Os cristãos, espécie de gente dada a uma superstição nova e perigosa, foram destinados ao suplício” (Suetônio, Vida dos doze Césares, n. 25, apud Suma Católica contra os sem Deus, p. 256-257).

Plínio, o moço, em carta ao imperador Trajano (Epist. lib. X, 96), nos anos 111 – 113, pede instrução a respeito dos cristãos, que se reuniam de manhã para cantar louvores a Cristo (Cfr, Suma Católica contra os sem Deus,p. 257)

Esperando tê-lo ajudado, despeço-me aguardando sua resposta,

in Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli.

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: A crucificação de Nosso Senhor - Orlando Fedeli

Cartas: Bibliografia sobre a história de Portugal - Marcelo Andrade

Cartas: A "ressurreição" dos católicos no Japão - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais