Montfort Associação Cultural

19 de novembro de 2004

Download PDF

Jesuitas

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Romulo
  • Idade: 26
  • Localizaçao: Curitiba – PR – Brasil
  • Escolaridade: Pós-graduação incompleta
  • Religião: Católica

Boa Tarde!

Achei muito interessante este site! Parabéns aos idealizadores.
Eu estou fazendo uma pesquisa sobre os jesuitas no Brasil, Colônia e tenho encontrado muitas dúvidas referentes aos motivos reais que teriam levado os jesuitas a serem tão perseguidos, eles foram colocados na ilegalidade até pela igreja (consta que o Papa Clemente XIV dissolveu a Ordem da Companhia de Jesus). o sr com todo seu conhecimento histórico religioso possui alguma informação???

Agradeço a atenção.

Muito prezado Rômulo,
Salve Maria!
 
    Muito obrigado por seus elogios ao site Montfort. Peço-lhe que reze por nós.
 
    A supressão da Ordem dos Jesuítas pelo Papa Clemente XIV foi o ponto máximo da perseguição que a maçonaria iluminista moveu aos filhos de Santo Inácio durante os século XVIII.
 
    Nessa perseguição cooperaram os Reis Bourbons e o Imperador José II. Também cooperaram para esse resultado, os jansenistas que queriam se vingar da condenação que o Papa lhes fizera.
 
    A capitulação do Papa Clemente XIV às pressões dos Iluministas e da maçonaria facilitou a eclosão e o triunfo da Revolução Francesa, assim como a perseguição desenfreada que ela fez à Igreja.
 
    Em Portugal, e, conseqüentemente no  Brasil, o ministro Pombal — que era maçon — perseguiu os Jesuítas, enfileirando-se ao que faziam os maçons de outros países europeus, na campanha contra a Companhia de Jesus.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Inquisição Espanhola e Absolutismo - Orlando Fedeli

Cartas: Igreja Católica e nazismo. Omissão? - Orlando Fedeli

Cartas: Apóstolo João - Ivone Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais