Montfort Associação Cultural

27 de setembro de 2012

Download PDF

Irá Bento XVI celebrar a Missa Tridentina em Novembro?

O assunto tem causado não pouca celeuma entre os fiéis da Missa Tradicional e entre os participantes da Peregrinação do “Coetus Internationalis Pro Summorum Pontificum” a Roma. Aparentemente, a mudança no horário da Missa a ser celebrada em 3 de novembro ma Basílica de São Pedro e as negativas do Padre Lombardi a respeito da celebração pelo Santo Padre deveriam fechar a questão. Mas se o tema continua em pauta, ainda há esperanças.  Se não para agora, para um futuro próximo…

Comentário de Edward Pentin

Publicado no  National  Catholic Register

Tradução Montfort

Há algumas semanas, um rumor circula por Roma, o de que em novembro o Papa Bento XVI vai, pela primeira vez em seu pontificado, publicamente celebrar a Missa Pontifical no Rito Antigo.

 A data especulada é 3 de novembro, quando milhares de peregrinos, de todas as partes do mundo, deverão participar da Missa no Rito Tridentino na Basílica  S.Pedro.

 A peregrinação e Missa, organizados pelo “Coetus Internationalis Pro Summorum Pontificum”, um grupo que reúne diversas organizações católicas tradicionalistas, ocorrerão em ação de graças pela promulgação do Motu Proprio Summorum Pontificum pelo Papa Bento XVI em 2007, que proporcionou uma maior liberdade de celebração do Rito Antigo aos fiéis.

Os organizadores afirmam também que a Missa no Rito Antigo, ou Forma Extraordinária, servirá ao propósito de demonstrar lealdade a Pedro e amor à Igreja, possibilitando uma oportunidade de rezar pelo Santo Padre, e ser uma expressão da participação na Missão da Igreja, em particular a Nova Evangelização e o Ano da Fé.

 A paróquia romana da Santissima Trinità dei Pellegrini, sob os auspícios da Fraternidade Sacerdotal S. Pedro, também está envolvida no evento.

Até o momento, o principal celebrante não foi anunciado, mas analistas predizem que a peregrinação “entrará para a história da Igreja” se as suspeitas da participação do Papa se confirmarem. O site da Igreja alemã Kreuz.net afirma que muitos redes de televisão já se preparam para cobrir a Missa, entre elas CNN, Fox News, BBC e mesmo a rede árabe Al Jazeera.

Se o Papa vier a rezar uma Missa Pontifical Solene na basílica uma mensagem ainda mais forte será transmitida àqueles favoráveis ao Rito Antigo: que é uma forma perfeitamente válida da Missa, e que sua celebração deveria ser encorajada. Também servirá para destacar a “hermenêutica da continuidade” do Santo Padre – sua convicção de que não houve ruptura com a Tradição no Concílio Vaticano II.

O rumor veio à tona em agosto por meio de um confiável alto oficial do Vaticano que discutiu com bastantes detalhes a participação do Santo Padre na Missa. Mas quando eu questionei ao Pe. Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano, no mês passado, ele negou firmemente essas especulações, afirmando-as “completamente falsas” e que o mesmo deveria ser repassado ao responsável por espalhar o boato. Da mesma forma, o Cardeal Raymond Burke, que há dois anos celebrou a primeira Missa Pontifical Solene na basílica de S. Pedro desde os anos 1960, afirmou-me em 9 de setembro “não ter conhecimento” do evento, nem mesmo saberia qual o responsável pela organização.

O Pe. Lombardi reafirmou sua negativa esta semana. “Como sói acontecer todos os anos, o Papa celebrará a Missa em S. Pedro no dia 3 de novembro pelos falecidos Cardeais e Bispos, o que se dará na Forma Ordinária, como sempre”, declarou. Ele afirmou ainda não estar ciente a respeito dos planos dessa peregrinação, nem quem seria o responsável por rezar sua Missa, mas que “certamente não será o Papa”.

 Os organizadores postaram uma notificação em seu site no dia 19 de setembro anunciando a mudança de horário da Missa na basílica para a tarde.

 Mas, mesmo que estando descartada a possibilidade de o Papa rezar a Missa no dia 3 de novembro, o fato de Bento XVI não ter ainda celebrado a Missa no Rito Antigo publicamente permanece um mistério. O fato é que levou certos analistas a considerar se ele aceita verdadeiramente à Missa no Rito Tridentino, ou se o motu próprio foi meramente um gesto ou parte de uma estratégia para reconquistar a Fraternidade Sacerdotal S. Pio X.

 Benjamin Harnwell, um lobista romano conhecido por seu apoio ao Rito Antigo, argumenta que mesmo não sendo Bento XVI impulsivo, mas alguém que medita profundamente sobre suas ações, ele tampouco se demora quando ações decisivas são necessárias. O tempo de tais determinações, acredita ele, pode ser agora ou muito em breve.

 “Meu palpite”, diz ele, “é que o Santo Padre pode ver este ano – o 50º aniversário da abertura do CVII, o ano que ele mesmo designou como o Ano da Fé, o ano no qual ele estabeleceu a Pontificia Academia Latinitatis (uma nova Academia Pontifícia para o latim) – como um momento simbólico para publicamente oferecer a Missa na Forma Extraordinária, e ao fazer isso clame ao Rito Antigo como a uma fênix saída das cinzas da reforma litúrgica pós-conciliar”.

 Com relação à possibilidade do dia 3 de novembro, diz ele: “Quem sabe? Pode muito bem ser a hora. Oremus.”

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais