Montfort Associação Cultural

11 de dezembro de 2012

Download PDF

Imaculada Conceição: honrar a Deus nas suas obras

Autor: Marcos Bonelli

Imaculada Conceição – Diego Velazquez

Hoje buscaremos alguns motivos para honrar a Imaculada Conceição da Santíssima Virgem, nesta festa que era chamada pelos católicos da Irlanda, no século IX, de a Grande Festa de Maria.

Parece-nos que seja suficiente compreender que as homenagens que damos à Santíssima Virgem hoje são agradáveis a Deus. Buscaremos ver como e por que.

O agrado de Deus

Nós devemos louvar as obras que Deus faz. Eis que hoje contemplamos uma maravilha que Ele fez por sua graça, a obra-prima da criação.

Vemos em Nossa Senhora toda a onipotência triunfante de Cristo sobre o pecado. Ela não somente cura e repara, mas previne o mal e preserva de toda mancha de pecado.

Nós, todos os homens, somos náufragos que Cristo tirou do mar, mas a Virgem Maria sequer foi tocada por uma gota de sua água. Suas ondas não puderam cobri-La. Nosso Senhor ordenou que esse mar agitado se retirasse diante de Sua Mãe.

Como é certamente agradável a Deus que o louvemos dando graças pela beleza de Sua Mãe!

Mas nós podemos ficar mais seguros de que louvar a Imaculada Conceição agrada grandemente a Deus vendo como Deus mesmo agiu ao longo dos séculos.

No começo de nossa história, esse privilégio da Virgem foi anunciado sob o símbolo da inimizade triunfante estabelecida entre a mulher e o fruto de seu ventre, de um lado, e a serpente com sua raça, de outro.

Como Deus é bom, não deixando a humanidade sem esperança nem mesmo um instante!

A humanidade entrou pelo caminho duro e humilhante da expiação mas, desde os primeiros passos, ela já possui a perspectiva consoladora de uma gloriosa revanche.

Depois vieram numerosas figuras do Antigo Testamento. Mesmo que não se aplicassem diretamente à Virgem puríssima, elas evocam tão naturalmente o pensamento dela que se mostram como um alimento divinamente preparado para que os homens tenham uma piedade toda voltada à nossa Mãe Imaculada.

Desde muito tempo os santos uniram Jesus e Maria na explicação destas figuras: a Arca da Aliança, o mel que Sansão descobre na garganta de um leão, o tecido de Gedeão, inicialmente o único preservado da chuva mas depois o único coberto pelo orvalho, o lírio que floresce entre os espinhos. São tantas figuras que se referem a Cristo mas que nos lembram também de modo admirável Sua Mãe isenta de toda mancha.

Maria Imaculada não é esta Arca que conteve muito mais do que as Tábuas da Lei, contendo o Autor da graça e da lei do amor? Ela é esse mel de perfeita bondade e doçura que foi produzida pela morte de Cristo, Ela somente foi preservada das águas amargas do pecado e recebeu as águas de todas as graças, somente Ela é excelentemente pura como o lírio é branco.

Como o demônio usou toda a sua habilidade para evitar que a Imaculada Conceição fosse proclamada, para esconder sua derrota total!

Mas Deus, preocupado com a honra de sua Mãe, usando desta força cheia de doçura que caracteriza sua ação, fez com que pouco a pouco essa vitória resplandecesse diante dos olhos de todos.

Honrar este privilégio é imitar a Deus e, sem dúvida alguma, ser-Lhe agradável.

Nós podemos admirar aqui com que bondade Deus se agrada nas honras que recebem dos homens as pessoas que Lhe são fiéis.

Tomemos o propósito, nesta Grande Festa de Maria e para sempre, de testemunhar nosso amor por Deus honrando a Santíssima Virgem.

Cultivemos a verdadeira devoção por Nossa Senhora pelo motivo mais elevado que pode haver: a caridade.

Marcos Roberto Bonelli

Publicações relacionadas

Artigos Montfort: Os sete selos da Virgem Maria

Artigos Montfort: A Assunção de Maria Santíssima e a união das vidas ativa e contemplativa - Marcos Bonelli

Cartas: Devoção à Nossa Senhora - Celso Gubitoso

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais