Montfort Associação Cultural

1 de agosto de 2006

Download PDF

Guerra entre Israel e Hizbollah

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Edsamer Silva Aragão
  • Localizaçao: Maceió – AL – Brasil
  • Escolaridade: 2.o grau concluído
  • Profissão: Estudante
  • Religião: Católica

É justo Israel atacar para se defender dos ataques de terroristas islâmicos do Hizbollah?

Há alguma coisa de escatológico entre essa guerra?
É o povo judeo mais forte do que os islâmitas teologicamente falando?
Será que essa guerra é o início de expansão do islamismo quer dominar o mundo e perseguir a Igreja?

Há alguma coisa de apocalíptico nisso?

Estou rezando para que essa guerra acabe o mais rápido possível e, para que Nosso Senhor Jesus Cristo, protega os cristãos; em especial os maronitas e, os Patriarcas Católicos que habitam no Líbano, que por sinal, estão passando por graves tormentos com essa guerra.

Que a Mãe de Deus e o arcanjo São Miguel proteja a Igreja, em especial a Igreja Católica Oriental.

Edsamer Silva Aragão. Católico síriaco.

Até mais.

Muito prezado Edsamer,
Salve Maria.
 
    O direito de legítima defesa é por demais ultrapassado por Israel que faz uma guerra de devastação absurda por causa do sequestro de dois de seus soldados. Ainda agora a notícia da morte de 37 crianças e inocentes em Qana comprova isso.
    A volta de Israel à Palestina é um fato relacionado com a escatologia. Entretanto, seria preciso saber ainda se o atual retorno é o predito na Escritura, pois que ninguém sabe se Israel se manterá lá.
    Que Deus proteja os cristãos do Libano e da Palestina.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Socialismo e Idade Média - Orlando Fedeli

Artigos Montfort: Teologia da Ecologia Integral e a defesa do Ambiente Inteiro - Orlando Fedeli

Notícias e Atualidades: Projeto sobre eutanásia mergulha Luxemburgo em crise constitucional

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais