Montfort Associação Cultural

25 de novembro de 2004

Download PDF

Glória de Deus?

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Fábio
  • Idade: 46
  • Localizaçao: São Paulo – SP – Brasil
  • Escolaridade: Superior concluído
  • Profissão: Analista Sistemas
  • Religião: Católica

Caro porf. Orlando, numa rsposta os r dizia  que perguntaram a Jesus quem havia pecado o pai ou a mão para uma pessao ter
nascido cega, ea respota ninguem, isto é para provar a glória de Deus.

Mas Jesus não curou um cego? Não teve ele  dó e misericórdia daquele cego e de outros que receberão a”glória ” de Deus. O que estou querendo dizer com isso é que, como o nosso Pai e nós que somos pais qureríamos que o nooos filho nascesse com alguma deficiência?

claro que não, mas o senhor diz que as vezes Deus faz isso sabendo que determinada pessoa usaria mal sua vida não tendo  uma deficiência. Mas se fosse assim quantos despotas e assassinos que a humanidade teve e tem bnasceram comletament saudaveis?

Não tem nexi, desculpe caro prof., mas como ?

As vezes fico indignado com o sofrimento de pessoas que nascem cegasm deficientesm ou com problemas menatias e congênitos que são um verdadeiro martírio para si mesmo e para as pessoas próximas a ela.

O Espiritismo diz que o mau uso numa vida passada faz a pessoa voltar com uma deficiencia, e por isso não podemos ter dó
destas pessoas (!!) , diz tambem,  que,  quando alguem se suicida pode voltar com problemas mentais (!!?)
 
poderia me comentar estas afirmações da doutrina kardecista?

aliás na Bíblia não se fala em suicídio? há alguma referencia a este ato?
 
muito obrigado

Muito prezado Fábio, salve Maria !
 
    Deus é nosso Pai amorosíssimo. Ele conhece tudo, e sabe o que deve dar, ou tirar, a cada um. Jamais Ele dá uma cruz a alguém que a pessoa não possa carregar. Como bom Pai e bom médico, Ele nos faz sofrer só o que é melhor para cada um de nós. De modo que, em sua Sabedoria inifinita, a alguns Ele cura, e a outros não, conforme for melhor para a sua alma. Por isso, Jesus nos recomendou que carregássemos, cada um, nossa própria cruz.
 
    Quando Deus não dá sofrimento algum nesta vida, isso é mais um sinal de perdição do que de proteção.
 
    Deus, por ser infinitamente justo, tem que recompensar de algum modo até mesmo os bens naturais que alguém faz. Se um pecador inveterado trata bem sua própria mãe, Deus é obrigado a recompensar esse bem feito, nesta vida, porque ele vê que, na outra vida, tal pessoa, muito provavalmente vá para o inferno. Desse modo, uma vida seja de bens materiais e quase sem sofrimentos, normalmente, é sinal antes de perdição do que de salvação. A quem Deus ama, Ele castiga”, diz a Sagrada Escritura (Apoc. III, 19).
 
    O maior mal não é ser fisicamente cego. Muito pior que isso é ser cego espiritualmente, como o são os espíritas. O maior mal é o pecado, e não uma deficiência fisica. Entre os pecados, os maiores são os cometidos contra a Fé, como o pecado do espíritismo, condenado expressamente por Deus em muitas passagens da Sagrada Escritura, especialmente quando Ele condena a necromancia ou consulta aos mortos, como se lê, por exemplo em Deut. XVIII. 11, onde Deus condena como abominação consultar os nigromantes ou “indagar dos mortos a verdade” (Deut. XVIII. 11). Portanto, em vez de você se indignar contra Deus que permite uma doença ou deficiência física, deveria indignar-se contra os pecados enormes que se cometem contra a Fé e contra a caridade.
 
    A doutrina reencarnacionista de kardec é uma mentira pois que contraria o que Jesus ensinou no Evangelho. Na Sagrada Escritura– que é a palavra de Deus –está dito que “foi decretado que o homem morra um só vez (Heb,IX, 27).
 
    Portanto não existe reencarnação coisa nenhuma.
 
In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Artigos Montfort: Allan Kardec, um racista brutal e grosseiro - Orlando Fedeli

Cartas: Admirável respeito de um espírita para com a Igreja Católica e a Montfort - Orlando Fedeli

Cartas: Igreja vs. Espiritismo - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais