Montfort Associação Cultural

31 de janeiro de 2010

Download PDF

Fiel lamenta a corrupção do clero local

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Eduardo Coutinho
  • Localizaçao: Pesqueira – PE – Brasil
  • Escolaridade: 2.o grau concluído
  • Profissão: Empresário
  • Religião: Católica

Caro professor Fedeli, venho sempre acompanhando seu site e pela primeira vez lhe escrevo com uma pergunta: Como podemos ser católicos da verdadeira doutrina se estamos cercados de todos os lados pelos seguidores do concilio vaticano II? E que será das próximas gerações, como haverá alguém com a verdadeira doutrina se a própria igreja luta contra nós?

MEU DESABAFO…

Moro em Pesqueira uma pequena cidade do agreste Pernambucano e nossas missas são carismáticas cheias de danças, coreografias, musicas de todos os ritmos que tiram todo o clima da celebração do Calvário de Cristo, ainda mais que há muitas vezes cânticos de parabéns para os aniversariantes com direito a muitas palmas, às vezes noto que Cristo está em segundo plano na Missa e que a preocupação é com as musicas e o acústico do som ou até a alegria da platéia, e sempre que vem um padre novo parece que vem pior que o anterior ainda mais liberal e espalhafatoso.

Aqui temos um seminário e é repleto de Gays que facilmente você os identifica pelo jeito de falar e de se movimentar, e que esperar de uma geração de futuros padres gays?
Dois conhecidos meus foram para seminários diferentes são homens muito honrados e piedosos seriam padres maravilhosos e ambos desistiram desestimulados pela quantidade de gays que viram em seus seminários… Ora, Quem com porcos se mistura, farelo come.
Eu tenho 30 anos e desde jovem sempre fui o único católico praticante entre meus amigos, meu apelido quando criança era Pade, somente porque eu me confessava, ia a missa todo domingo e fechava os olhos quando uma cena de sexo aparecia na TV. Ao meu redor sempre convivi com pessoas católicas, porem não praticantes, elas se dizem católicas mas não acham necessário comungar, assistir missa, casar na igreja e ainda sempre discordam do papa como se o papa fosse uma pessoa simples que dá opiniões sobre camisinha e sexo e pode ser desacreditado, pois isso é apenas a opinião de um velho sem importância o que importa é crer em cristo e ter boa vontade isso basta.

E eu sempre pensei e me ensinaram que quem pensava assim eram os incrédulos, porém depois de adulto comecei a notar que a meu redor só eu penso assim, nem os padres concordam comigo.

Lembro de um amigo meu que se juntou com uma mulher mais velha que foi casada no civil com outro durante nove anos e agora estava junta com ele há um ano mais ou menos, porém ele era desses católicos que não praticava e estava começando a praticar indo sempre a missa e comungando ai alertei ele que não comungasse em pecado e que ele deveria ou casar ou sair da casa da mulher e ficar namorando com ela até que decidisse a se casar.

Eu conversei com ele e com sua “mulher” e argumentei muito bem, tanto que ele começou a ir a missa todo domingo com sua “esposa” e ficou sendo um católico praticante e não comungava, com o tempo ele foi ficando com medo de estar sempre em pecado mortal e a sua companheira que sempre o acompanhava nas missas não gostou de ver que ele achava estar em pecado por viver com ela sem se casar, ela disse que eu era um fanático que nem a igreja dizia isso e foi com ele tirar a duvida com um padre.

Marcaram o dia e foram decididos a seguir as orientações da igreja, se o padre disse-se; Estão em pecado, é melhor casar ou se separar ficando em namoro até o dia do casamento eles aceitariam, porem para minha surpresa o padre disse que eles não deviam se separar e nem se casar por medo, continuassem indo a missa mesmo sem comungar e calmamente fossem decidindo quando tivessem certeza, se queriam fazer o casamento ou não e que a igreja não tinha o direito de desunir eles.

Dessa forma eu não tive mais como argumentar fiquei como um fanático que não entende o que a igreja diz e meu amigo baseado nisso continuou amancebado por mais três anos e nos últimos meses estava traindo muito sua esposa e acabou morrendo num acidente de moto sem nunca mais se confessar, nem casar, nem comungar e nem a missa tava indo mais.

Responda-me? Como fica agente que quer ser católico verdadeiro se os próprios padres liberam tudo ate mesmo de se abstiver da comunhão?

A eucaristia é tão sem importância assim? Basta ir a missa mesmo em pecado grave e nunca comungar e ta tudo certo?

Se eu for pegar o conselho desse padre eu devo me juntar com minha namorada viver como casado ir a missa sem comungar nesse período e depois se eu gostar, eu caso e começo a comungar isso é licito para a igreja?

E quem morre assim num pecado grave, com conhecimento do pecado que sabia muito bem, e de plena vontade, pois não foi forçado. Porem foi de certa forma incentivada pelo padre que no mínimo se não o encorajou diretamente, mas certamente não foi enérgico ao definir sua situação; pergunto a quem pedir um conselho ou uma interpretação se os padres não são mais confiáveis?

Mais uma pergunta: Digamos que quem morre num estado de vários pecados graves, sabendo o que cometia, porem se via arrependido e pensava em parar em breve, mas vinha sempre deixando para depois a intenção de fazer uma boa confissão e sair do erro, mas antes disso acontecer de morrer, digamos que na hora da morte não tem confessor mas a pessoa pede perdão sozinho, esse pedido apaga todos os erros feitos na vida e ele mesmo morrendo em pecados graves com todos os agravantes se livra do inferno?

Analise algumas pérolas que o Padre Fábio Fashion de Melo anda dizendo na Mídia:

“Se nós somos cristãos, não importa que você seja evangélico, que eu seja católico…não importa! O que importa é que a gente descubra o essencial que Jesus nos ensina.”

“Eu acho, minha gente, que a religião mais importante do mundo é a que Jesus ensinou: é o amor.”

“Eu não vou ficar dizendo: “a sua religião está errada, a minha está certa…” Não!
É igual à gente querer evangelizar os índios, que às vezes têm uma vida muito mais saudável do que nós, uma vida muito mais divina do que nós!”

“… Ah, aquela pessoa se converteu ao protestantismo, que pena! Peraí… se aquilo que ela está acreditando faz bem ao coração dela, se Deus está ali presente, se Jesus está agindo mais no coração dela através da voz do pastor do que da minha, vamos dar graças a Deus que ela encontrou um pastor que falasse ao coração dela.”

No Programa do Jô, o padre Fábio defendeu que foi importante ter tido relação amorosa antes do sacerdócio para ele ter experiência sobre o que fala e não só teoria.

Que tipo exemplo ele dá aos futuros padres? Que pequem antes do sacerdócio?

Conversão importa em adesão à verdadeira doutrina ou qualquer religião ou até falta de religião salva com os mesmos méritos? Se sim para que estamos ainda a ir à igreja?

Hoje padres dizem em rede nacional que missa é um banquete que deve ser cheio de luz e musicas e alegria com muitas palmas, porém quando eu estou feliz não costumo nem bater palmas nem balançar os braços e na missa preciso me comportar assim para demonstrar uma falsa alegria?

Me desculpe a comparação mas acho essas coreografias são coisa de Boiola e nunca fui a uma Missa pra dançar e muito menos para ouvir musicas…

Acho que no dia que tiver aqui uma missa tri dentina vou chorar de alegria…

Espero ansiosamente por respostas obrigado….

Cordialmente Eduardo Coutinho

Muito prezado Eduardo, salve Maria.
 
Sua carta é o clamor de muitas pessoas simples escandalizadas pelas traições praticadas pelo clero modernista e corrupto. Pelo Brasil e pelo mundo inteiro, inúmeros católicos fiéis, como você demonstra ser, clamam ao céu, pois quando procuram os padres não encontram apoio, mas, pelo contrário, só recebem repulsa, maus conselhos e traição.
 
O que você conta que aconteceu com esse seu amigo, mal aconselhado e jogado ao pecado por um mau padre, outra carta que recebi de um católico do Rio Grande do Sul repetiu para mim. Contou-me que um conhecido dele, que era protestante, se converteu ao catolicismo e até fez uma poesia para Nossa Senhora. Entretanto, vários padres disseram a ele que não se convertesse ao catolicismo e que permanecesse no protestantismo.
 
Quando as sentinelas trabalham para o inimigo, o que esperar?
 
Que castigo não virá sobre esses sacerdotes traidores da Fé, e que agem como demônios, aconselhando mal as pessoas?
 
Mais  que se preocupar com o destino eterno dessas pessoas, devemos pensar em como Nosso Senhor se encontra, vendo-se traído por seus sacerdotes. É por isso que esses maus padres – como esse tal escandaloso Fábio de Melo, um herege completo – estão violentamente contra o Santo Padre Bento XVI, que deseja mudar o atual clero e reverter a situação criada pelo Vaticano II. Pois foi o Concílio Vaticano II que (de)formou esse novo clero sem fé e traidor de Deus.
 
Rezemos para que Deus proteja o Papa Bento XVI e que nos mande santos sacerdotes.
 
Que castigo não mandará Nosso Senhor se não houver conversão do clero?
 
In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Conversão de São Paulo - Orlando Fedeli

Cartas: Exorcismos e estado atual da Igreja - Orlando Fedeli

Cartas: Rock: Dois lados da mesma moeda - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais