Montfort Associação Cultural

28 de junho de 2013

Download PDF

Festividade de São Pedro e São Paulo e Sexto Domingo depois de Pentecostes

 

Fonte: Missa Tridentina na Paróquia São Sebastião, Campo Grande

SANTOS APÓSTOLOS PEDRO E PAULO
No Brasil, Festa Externa com Comemoração do 6º Domingo Após Pentecostes
1ª Classe – Paramentos Vermelhos
Para ler/baixar o Próprio completo desta Missa, clique aqui.
Para ler/baixar as Orações da Comemoração do Domingo, clique aqui.
Santos Apóstolos Pedro (esquerda) e Paulo (direita).
Pintura por El Greco.
Santo do dia: Comemoração de São Paulo Apóstolo (quando a Festa não cair num domingo).
Epístola: Atos dos Apóstolos 12, 1-11.
Naqueles dias: O rei Herodes começou a perseguir e maltratar alguns membros da Igreja. A Tiago, irmão de João, mandou-o passar ao fio da espada. Vendo que assim agradava aos Judeus, determinou prender Pedro, o que fez nos dias dos ázimos. Depois de o ter feito prender e encarcerar, entregou-o para o guardarem, a quatro piquetes, de quatro soldados cada um, tendo a intenção de o fazer comparecer diante do povo, depois da Páscoa. Pedro encontrava-se, pois, guardado na prisão, orando, entretanto, a Igreja incessantemente a Deus por ele. Ora, na mesma noite anterior ao dia em que Herodes o faria comparecer, Pedro, ligado com duas cadeias, dormia entre dois soldados, enquanto as sentinelas estavam de guarda à porta da prisão. Nisto, apareceu o anjo do Senhor, entre uma luz que resplandecia por todo o cárcere. Tocando-lhe no lado, despertou Pedro, dizendo: “Levanta-te depressa!” – caindo-lhe imediatamente das mãos as cadeias. A seguir, disse-lhe o anjo: “Prepara-te e calça as tuas sandálias.” Ele assim o fez, enquanto o anjo acrescentava: “Põe o manto, e segue-me.” Pedro saiu atrás dele, não acreditando na realidade do que se estava a passar por intervenção do anjo, pois julgava sonhar! Depois de passarem a primeira e a segunda guarda, chegaram à porta de ferro, que dá para a cidade, a qual se lhes abriu por si mesma. Saíram e meteram por uma rua; mas logo o anjo o deixou inesperadamente. Pedro então, tendo vindo a si, exclamou: “Agora reconheço que o Senhor mandou de fato o seu anjo, e me salvou das mãos de Herodes, e de tudo o que esperava o povo dos judeus.”
Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 16, 13-19.
Naquele tempo: Tendo Jesus ido para as bandas de Cesareia de Filipe, interrogou os discípulos, dizendo: “Quem dizem os homens que é o Filho do Homem?” Eles responderam: “Uns dizem que é João Batista, outros que é Elias, e outros que é Jeremias, ou algum dos profetas.” “Vós, porém, – perguntou-lhes Jesus, – quem dizeis que Eu sou?” Simão Pedro respondeu: “Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo!” Jesus, então, disse-lhe: “Bem-aventurado és, Simão, filho de João, porque não foi a carne e o sangue que te revelou isso, mas o meu Pai que está nos céus. Pois bem! Eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra, que tu és, edificarei a minha Igreja, e as portas do Inferno nada poderão contra ela! Mais ainda: Dar-te-ei as chaves do Reino dos Céus, e tudo o que ligares na terra, será também ligado nos céus; e tudo o que desligares na terra, será também desligado nos céus!”

Traduções das leituras extraídas do Missal Quotidiano por Pe. Gaspar Lefebvre OSB (beneditino da Abadia de Santo André) – Bruges, Bélgica: Biblica, 1963 (com adaptações).
Comentário do dia:
São Clemente de Roma (aprox. 35 – aprox. 100), papa
Carta aos Coríntios*, 5-7 (extraído do site Evangelho Quotidiano, apud Per Ipsum).
O mais antigo testemunho do martírio de Pedro e Paulo
Deixemos de lado esses exemplos [de perseguições no Antigo Testamento] para atender aos dos atletas mais próximos de nós; invoquemos os exemplos valorosos da nossa geração. O ciúme e a inveja desencadearam perseguições contra os mais elevados e mais justos pilares da Igreja, que lutaram até à morte. Olhemos para os santos apóstolos: Pedro, por causa de um ciúme injusto, passou não apenas um ou dois, mas numerosos sofrimentos; depois de assim ter prestado o seu testemunho partiu para a morada da glória que tinha merecido. O ciúme e a discórdia permitiram a Paulo mostrar como se alcança o prêmio reservado à constância. Sete vezes prisioneiro, exilado, lapidado, pregador do evangelho no Oriente e no Ocidente, recebeu a fama que correspondia à sua fé. Depois de ter ensinado a justiça ao mundo inteiro até aos limites do Ocidente, deu testemunho perante as autoridades; foi assim que partiu deste mundo para ir para a morada da santidade. Supremo modelo de coragem! A esses homens que levaram uma vida santa, veio juntar-se uma grande multidão de eleitos que, por causa dos ciúmes, sofreram todo o tipo de maus tratos e suplícios e deram um magnífico exemplo entre nós. […]
Escrevemos tudo isto, meus bem-amados, não somente para vos advertir, mas para nos exortar a nós próprios. Pois estamos na mesma arena; espera-nos o mesmo combate. Deixemos, pois, as preocupações inúteis para seguir a regra gloriosa e venerável da nossa tradição. Tenhamos os olhos fixos no que é belo, no que é agradável aos olhos daquele que nos criou, no que é adequado para estarmos com Ele. Fixemos o nosso olhar no sangue de Cristo e compreendamos o valor que este sangue tem para Deus, seu Pai, pois o seu sangue, derramado para a nossa salvação, trouxe ao mundo inteiro a graça da conversão.
* Não confundir esta carta de São Clemente de Roma com as 2 Epístolas de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais