Montfort Associação Cultural

20 de novembro de 2012

Download PDF

Excomungado padre americano defensor da ordenação de mulheres

Notícia da punição e anterior defesa do acusado publicados pela Unisinos

Comentário Lucia Zucchi 

A Congregação para a Doutrina da Fé, do Vaticano, no dia 4 de outubro passado, removeu canonicamente de sua congregação, a Sociedade Católica das Missões Estrangeiras da América, conhecida como Maryknoll, reduziu ao estado leigo e excomungou o Padre Roy Bourgeois. Em 2008, esse sacerdote participou da ordenação, inválida, de uma mulher, pregou e concelebrou na missa que se seguiu. Durante quatro anos sua congregação e o Vaticano tentaram obter uma retratação, que ele recusou, “fazendo campanha contra o ensinamento da Igreja Católica, em ambientes seculares e não católicos, sem a permissão dos Bispos e ignorando a sensibilidade dos fiéis em todo país”, segundo o comunicado publicado pela Sociedade Maryknoll.

Roy Bourgeois conhecido por sua defesa da não-violência e por seus esforços em fechar a escola de treinamento militar internacional em Fort Benning, Georgia, nos Estados Unidos, concelebrou e pregou durante a ordenação de Janice Sevre-Duszynska, uma antiga pacifista e defensora da ordenação de mulheres. Em diversos pronunciamentos que fez em sua defesa, afirmou: “a exclusão das mulheres da ordenação é uma injustiça e algo que está enraizado no fato de que a interpretação dos ensinamentos de Jesus, ao longo do tempo, foi controlada exclusivamente por homens. O que diremos a Janice e a outras mulheres que dizem ser chamadas por Deus a serem padres? (…) Em meu ministério ao longo dos anos, eu conheci muitas mulheres devotas em nossa Igreja que acreditam que Deus as está chamando a ser presbíteras. Por que elas não seriam chamadas? Deus criou homens e mulheres de igual dignidade e, como todos sabemos, o chamado a ser sacerdote vem de Deus.” A consciência é um atributo humano que, segundo ele, “nos conecta com o Divino”. “O que vocês estão me pedindo para fazer em sua carta não é possível sem que eu traia a minha consciência. Em essência, vocês estão me pedindo para mentir e dizer que eu não acredito que Deus chama tanto homens quanto mulheres ao sacerdócio. Isso eu não posso fazer e, portanto, não vou me retratar”.

 Absurda interpretação baseada na defesa de um “livre exame” radical da doutrina católica! De acordo com ela, basta que a pessoa se diga chamada por Deus a ser padre, para que a Igreja seja obrigada a atendê-la… Não seria mais esta a guardiã das chaves do Reino de Deus, a quem incumbe interpretar, ensinar e legislar sobre os ensinamentos de Nosso Senhor, mas apenas a encarregada de atender aos que declaram ser inspirados para pleitear coisas diferentes e mesmo contrárias ao que a Igreja, com a assistência infalível do Espírito Santo, sempre ensinou.

A ordenação de mulheres foi rechaçada por João Paulo II na Carta Apostólica Ordinatio Sacerdotalis, no que é considerada a mais clara definição dogmática de seu pontificado: “Declaro que a Igreja não tem absolutamente a faculdade de conferir a ordenação sacerdotal às mulheres, e que esta sentença deve ser considerada como definitiva por todos os fiéis da Igreja”.

 Aliás, aquilo que pede Roy Bourgeois à Igreja já foi feito por outros: desde 1992 a Igreja Anglicana “ordena” mulheres e o resultado é um número cada vez maior de seus fiéis que busca refúgio na Igreja Católica!

Publicações relacionadas

Notícias e Atualidades: Cardeal de Munique pede “reflexão” sobre ordenação de mulheres

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais