Montfort Associação Cultural

27 de janeiro de 2005

Download PDF

Em meio a tantos abusos…como dirigir o louvor a Deus?

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Juliane
  • Localizaçao: Cascavel – PR – Brasil
  • Escolaridade: Superior concluído
  • Religião: Católica

Prezados integrantes da Associação Montfort,
Salve Maria, Mãe do meu Senhor!

Primeiramente, gostaria de somar-me àqueles que elogiam vosso site: nunca deparei-me, anteriormente, com tamanha argumentação, tão solidamente embasada. Também, quero agradecer-lhes pela resposta à minha questão anterior.
Pois bem, em meio a tantos abusos hoje praticados nas igrejas, a toda hora surgem dúvidas sobre como agir. Hoje, gostaria de perguntar se pode-se aceitar esses Shows de bandas católicas (Anjos de Resgate, DOM, entre outras) que são realizados direcionando-se aos jovens? Estou consciente que durante a missa esses tipos de músicas não devem ser permitido, mas, em outras ocasiões, em outros ambientes, pode-se louvar a Deus com estas músicas que,geralmente expressam louvor e adoração à Deus? Hoje em dia muitos jovens deixaram de escutar músicas mundanas, se dedicam e criam seus ministérios de louvor, ou seja, eles abandonam o mundo e querem louvar a Deus. Eu mesma, canto e gostaria muito de fazer parte de um ministério de louvor, mas depois que tornei-me leitora assídua do vosso site, já não não consigo compreender se isto seria certo ou errado. Será que Deus não aceitaria minha adoração dirigida e Ele dessa forma? Por favor, estou muito confusa e necessito de orientação.
Certa de vossa resposta, desde já agradeço.
Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo e Sua Mãe Maria Santíssima!

Muito prezada Juliane,
salve Maria !
 
    Deus lhe pague por suas palavras de apoio e de elogio.
    Muito são os que nos ofendem e injuriam, por defendermos a Fé. Mas, graças a Deus, são muito mais numerosos aqueles que nos dão a apoio e nos agradecem por ensinarmos o que, na internet,  muito poucos, ou praticamente quase mais ninguém,  ensina. Peço-lhe que reze por nós, para que Deus nos dê forças para continuarmos neste combate.
    Você faz muito bem em não suportar mais essa bandas que profanam as nossas igrejas. Porém, mesmo fora das Igrejas, tais conjuntos profanam a beleza, que é uma imagem de Deus, no mundo.
    Devemos louvar a Deus de modo humilde, sem alarde, com palavras singelas, sem rebuscamentos.
    Esse tipo de música não é boa.
    Acabo de receber uma historinha pela internet, uma, como tantas outras, que são enviadas. Normalmente são tolices. Esta não é. E como ela vem a propósito para o que você me pergunta, eu a copio para você. É um bom exemplo de oração correta e humilde. Diz a historinha:
    Uma vez um padre estava percorrendo sua igreja ao meio-dia… ao passar pelo altar decidiu ficar perto para ver quem tinha vindo orar.
    Nesse momento se abriu a porta. O padre franziu o rosto ao ver um homem chegando perto pelo corredor: o homem estava sem fazer a barba há vários dias, vestia uma camisa rasgada e tinha seu agasalho tão gasto que as beiradas já tinham começado a desfiar.
     O homem se ajoelhou, inclinou a cabeça, e logo se levantou e saiu.
    Durante os dias seguintes, o mesmo homem, sempre ao meio-dia, estava na igreja carregando uma maleta… se ajoelhava brevemente e logo saia de novo.
    O padre, um pouco receoso, começou a suspeitar que se tratasse de um ladrão, razão pela qual um dia se postou na porta da igreja e, quando o homem estava prestes a sair, perguntou-lhe:
    – O quê você faz aqui?
    O homem disse que trabalhava em uma fábrica a caminho da Igreja e tinha meia hora livre para almoçar e aproveitava esse momento para orar.
    – Eu só fico por uns momentos, você sabe, porque a fábrica fica um pouco longe.
    Por isso eu apenas me ajoelho e digo:
   “Senhor, só vim novamente para te contar quão feliz me faz quando vem ao meu encontro. Não sei orar muito bem, mas penso em ti todos os dias…Por isso, Senhor, aqui é o João se reportando”
    O padre, sentindo-se um tonto, disse a João que estava tudo bem e que ele seria bem-vindo na igreja quando quisesse.
    O padre se ajoelhou diante do altar, sentiu seu coração ser derretido pelo grande calor do amor e, enquanto suas lágrimas corriam pelas bochechas, em seu coração repetia a oração de João:
    – “Senhor, só vim para te contar, quão feliz me faz quando vem ao meu encontro através de meus semelhantes. Não sei orar muito bem, mas penso em ti todos os dias…Por isso, Senhor, aqui sou eu se reportando”
    Um certo dia o padre reparou que o velho João não tinha vindo. Os dias continuaram a passar sem que João voltasse para rezar. Continuava ausente, por isso o padre começou a ficar preocupado, até que um dia foi à fábrica perguntar por ele; ali lhe informaram que João estava doente, e que mesmo os médicos estando muito preocupados com sua saúde, ainda acreditavam que tinha a possibilidade de sobreviver.
    O tempo que João esteve no hospital trouxe muitas mudanças. Ele sorria todo o tempo e sua alegria era contagiosa. A enfermeira chefe não conseguia entender por quê João estava tão feliz, já que nunca havia recebido nem flores, nem cartões, nem visitas.
    O padre se aproximou ao leito de João com a enfermeira, e esta lhe disse, enquanto João escutava:
    – Nenhum amigo havia vindo visita-lo, ele não tem a quem recorrer.
    Surpreso, o velho João disse com um sorriso:
    – A enfermeira está errada… mas ela não pode saber que todos os dias, desde que cheguei aqui, ao meio-dia, um querido amigo meu vem, se senta aqui na cama, me segura as mãos, se inclina sobre mim e diz:
    -” João, só vim para te contar, Quão feliz me fez desde que encontrei sua amizade E tem vindo todos os dias ao meu encontro. Sempre gostei de ouvir tuas orações, Penso em ti a cada dia… Por isso, João, aqui é o Senhor se reportando.”

                                                                                       *****
 
     Espero que tenha gostado, e  que você a aproveite.
    Mando-lhe também  uma poesia de um grande poeta francês, Paul Claudel, sobre  uma visita a uma igreja, ao meio dia, para honrar Nossa Senhora.
 Como não sei se você entende francês, dou-lhe  a tradução dos primeiros versos:                                                                    
                                        A VIRGEM , AO MEIO DIA.
 
            É meio dia. Eu vejo a igreja aberta. É preciso entrar.
            Mãe de Jesus Cristo, eu não venho rezar.
            Eu nada tenho a vos oferecer, e tenho tudo a vos pedir,
            mas, agora, Mãe, eu vim apenas para vos olhar.
            Vos olhar, e saber isto: que sou vosso filho e que vós estais aí.
            Meio dia! Nada senão por um momento, quando tudo para.
            Estar convosco, ó Maria, neste lugar em que vós estais. Etc
 
     Se você gostou, e se entende francês, escreva-me, e lhe mandarei a poesia inteira.

    Por fim, você me pede um conselho, e, porque você o pediu, eu lho dou: não entre nesses grupos carismáticos. É melhor rezar sem alarde
     Imite o pobre João. E que Nosso Senhor lhe faça sempre companhia.
     Escreva-me sempre, e se você vier, um dia, a São Paulo, conte com nossa hospedagem, que é dada por amor de Deus cobrando apenas uma Ave Maria por nossas almas.
 

                                            In corde Jesu, semper,
                                                    Orlando Fedeli

Replica

Muito prezado Professor Orlando,
Salve Maria!

Gostaria de novamente agradecer sua resposta à minha questão. E fique o senhor sabendo que já o considero como um amigo e professor de catecismo e rezo para que o senhor e sua Equipe continuem a desenvolver este trabalho tão necessário aos católicos, hoje tão desnorteados (por falta de conhecimento da Doutrina Católica).
Agradeço a historinha do João que serviu para orientar-me e os versos da poesia da Virgem ao meio dia e, aproveito para dizer-lhe que não entendo francês.
Primeiramente, gostaria de fazer um breve relato de minha história para que o senhor tenha noção do porquê eu ter tantas dúvidas e fazer tanta confusão em minha mente. Nasci em lar católico, meus pais são ucranianos e fui batizada na Igreja Ucraniana. Porém, pelo fato dessa igreja ser um pouco distante da nossa casa, eu sempre freqüentei a Igreja católica com ritos latinos. Desde criança, sempre estive presente na igreja, aprendi a tocar violão, amava cantar na missa, participava de festivais…enfim, aquele era meu mundo. Algumas vezes eu ia na missa na Igreja Ucraniana mas achava a missa “muito chata e desanimada”. Então por isso eu preferia a outra missa. Porém, há uns 7 anos atrás, eu comecei a desencantar da Igreja e não encontrava sentido em freqüentar a missa. A partir daí meus finais de semana eram assim: sábado ia no baile e domingo ia cantar na Igreja – e achava tudo normal. Só que, passado um tempo, com influência de amigos protestantes e falta de conhecimento da doutrina da única Igreja Verdadeira, comecei a freqüentar essas seitas nas quais eu “sentia-me” muito bem, parei de freqüentar os bailes – todas essas coisas que os protestantes não fazem – e, a partir daí começaram os conflitos em casa. Lembro-me uma vez que ele me disse: – Se você namorar e casar com alguém dessa seita, pode esquecer que eu não vou no seu casamento! E eu na época fiquei muito indignada. (hoje rendo graças à Deus por ter um pai católico e educado com base no catecismo de Trento). Minha mãe não conseguia mais nem rezar por ver-me afastada da Igreja (fiquei sabendo isso pela minha vizinha que considera minha mãe como mãe dela). Quando minha vizinha contou-me isso eu confesso que fiquei perdida. Eu pensava: mas eu estou buscando a Deus, será que eles não vêem? Enfim, eu estava muito influenciada pela lavagem cerebral que esses protestantes nos fazem. Resolvi pisar no freio e parei de participar dessas seitas. Voltei para a Igreja Católica em março deste ano (porém eu ainda não sabia o verdadeiro significado da missa). Eu buscava um rumo para minha vida e ainda não tinha encontrado. Não demorou muito, vi-me influenciada pela Renovação Carismática. E, para piorar, fiquei interessada no baterista do ministério de música (daí as minhas dúvidas quanto as músicas por elas tocadas). Porém, lembro que logo quando deparei-me com a RCC, um dia quando fazia uma busca na web à respeito do Protestantismo, encontrei o site Montfort e já de cara li algo a respeito da RCC, como se fosse um aviso “Não entre, é fria!!!” . Mas como a maioria das pessoas, deixei-me levar pelos sentimentos e fechei os olhos à verdade. Resultado: participei durante dois meses e foi o suficiente para criar mais confusão na minha mente. (Em outra correspondência escreverei alguns dos muitos abusos e heresias que ocorrem nestes ambientes carismáticos). Em meio a tanta confusão, comecei a ler assiduamente o site Montfort.
Hoje, graças à Deus, eu sei que a missa é a renovação do sacrifício do calvário(por favor, corrija-me se estiver errada) e, por si ela é um ato triste e fico indignada quando vejo o povo batendo palma e se requebrando enquanto Cristo se nos dá em Corpo e Sangue… Sei também, que eu tenho que conhecer a Doutrina da Igreja, oque estou fazendo aos poucos. E agradeço a Deus porque posso freqüentar a Igreja Ucraniana que, pouco se deixou influenciar pelo Vaticano II.
Mas eu tenho muitas dúvidas e poucas ou quase nenhuma pessoa próxima a mim, capacitada em esclarecê-las. Por isso recorro a vocês!
O que acontece comigo hoje é que, em meio a tantas contradições estou em um ponto que já não sei mais o que eu posso pedir à Deus em minhas orações. Por exemplo, nas seitas protestantes e na RCC eles sempre tem mania de colocar Jesus à serviço deles: “Peça aquilo que você quer em nome de Jesus e Ele te atenderá”, “Deus tem um plano maravilhoso em sua vida”, “Deus tem preparado um excelente esposo para você”. São coisas que qualquer pessoa quer ouvir. Como minha mente está muito confusa, agora eu comecei a questionar e desacreditar em quase tudo o que eu ouço. Então, por caridade, me esclareçam:
- Deus tem um plano de vida, enfim, Ele tem pré-definido o destino de cada um?
- Como eu sou solteira, será que eu posso pedir a Deus que Ele me dê um esposo (Católico Apostólico Romano, de verdade)?
- Voltando à questão das músicas, um católico pode ouvir estas músicas mundanas que tocam no rádio? Se não, o que ouvir? No mundo de hoje, eu já estou sentindo-me quadrada!
- Um católico pode freqüentar esses bailes que fazem nas igrejas, nessas festas?
- Como ter a certeza que Deus nos ama e ouve nossas orações?
Eu tenho muitas outras questões, mas por hoje é o suficiente (imagine se eu estivesse pessoalmente com o senhor, numa hora dessas seus ouvidos já estariam doendo!!!)
Peço que, por ter um conteúdo, de certa forma, confidencial, esta carta de hoje não seja publicada. A primeira carta (01/09/2004) não tem problema pois, poderá ajudar a outros que tenham dúvida.
Que Deus o abençoe sempre, Professor Orlando e que Maria esteja sempre intercedendo vosso trabalho.
Muito obrigada e fique com Deus!
Juliane

Muito prezada Juliane,
salve Maria !
 
    Muito lhe agradeço a sua confiança, contando-me sua vida e pedindo-me orientação. Pena que estejamos tão longe, porque gostaria muito de atender longamente todas as suas perguntas, resolver suas dúvidas.
    Quando você quiser vir passar uns dias em São Paulo, venha, que lhe daremos acolhida na casa de alguma aluna minha.Seria bom que viesse em um fim de semana prolongado, assim você poderia assistir muitas aulas na Montfort.
    Graças a Deus, seus pais a detiveram com conselhos e orações no caminho errado em que você tinha entrado, com protestantes.
    Meu telefone pessoal é (11)6605-5047. Telefone-me, quando precisar. Se eu não estiver, fale com minha esposa Ivone, que ela a ajudará, pois é ela quem cuida das moças da Montfort (temos muitas).
    Mande-me o seu endereço, que pedirei a algum aluno meu que lhe mande algum disco com músicas bem bonitas e excelentes, pois nada é mas jovem que uma bela canção.
    Passo a responder a suas perguntas.
    Claro que Deus os criou com uma finalidade, e nos deu, a cada um, uma missão. Não haverá outra Juliane igual a você jamais. Desde Eva até o fim do mundo, você é uma pessoa única. Cada um de nós é único.
    Você sabe que Deus colocou um sinal diferente em cada baleia. Em cada zebra, as estrias são diferentes. Não há duas iguais.
    Deus nos deu, a cada um de nós, uma impressão digital única, uma voz única, uma estrutura capilar única, uma iris única. Cada um de nós tem uma personalidade única. Tudo isso porque Ele nos fez à sua imagem, cada um de nós sendo como um espelho dEle, que reflete uma imagem dEle, sob um certo ângulo, de modo que não há ninguém igual a outro. Recomendo que você leia , no site Montfort, um trabalho que escrevi sobre Desigualdade de Direitos. Leia lá a terceira prova de São Tomás sobre o bem da desigualdade. Você vai gostar.
    O que mais amamos em Deus é a virtude para a qual fomos criados.
    Isso não quer dizer que tenhamos um destino fixado. Deus nos deu uma vocação que somos livres de realizar ou não. Somos espelhos dEle, mas podemos colocar lama diante do espelho de nossa alma, e então, nada refletiremos dEle.
    Você não só pode, mas deve pedir a Deus que lhe dê um esposo digno de você e que a ajude a praticar a lei de Deus. Deus cuida de todos nós. Não é preciso procurar um namorado. Aquele que Deus quer para você, aparecerá quando Deus achar conveniente para a sua alma.
    Os bailes são ocasiões próximas de pecado, porque muito facilmente, neles, ocorrem situações diretas de pecado. Conversando a sós com moços, jamais alguém me disse que dançava sem má intenção. Todos os moços sempre me disseram que dançavam com má intenção. E não é porque o baile é na paróquia que o diabo lá não entra. Entra. E disfarçado de anjinho.
Quanto a músicas, recomendo-lhe que ouça músicas barrocas de Handel, por exemplo, compre a Música Aquática, Música pra fogos de Artifícios Reais, Concertos de Órgão e os Oratórios de Handel, que são lindíssimos. Ouça Vivaldi (Quatro estações, etc) Corelli, Mozart, Haydn, Jeremias Clarke, Purcell, Bach. Ouça canções medievais. Há um conjunto que tem discos medievais lindos. É o Hespérion XX.
    Você me pergunta, então, como ter certeza que Deus nos ama.
    Deus é infinitamente bom e nos criou. E nos ama como a seus filhos. Ele morreu por nós na cruz. Deu a vida por nós Então Ele não quer que nos percamos, mas está constantemente preocupado em nos fazer bem. Tanto que nos deu sua própria mãe por nossa Mãe. Procure sempre fomentar em sua alma a confiança em Deus que nos ama infinitamente.
    Para que você compreenda o amor de Deus e como devemos amá-Lo, mando-lhe uma poesia de Santa Tereza (desta vez é em castelhano, que é português mal falado):
 
A JESUS CRUCIFICADO
 
NO ME MUEVE, MI DIÓS, PARA QUERERTE                  NÃO ME MOVE, MEU DEUS PARA QUERER-TE
EL CELO QUE ME TIENES PROMETIDO.                        O CÉU QUE TU ME PROMETESTE.
NI ME MUEVE EL INFIERNO TANTEMIDO                       NEM ME MOVE O INFERNO TÃO TEMIDO
PARA DEJAR, OR ESO, DE OFENDERTE.                      PARA DEIXAR POR ISSO DE OFENDER -TE.
 
TU ME MUEVES, SEÑOR. MUEVEME EL VERTE           TU ME MOVES, SENHOR. MOVE-ME O VER-TE           
CLAVADO EN UNA CRUZ Y ESCARNECIDO.                  CRAVADO NUMA CRUZ E ESCARNECIDO.
MUEVEME VER TU CUERPO TAN HERIDO,                   MOVE-ME VER TEUCORPO TÃO FERIDO
MUEVEME TUS AFRENTAS Y TU MUERTE.                   MOVEM-ME TUAS AFRONTAS E TUA MORTE.
 
MUEVEME, ALFIN, TU AMOR Y DE TAL MANERA          MOVE-ME, POR FIM, TEU AMOR E DE TAL MANEIRA
QUE AUNQUE NO HUBIERA CIELO, YO TE AMARA,      QUE AINDA QUE NÃO HOUVESSE CÉU EU TE AMARIA,
Y AUNQUE NO HUBIERA INFIERNO TE TEMERA.           E AINDA QUE NÃO HOUVESSE INFERNO TE TEMERIA.
 
NO ME TIENES QUE DAR POR QUE TE QUIERA,           NADA ME TENS QUE DAR PORQUE TE QUERO
PORQUE AUNQUE LO QUE ESPERO NO ESPERARA,   PORQUE, AINDA QUE AQUILO QUE ESPERO NÃO ESPERASSE,
LO MISMO QUE TE QUIERO TE QUISIERA.                     DA MESMA FORMA QUE TE QUERO TE QUERERIA.
 
SANTA TEREZA DE ÁVILA.
 
In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli.

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Primeira conversão - Orlando Fedeli

Cartas: A Verdade eterna, escondida nas catacumbas dos seminários - Orlando Fedeli

Cartas: Uma carta a meu professor

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais