Montfort Associação Cultural

26 de setembro de 2005

Download PDF

Dons carismáticos e a Missa

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Wilson Junior
  • Localizaçao: Rio de Janeiro – RJ – Brasil
  • Escolaridade: 2.o grau concluído
  • Profissão: Auxiliar Adminstrativo
  • Religião: Católica

Rio de Janeiro, 23 de setembro de 2005.

Professor Orlando, a paz de Jesus!

Tenho andado um pouco ausente da net ( problemas aqui no trabalho ), por isso não tenho mantido muito contato, mas saiba que apreciei muito a conversa que tivemos no Hotel Glória e lhe tenho em alta estima. Naquela ocasião, conversamos a respeito do livro “JESUS ESTÁ VIVO”, do pe. carismático Emiliano Tardiff, e o senhor ficou de dar um parecer sobre o livro no site, o que estou aguardando. Quanto aos dons carismáticos, lembro que o senhor disse que eles já não são tão necessários, que eram no início da Igreja, para uma rápida adesão das pessoas, mas que hoje levariam-nos ao orgulho. Então Deus realiza apenas alguns sinais ( como em Lourdes, Fátima, etc ) mas não a avalanche de curas e milagres que a RCC diz acontecer.

Fico com algumas dúvidas:

· Primeiro: se Jesus é o mesmo, ontem, hoje e sempre, não é natural que continue realizando milagres, como há dois mil anos atrás? Será que ele mudou sua maneira de agir? Evoluiu?

· Segundo: O Magistério da Igreja tem alguma referência ao fato de os dons carismáticos terem sido necessários só no início da Igreja e não mais nos dias atuais, ou essa é uma opinião pessoal sua?

Agradeceria se tirasse essas duas dúvidas. Aqui na Paróquia, se eu contar, ninguém acredita: perguntei a um padre se ele conhecia o documento REDEMPTIONIS SACRAMENTUM, do Cardeal Arinze, escrito a pedido de João Paulo II, e sabe qual foi a resposta? “Não tenho tempo de ficar lendo documentos não”. Se um padre não tem tempo de ler os documentos da Igreja, não me admire que ensine um monte de coisas erradas, não é mesmo? Pelo menos agucei a curiosidade dele e acho que ele vai ver se tem um tempinho pra Jesus.

Teve um outro padre, lá no seminário, que eu já tinha conversado com ele sobre a ECCLESIA DE EUCHARISTIA ( e ele disse que não conhecia!!!! ), e na outra semana vi que esse documento estava lá na sua mesa ( se ele leu, não sei, mas que é um bom sinal é, sinal de interesse, pelo menos ). Também mostrei a um dos seminaristas aquela carta que eu havia enviado ao padre ( lembra? Foi a primeira que enviei ao site para sua avaliação ) e ficamos de conversar domingo agora. Tenho certeza de que Deus irá suscitar na sua Igreja o que é ser católico de verdade novamente ( estou também aprendendo a ser, e muito do meu aprendizado tem sido com o senhor, e lhe agradeço sinceramente ). Pra terminar, só para conhecimento seu, o grupo jovem da minha paróquia está fazendo uma pesquisa na comunidade e, entre as 10 perguntas, uma é “O que é a Missa?”. Tem várias pessoas fazendo a pesquisa ( eu sou uma delas ), e entre as cerca de 80 pessoas que eu já entrevistei, só duas responderam: “E a renovação do sacrifício da Cruz”. Muitos respondem errado e muitos dizem mesmo que não sabem o que é a Missa ( e alguns disseram que não sabem porque vão! ). A maioria diz que é um “encontro com Deus” ( sem dúvida é, mas a resposta está muito incompleta ). O final da pesquisa será apresentado ao padre com uma provável constatação: “Antes a Missa era em latim e ninguém sabia o que era; agora a Missa é em português e as pessoas continuam sem saber o que é a Missa”.

Um grande abraço de seu amigo e irmão em Cristo

Wilson Junior

Muito prezado Wilson,
salve Maria.
 
    Que bom que voce me tenha escrito. Deus o guarde sempre na defesa da verdadeira Fé Católica Apostólica e Romana
 
    Infelizmente andei tão ocupado que não pude analisar ainda no site o livro do Padre Tardif. Logo que puder o farei, porque esse é um livro péssimo.
 
    Deus nunca muda, mas como a História sofre mudanças, Deus utiliza meios apropriados a cada tempo e a cada povo, conforme as circunstâncias o exijam. Assim, no começo do cristianismo, Deus concedeu aos primeiros cristãos muitos dons extraordinários, para facilitar a rápida expansão do cristianismo.
 
    Essa não é uma opinião minha. Já Santo Ambrósio, no fim do século IV, notava que os carismas já não eram concedidos por Deus do modo como haviam sido concedidos no início do Cristianismo, pois já não eram tão necessários.
 
    Hoje, se pensa que os dons extraordinário se tornaram muito ordinários e comuns. Todo mundo se julga possuidor de dons espetaculares. Uma multidão se olha e se vê no espelho como grande apóstolo e mesmo grande santo. E entretanto são uns pobres coitados que nem conhecem os rudimentos da Fé. Estão cheios de idéias heréticas, liberais, modernistas e ecumênicas.
Você mesmo constatou uma grande ignorãnia entre os fiéis de sua paróquia que nem sabem o que é a Missa. Entretanto, possivelmente, alguns deles se julgam possuidores de dons carismáticos extarordinários. Ilusão e mentira. Você mesmo constatou, meu carioo Wilson, que alguns padres nem tomam conhecimento do que o papa ensina. Se nem ligam para o que papa manda e ensina na terra, como poderão ser ouvidos no céu?
 
    E Deus não permite milagres quando a Fé é pouca. Cristo recusou fazer milegre, quando os fariseus pediram um sinal no céu, ou quando Herodes pediu um milagre por curiosidade. Nossa época adúltera e infiel não merece milagres como os havia em outros tempos mais católicos.
 
    Onde estão os santos, hoje ? Onde está um novo São João Bosco? Onde uma nova Santa Teresinha? Onde um Santo Cura de Ars?
    Espero tê-lo atendido. Escreva-me sempre.
 
In Corde Jesu,semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: RCC e Missa Nova - Orlando Fedeli

Cartas: Carnaval ´cristão`? - Orlando Fedeli

Cartas: Comentários de argumentos contra o Pe. Jonas Abib - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais