Montfort Associação Cultural

13 de setembro de 2014

Download PDF

Domingo, 14 de setembro: Festa da Exaltação da Santa Cruz

Fonte: Missa Tridentina na Paróquia São Sebastião, Campo Grande

EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ
2ª Classe – Paramentos Brancos
NOTA: Suprime-se o 14º Domingo Após Pentecostes, em virtude de a Exaltação da Santa Cruz ser uma Festa de Nosso Senhor. 
Para ler/baixar o Próprio desta Missa, clique aqui.
Epístola de São Paulo Apóstolo aos Filipenses 2, 5-11.
Irmãos: Animai-vos dos sentimentos de Jesus Cristo, o Qual, apesar da sua natureza divina, sabendo que não era rapina julgar-Se igual a Deus, aniquilou-Se a Si mesmo, assumindo a natureza de escravo, tornando-Se semelhante aos homens, e como tal reconhecido. Humilhou-Se a Si mesmo, fazendo-Se obediente até à morte, – e morte de cruz! Foi por isso que Deus O glorificou, e Lhe deu um nome que está acima de todo o nome, para que ao nome de Jesus todo o joelho se dobre, [ajoelhar-se], nos Céus, na Terra e nos Infernos, e toda a língua proclame que o Senhor, Jesus Cristo, está na glória do Pai.
Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 12, 31-36.
Naquele tempo: disse Jesus à multidão dos Judeus: “É agora o julgamento deste mundo; é agora que o Príncipe deste mundo vai ser expulso dele. E Eu, quando for levantado da terra, a todos atrairei a Mim.”  Dizia isto para indicar de que morte viria a morrer. A multidão respondeu-Lhe: “Nós sabemos, pela Lei, que o Cristo permanece eternamente! Como é que, então, Tu podes dizer que o Filho do homem há de ser levantado? Quem é este Filho do homem?” Jesus, então, respondeu-lhes: “A Luz ainda está um pouco de tempo convosco: caminhai enquanto tendes Luz, para não serdes surpreendidos pelas trevas, pois quem caminha nas trevas, não sabe para onde vai. Enquanto tendes a luz, acreditai na Luz, para serdes filhos da Luz!”
Traduções das leituras extraídas do Missal Quotidiano por Pe. Gaspar Lefebvre OSB (beneditino da Abadia de Santo André) – Bruges, Bélgica: Biblica, 1963 (com adaptações).
Comentário do dia:
São João Crisóstomo (c. 345-407), presbítero de Antioquia, bispo de Constantinopla, doutor da Igreja
Homília sobre “Pai, se é possível” – trad. Delhougne, Les Pères commentent, p. 72(extraído do site Evangelho Quotidiano, apud Per Ipsum).
“Tanto amou Deus o mundo”
Foi a cruz que reconciliou os homens com Deus, que fez da terra um céu, que uniu os homens aos anjos. Ela derrubou a cidadela da morte, destruiu o poder do demônio, libertou a terra do mal, estabeleceu os fundamentos da Igreja. A cruz é a vontade do Pai, a glória do Filho, o júbilo do Espírito Santo. [...]
A cruz é mais brilhante que o sol porque, quando o sol se turva, a cruz resplandece; e o sol turva-se, não no sentido de ser aniquilado, mas de ser vencido pelo esplendor da cruz. A cruz rasgou a ata da nossa condenação, quebrou as cadeias da morte. A cruz é a manifestação do amor de Deus: “Tanto amou Deus o mundo, que lhe entregou o Seu Filho Unigênito, a fim de que todo o que Nele crê não se perca”.
A cruz abriu o paraíso, deixou que nele entrasse o malfeitor (Lc 23,43) e conduziu ao Reino dos Céus a criatura humana, destinada à morte.

Publicações relacionadas

Oração e Vida Espiritual: Segunda Feira da Quarta Semana da Quaresma – Jesus expulsa os vendilhões do Templo

Oração e Vida Espiritual: 23/02/2014: Domingo da Sexagésima

Oração e Vida Espiritual: Décimo Domingo depois de Pentecostes

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais