Montfort Associação Cultural

13 de outubro de 2004

Download PDF

Deveres do Padrinho de Crisma

Autor: André Palma

  • Consulente: Leonardo Evany Abud
  • Localizaçao: Conchas – SP – Brasil
  • Escolaridade: 2.o grau em andamento
  • Religião: Católica

Eu gostaria de saber quais são os deveres de um padrinho de Crisma,
o que ele deve ensinar, e as obrigações que ele tem para com o afilhado
no dia a dia, os afilhados podem cobrar mais do tempo disponível do padrinho?

Prezado Leonardo, Salve Maria!< ?xml:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

Sua pergunta é bastante interessante. 

Como você sabe os Sacramentos são sinais sensíveis e eficazes da graça instituídos por Jesus Cristo para a nossa santificação.

São sinais sensíveis e eficazes, pois todos os Sacramentos significam, por meio de coisas sensíveis, a graça divina que eles produzem em nossas almas. 

O Sacramento do Crisma nos dá o Espírito Santo, imprime em nossa alma o caráter de soldados de Cristo. Portanto, nos faz perfeitos cristãos. 

No ritual do Crisma, que é ministrado somente pelo Bispo, dá-se um tapa na face do crismando para que saiba que deve estar pronto a sofrer todas as afrontas e todas as penas pela fé e amor de Jesus Cristo. 

O Bispo, então, unge a fronte do crismando com o óleo do Santo Crisma, preparado com óleo de oliveira misturado com bálsamo significando a abundância da graça que se difunde na alma do cristão para o confirmar na fé (daí o nome de Confirmação); e o bálsamo, que é aromático e preserva da corrupção, significa que o cristão fortificado por esta graça é capaz de difundir o bom aroma das virtudes cristãs, e de preservar-se da corrupção dos vícios. 

Como no batismo, no Sacramento do Crisma o crismando deverá ser assistido por um padrinho do mesmo sexo, para que este lhe sirva de exemplo e com suas palavras oriente o crismado no caminho da salvação. 

O padrinho de Crisma contrai um parentesco espiritual com o crismado, portanto existe uma obrigação do padrinho em assistir seu afilhado em suas necessidades, principalmente espirituais. Entretanto, o quanto do tempo disponível deverá ser dispensado ao afilhado deverá ser tanto quanto o crismado necessitar, claro seguindo o bom senso. 

Esperamos tê-lo respondido, 

In corde Iesu et Mariae,

André Palma.

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Anjos - Orlando Fedeli

Oração e Vida Espiritual: Bento XVI, com Santo Afonso: “Quem reza se salva, quem não reza se condena”

Cartas: Casa, separa, depois… - Lucia Zucchi

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais