Montfort Associação Cultural

14 de janeiro de 2005

Download PDF

Deuterocanônicos no Novo Testamento

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: André
  • Idade: 23
  • Localizaçao: Arraial do Cabo – RJ – Brasil
  • Escolaridade: Superior em andamento
  • Religião: Católica

Caro Professor Orlando, a paz de Cristo.

Quero desde já agradecer pela atenção e pela resposta do e-mail anterior, pois me foi muito util.

Venho por meio deste fazer uma nova pergunta. Há no novo testamento alguma(s) referencia(s) sobre os deuterocanônicos considerado pelos protestantes não revelados? Tenho debatido muito com meu amigo protestante(que eu sitei no e-mail anterior) e já estou a proximo de sua conversão, pois ele já não considera errado chamarmos Maria de Mãe de Deus, tambem a considera a sua mãe e acredita na presença real de Cristo na eucaristia.

Ele tambem ACREDITAVA que as pessoas seriam jugaldas por Deus todas juntas, que quando morremos já acordamos no juizo final e que por isso era impossivel haver interseção dos mortos já que as pessoas tambem não teriam lembranças do que viveram durante a vida, mais provem que tudo isso era errado somente com a parte da abertura do 5º selo de Apocalipse. Por esse motivo está acontecendo um grande problema, ele está achando que há biblia está cheia de contradições, mais eu nas minhas limitações disse que como a biblia é de inspiração divina nEla não a contradições e que o erro estava nas interpretacões que ensinaram a ele. Gostaria de saber se estou agindo certo e se não tiver o que devo fazer.

Tambem gostaria de saber todas as partes da bliblia que mostram que a tradição tambem é inportante.

Fiquem com Deus, e se mantenham nesse trabalho brilhante na luta pela nossa Fé.

Muito prezado André, salve Maria!

Agradeço suas palavras de confiança em nosso trabalho.

Passo a responder diretamente suas questões.

As referências dos deuterocanônicos no Novo Testamento são muito sutis e em pequeno número. Alguns católicos tentaram mostrar relações mais profundas, mas em geral não se dão bem. O artigo da Enciclopédia Católica é mais esclarecedor a respeito: http://www.newadvent.org/cathen/03267a.htm.

O que é importante considerar na questão do cânon é o seguinte: Em primeiro lugar, deve-se considerar que o cânon está fora da Bíblia! A relação dos livros da Bíblia não está na Bíblia, e portanto a Escritura não se sustém por si mesma, precisando da Tradição que a forjou e que a elenca.

Já entre os judeus anteriores a Cristo se havia posto o problema sobre que livros deviam ser considerados inspirados por Deus, e quais não.

Os rabinos judeus de Alexandria consideraram que os livros deuterocanônicos [aqueles que hoje estão na Bíblia Católica] eram, de fato, inspirados por Deus.

O sínodo de Jâmnia, no ano 100 d.C., feito pelos rabinos da Palestina, determinou que só eram inspirados por Deus os livros escritos em Hebraico, e na Palestina, o que exclui os deuterocanônicos do cânon da Bíblia.

A retirada dos livros deuterocanônicos tinha motivações puramente políticas, como unidade de língua e de estado (como já lhe disse, os livros tinham que ser escritos em hebraico e em Jerusalém, antes do cativeiro de Babilônia).

A versão da Sagrada Escritura para o grego– a chamada Bíblia dos Septuaginta — seguiu o cânon de Alexandria.

Ora, Nosso Senhor Jesus Cristo citou muitos textos do Antigo Testamento a partir da Septuaginta, na sinagoga, e nem por isso os judeus O acusaram de usar livros apócrifos.

Bastaria o fato de que Nosso Senhor citou a Bíblia dos Septuaginta — que continha os chamados livros deuterocanônicos– para concluir que esses livros são de fato inspirados por Deus.

O Novo Testamento cita livros apócrifos (S. Judas cita o livro de Henoc), e nem por isso eles ficaram inspirados. (S. Judas I, 14); Além disso, há livros deuterocanônicos também no Novo Testamento. Porque os protestantes não os rejeitaram?

Cada seita protestante diz uma coisa: em geral se diz que a alma “dorme” até o juízo final, o que é um absurdo, pois na passagem de Lázaro se fala de Abraão no céu. E a expressão “seio de Abraão” significava o céu, se Abraão estivesse “dormindo”, não faria sentido a expressão.

Considerando que a alma é julgada logo após a morte, e podendo ir para o céu se estiver livre de todo pecado venial e imperfeições, a alma dos santos pode perfeitamente interceder junto a Deus como fez aqui na Terra.

No fim do mundo de fato haverá o juízo universal, quando os corpos se juntarão às almas e todos seremos julgados juntos.

Quanto às contradições, esse é o triste fim dos protestantes: como acham que sabem interpretar livremente a Bíblia, acabam colocando-a em constante contradição, pois de fato cada um entende uma coisa! Não é a Bíblia a causa do problema, mas o livre-exame destruidor de qualquer livro.

***

Há vários textos da Sagrada Escritura que defendem a Tradição.

Cito-lhe algumas passagens:

“Assim, pois, irmãos, ficai firmes e conservai os ensinamentos que de nós aprendestes, seja por palavras, seja por carta nossa. ” (II Tessalonicenses, 2,15). (claramente as duas fontes) ;

“Intimamo-vos, irmãos, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que eviteis a convivência de todo irmão que leve vida ociosa e contrária à tradição que de nós tendes recebido.” (II Tessalonicenses 3, 6)

“Apesar de ter mais coisas que vos escrever, não o quis fazer com papel e tinta, mas espero estar entre vós e conversar de viva voz, para que a vossa alegria seja perfeita.” (II S. João, 1,12)

“Espero ir ver-te em breve e então falaremos de viva voz.” (III S. João, 1,14)

O que de mim ouviste em presença de muitas testemunhas, confia-o a homens fiéis que, por sua vez, sejam capazes de instruir a outros.” (II Timóteo, 2, 2)

(depósito da fé) “Guarda o precioso depósito, pela virtude do Espírito Santo que habita em nós.” (II Timóteo, 1,14)

(depósito da fé) “Ó Timóteo, guarda o bem que te foi confiado!” (I Timóteo, 6, 20)

“Rogo-vos, irmãos, que desconfieis daqueles que causam divisões e escândalos, apartando-se da doutrina que recebestes. Evitai-os!” (Rom, 16, 17)

” Eu recebi do Senhor o que vos transmiti (…)” (I Cor. 11,23)

” Eu vos lembro, irmãos, o Evangelho que vos preguei, e que tendes acolhido, no qual estais firmes.” (I Cor. 15, 1)

” O que aprendestes, recebestes, ouvistes e observastes em mim, isto praticai, e o Deus da paz estará convosco.” (Filipenses 4, 9)

“Como (de nossa pregação) recebestes o Senhor Jesus Cristo, vivei nele, enraizados e edificados nele, inabaláveis na fé em que fostes instruídos, com o coração a transbordar de gratidão!” (Colossenses II, 6-7);

” Pois conheceis que preceitos vos demos da parte do Senhor Jesus.” (I Tessal. 4, 2)

“Como, então, escaparemos nós se agora desprezarmos a mensagem da salvação, tão sublime, anunciada primeiramente pelo Senhor e depois confirmada pelos que a ouviram, comprovando-a o próprio Deus por sinais, prodígios, milagres e pelos dons do Espírito Santo, repartidos segundo a sua vontade?” (Hebreus 2, 3-4) Esperando ter atendido seus pedidos, me despeço.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli.

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Das Processões Divinas - Orlando Fedeli

Artigos Montfort: A utilidade da Paixão como exemplo para nós - Ivone Fedeli

Cartas: Profanações da missa nova - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais