Montfort Associação Cultural

20 de fevereiro de 2010

Download PDF

Denúncia de irregularidades nas Missas de Dourados a Dom Redovino Rizzardo

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Fernando M. Azevedo
  • Localizaçao: Dourados – MS – Brasil
  • Escolaridade: Superior incompleto
  • Religião: Católica

 
Excelentíssimo e Reverendíssimo Dom Redovino Rizzardo,
 
Com diversas cópias.
Há pouco mais de 2 anos li seu artigo, “De novo a missa em Latim?”, que teve amplo alcance na internet. Este artigo causou a mim, que sou  um “fiel ligado a movimentos tradicionalistas com problemas de consciência em participar de celebrações eucarísticas mais vivas e espontâneas, como se começou a fazer a partir do Concílio Vaticano II” como V.E.R. nos descreve no artigo,  um grande desconforto, pois, sendo um dos primeiros bispos a manifestar-se publicamente sobre o M.P. Summorum Pontificum, o artigo dava o tom para os demais bispos, não apenas do Brasil. Isto despertou minha atenção sobre a sua pessoa e também sobre a sua diocese, os quais venho acompanhando através da internet.
Neste interesse, li vários de seus artigos, até deparar-me com um que se referia novamente à missa segundo seu rito extraordinário: “Missa nordestina, gaúcha e romana”, onde V.E.R. defende não apenas a  inculturação mas as missas encenadas, fabricadas ou missas teatrais, como o caso das missas nordestina e gaúcha. Tomei conhecimento de uma carta aberta onde este mesmo artigo era questionado, infelizmente não encontrei resposta sua a esta carta.
Agora, recentemente encontrei um site de sua diocese, de uma fundação chamada Terceiro Milênio, nele pude acompanhar vários acontecimentos que demonstram o resultado direto do apoio a estas celebrações teatrais, onde se abandonam as normas para ganhar em popularidade, resultado que vou listar detalhadamente, com negritos e sublinhados meus:
 
1º – Os Vasos Sagrados
Instrução Redemptionis Sacramentum [117]: Os vasos sagrados, que estão destinados a receber o Corpo e a Sangue do Senhor, devem-se ser fabricados, estritamente, conforme as normas da tradição e dos livros litúrgicos.[205] As Conferências de Bispos tenham capacidade de decidir, com a aprovação da Sé apostólica, se é oportuno que os vasos sagrados também sejam elaborados com outros materiais sólidos. Sem dúvida, requer-se estritamente que este material, de acordo com a comum valorização de cada região, seja verdadeiramente nobre, de maneira que, com seu uso, tribute-se honra ao Senhor e se evite absolutamente o perigo de enfraquecer, aos olhos dos fiéis, a doutrina da presença real de Cristo nas espécies eucarísticas. Portanto, reprove-se qualquer uso, para a celebração da Missa, de vasos comuns ou de escasso valor, no que se refere à qualidade, ou carentes de todo valor artístico, ou simples recipientes, ou outros vasos de cristal, argila, porcelana e outros materiais que se quebram facilmente. Isto vale também para os metais e outros materiais, que se corroem (oxidam) facilmente.


Cálice de Vidro ou cristal – Maracaju – Paróquia Nossa Senhora Aparecida – Pe. Flávio Alencar
Fonte:
http://www.terceiromilenio.org/album.php?album=evento213


Vasos de plástico ou argila – Dourados – Paróquia São Carlos – Missa Caipira – Pe. Junior César Caetano
Fonte: http://www.terceiromilenio.org/album.php?album=evento215


Não bastasse os vasos de vidro ou cristal – Dourados – Praça Paraguaia – Pe. Teodoro Benites
Fonte: http://www.terceiromilenio.org/album.php?album=evento339


Cálice feito com uma pata de boi – Dourados – CTG – Missa Crioula – Pe. Duvilío Antonini
Fonte: http://www.douradosagora.com.br/not-view.php?not_id=263530
 
2º As Vestes Litúrgicas
Instrução Redemptionis Sacramentum [121-128]: “… estas «vestes devem contribuir ao decoro da mesma ação sagrada»., … «A vestimenta própria do sacerdote celebrante, na Missa e em outras ações sagradas que diretamente se relacionam com ela, é a casula ou planeta, caso não se indique outra coisa, vestida sobre a alva e a estola»…, …. Seja reprovado o abuso de que os sagrados ministros realizem a santa Missa, inclusive com a participação de só um assistente, sem usar as vestes sagradas ou só com a estola sobre a roupa monástica, ou o hábito comum dos religiosos, ou a roupa comum…, … Os Ordinários cuidem de que este tipo de abusos sejam corrigidos rapidamente…., é impróprio estendê-las[as concessões] às inovações, para que assim não se percam os costumes transmitidos e o sentido de que estas normas da tradição não sofram menosprezo, pelo uso de formas e cores de acordo com a inclinação de cada um. Quando seja um dia festivo, os ornamentos sagrados de cor dourado ou prateado podem substituir os de outras cores, exceto os de cor preta.
 

Estola de pano de cozinha – Dourados – Paróquia São Carlos – Missa Caipira – Pe. Junior César Caetano
Fonte: http://www.terceiromilenio.org/album.php?album=evento215


No lugar da estola uma faixa de cingir a cintura – Dourados – Praça Paraguaia – Pe. Teodoro Benites
Fonte: http://www.terceiromilenio.org/album.php?album=evento339

 
 

Em lugar da estola um lenço, em lugar da casula um poncho – Dourados – CTG – Missa Crioula – Pe. Duvilío Antonini
Fonte: http://www.douradosagora.com.br/not-view.php?not_id=263530
 
3º Dos Locais
Instrução Redemptionis Sacramentum [108]: «A celebração eucarística se tem de fazer em lugar sagrado, a não ser que, em um caso particular, a necessidade exija outra coisa; neste caso, a celebração deve se realizar em um lugar digno». Da necessidade do caso julgará, habitualmente, o Bispo diocesano para sua diocese.
Veja Dom Redovino, que as imagens acima demonstram várias destas missas celebradas em locais inadequados, segundo a oportunidade, e não a necessidade. Ou ocorrem desobedecendo a instrução e ao Código de Direito Canonico, ou então com a anuência de S.E.R., o bispo Diocesano.
 
4º Das Ceias e Festas
Instrução Redemptionis Sacramentum [77]:  A celebração da santa Missa, de nenhum modo, pode ser inserida como parte integrante de uma ceia comum, nem se unir com qualquer tipo de banquete. Não se celebre a Missa, a não ser por grave necessidade, sobre uma mesa de refeição, ou num refeitório, ou num lugar que será utilizado para uma festa, nem em qualquer sala onde hajam alimentos, nem os participantes na Missa se sentem à mesa, durante a celebração. Se, por uma grave necessidade, deva-se celebrar a Missa no mesmo lugar onde depois será a refeição, deve-se mediar um espaço suficiente de tempo entre a conclusão da Missa e o início da refeição, sem que se exibam aos fiéis, durante a celebração da Missa, alimentos ordinários.
 
Há no altar pão comum, um pote plástico, e um vidro de Remédio
Dourados – CTG – Missa Crioula – Pe. Duvilío Antonini
Fonte: http://www.douradosagora.com.br/not-view.php?not_id=263530
 

Biscoitos e tereré – Dourados – Praça Paraguaia – Pe. Teodoro Benites
Fonte: http://www.terceiromilenio.org/album.php?album=evento339
 
 
 
Gostaria de perguntar a V.E.R., se não se deve exibir durante a celebração alimentos ordinários, o que está tentando ensinar ao povo Pe. Teodoro Benites na imagem acima?


E à propósito da imagem acima, o que pensará o povo vendo esta “concelebração”?
Caro Dom Redovino Rizzardo, pelo pouco que pude observar posso afirmar que não é um caso isolado de desobediência, não está restrito a uma paróquia, nem mesmo a uma cidade, pelo contrário, apesar de alguns sacerdotes estarem presentes em todos os itens aqui citados, a desobediência as normas litúrgicas ocorrem normalmente e amplamente em sua diocese.
Aparentemente estas ocorrências multiplicaram-se após sua anuência as missas teatrais. Digo teatrais, porque tenho certeza que nenhuma destas missas alegóricas fez parte do costume ou da tradição de nenhum dos povos por elas referidos, sejam os gaúchos, os paraguaios ou os nordestinos. Venho lembrar-lhe que ao bispo cabe o múnus de ensinar, santificar e governar, e com pesar lhe digo, daqui de longe sua diocese demonstra que não conhece as normas litúrgicas ou não dá a elas nenhuma importância, não posso ver em tantos sacrilégios santificação alguma, parece, daqui de onde vejo, que sua diocese está desgovernada, onde cada um faz o que lhe dá na telha.
 
Resta saber se esta aparência representa a verdade ou ocorre a vossa revelia, e isto saberemos brevemente, pois agora que tenho certeza que V.E.R. tomou conhecimento dos abusos, suas ações demonstrarão sua posição real frente aos mesmos.
 
Despeço-me rogando a V.E.R. uma imediata intervenção para que cessem os abusos e sacrilégios,
 
Na Festa de São Lino, em 23 de Setembro de 2009
Fernando XX

 
Muito prezado  Fernando,
Salve Maria.
 
     Parabéns por sua carta ao Bispo de Dourados Dom Redovino. Você conseguiu fazer uma carta firme e muito respeitosa. Espero que Sua Execelência ouça o seu brado de alerta
     É lamentável que os Bispos do Brasil resistam tanto às ordens do Papa pela liberação da Missa de sempre. Em contrapartida nunca tomam medidas sérias para coibir esses abusos e verdadeiras profanações sacrílegas. Pio XII acusava o século XX de ter perdido o sentido do pecado. Agora, o clero parece ter perdido o sentido do Sagrado.
     Seu trabalho está muito bem feito, mostrando a contradição claríssima entre o que ordena a Santa Sé e o que fazem esses sacerdotes sob o olhar complacente dos Bispos.
     No mês passado ainda, os Bispos de Mato Grosso do Sul estiveram reunidos com o Papa que lhes disse palavras firmes para que recuperem a Liturgia, que fossem zelosos pelo culto eucarístico. Pelo que provam as fotos que você anexa, muita coisa há que mudar em Dourados.
     Tomara Deus que o Bispo local, recebendo sua documentação, com sua demonstração impressionante, passe a zelar  pela Missa e acate as determinações da Santa Sé, especialmente liberando a Missa de sempre.
     Um abraço bem feliz por conhecer a excelência de seu trabalho em defesa da Fé. E que Deus o guarde sempre fiel
 
In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais