Montfort Associação Cultural

24 de novembro de 2004

Download PDF

Defesa do racismo de Allan Kardec

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Amauri
  • Localizaçao: São Paulo – SP – Brasil
  • Religião: Outras – escreva abaixo

Uma observação sobre o texto do senhor Orlando Fedeli

Fico imaginando o que leva uma pessoa a ser ortodoxa? Será motivos religiosos ou simplesmente ser contra aquilo que não se conhece nem mesmo ler atenciosamente? Isso me lembra inúmeros casos de fanatismo religioso que muita gente quando é de outra religião ou que acredita em outra maneira religiosa é descriminado. Lembro um caso que um padre que rege a missa na paróquia onde se reunimos num movimento popular, ser quase expulso por apoiar o ecumenismo dentro de sua igreja. Isso é um exemplo de radicalismo desnecessário, isso vai até contra os princípios de Jesus.

Primeiro, tenho que observar o texto num contexto da época que foi escrito, isso mexe com o texto. Mesmo que esses textos são de cunho religioso, pois mesmo assim tem a tendência de obedecer a época que Charles Darwin implantou a lei da evolução. Sendo que a igreja perde o mito e a ciência invoca a evolução animal, que é a certa. Kardec não era perfeito, não era um ser que possuísse algum cunho divino, mas teve a missão de plantar a semente do espiritismo e desenvolve-lo para darmos hoje uma luz num túnel escuro. Uma luz muito mais esclarecedora do que falar em mistério divino, mas isso faz parte da evolução dos conceitos humanos.

Dentro do universo há com toda certeza uma lei da evolução muito grande e expressiva, uma estrela pode nascer e morrer em milhões de anos, o universo se expande para frente. Isso acontece com os planetas e tudo que nele há, tivemos muitos animais que habitaram a Terra, só os mais hábitos ao clima ou as condições do lugar viveram e isso é fato. Acontece o mesmo com o espírito e o corpo animal que temos e que evolui, mesmo que alguém discorde, isso é um fato que não se pode negar. Por causa disso que a reencarnação é importante para a evolução, e tudo é assim. O texto que o senhor Orlando Fideli diz é numa forma ainda rude por causa da época diz: “O progresso não foi, pois, uniforme em toda a espécie humana; as raças mais inteligentes naturalmente progrediram mais que as outras, sem contar que os Espíritos, recentemente nascidos na vida espiritual, vindo a se encarnar sobre a Terra desde que chegaram em primeiro lugar, tornam mais sensíveis a diferença do progresso(sic!). Com efeito, seria impossível atribuir a mesma antiguidade de criação aos selvagens que mal se distinguem dos macacos, que aos chineses, e ainda menos aos europeus civilizados”(Allan Kardec, A Gênese, ed. cit. p. 187, o sublinhado e o negrito são meus).

Nesse texto há uma parte de ignorância de uma época que começa algo que agora avançou muito, se os senhores que são tão ortodoxos lessem mais outras religiões e concluíssem que Deus é um, não importa o que eles ou vocês pensem, mas que ele existe eternamente.

Amauri
Deficiente físico

Fico imaginando o que leva uma pessoa a ser ortodoxa?”  

Prezado Amauri, salve Maria!

Parece-me que você não compreende bem o que significa a palavra “ortodoxa”.

“Orto” em grego, quer dizer reto. “Doxein” quer dizer doutrina. Ortodoxia, então, literalmente, significa doutrina correta. Portanto, meu caro amigo, o que leva uma pessoa a ser “ortodoxa” é o seu amor à verdade.

Também me parece bem errado o que você me escreve: “Lembro um caso que um padre que rege a missa na paróquia onde se reunimos num movimento popular, ser quase expulso por apoiar o ecumenismo dentro de sua igreja. Isso é um exemplo de radicalismo desnecessário, isso vai até contra os princípios de Jesus“. (Sublinhei e coloquei em negrito a frase errada que você escreveu.

Frase errada por que?

Porque Jesus, Ele também, expulsou algumas pessoas do Templo e as expulsou às chicotadas.

Se Cristo aparecesse, hoje, e repetisse esse gesto, expulsando a chicotadas certos hereges da Igreja, muitos que se dizem “cristãos” o acusariam de ser “radical”, e provavelmente lhe voltariam as costas.

Que é que você chama de “principios de Jesus”? Será que você poderia enumerar-me esses princípios?

O que você julga serem “os princípios de Jesus” não serão os princípios que a mídia liberal e marxista colocam na cabeça das pessoas?

Repito-lhe o desafio: quais são os “principios de Jesus”? Por favor, enumere-os.

Claro que isto vai obrigá-lo a fazer consultas, e que possivelmente você acertará alguma coisa. Tente, então. Pelo menos, você aprenderá algo.

A seguir você me escreve: “Primeiro, tenho que observar o texto num contexto da época que foi escrito, isso mexe com o texto”. Todo aquele que é pego num texto, quando ele não tem humildade de reconhecer o erro, e não tendo saída, tenta escapar apelando para o famoso… “contexto”.

É o que você tenta fazer, falando de texto, no contexto, que mexe com o texto.

Você prossegue sua carta, afirmando peremptoriamente que “Charles Darwin implantou a lei da evolução”.

Nem Darwin, nem nenhum cientista implanta lei alguma. O que faz um cientista é descobrir uma lei que Deus colocou na natureza. Ademais, Darwin e sua hipótese estão entalados em um lodaçal de contradições. Meu caro, o darwinismo de Darwin, tanto quanto os demais evolucionismos, já “era”.

Leia, agora, o que você me escreveu: “Kardec não era perfeito, não era um ser que possuísse algum cunho divino, mas teve a missão de plantar a semente do espiritismo e desenvolve-lo para darmos hoje uma luz num túnel escuro”. Ainda bem que você reconhece que Kardec não era perfeito. Já é um passo adiante.

Mas quem lhe disse que Kardec recebeu uma “Missão”?

Kardec era um racista brutal e grosseiro, e um autor de muito baixo nível intelectual.

Você acredita — como Kardec e Hitler — que a raça hotentote é inferior à raça caucásica?

Essa é a luz do fim do túnel que Kardec lhe apontou?

Meu caro iludido, a luz que você “viu” não foi a do fim do túnel, foi a do trem dos aliados, entrando no bunker de Hitler. O racismo foi atropelado, em 1945, por esse trem.

E você ousa repetir o texto racista de Kardec, que citei, como se ele não tivesse importância alguma?

Pois você me escreveu: “O texto que o senhor Orlando Fideli diz é numa forma ainda rude por causa da época diz: “O progresso não foi, pois, uniforme em toda a espécie humana; as raças mais inteligentes naturalmente progrediram mais que as outras, sem contar que os Espíritos, recentemente nascidos na vida espiritual, vindo a se encarnar sobre a Terra desde que chegaram em primeiro lugar, tornam mais sensíveis a diferença do progresso(sic!). Com efeito, seria impossível atribuir a mesma antiguidade de criação aos selvagens que mal se distinguem dos macacos, que aos chineses, e ainda menos aos europeus civilizados” (Allan Kardec, A Gênese, ed. cit. p. 187, o sublinhado e o negrito são meus). Meu caro, isso é racismo bruto e grosseiro.

E Kardec vai mais longe: ele considera também os chineses uma raça inferior. Logo mais darei a prova disso.

Graças a Deus que você teve a lealdade de reconhecer que, no texto de Kardec, há a “ignorância de uma época”. Meu amigo, eu o louvo por esse reconhecimento. Você praticou esse ato leal, quando me escreveu: “Nesse texto há uma parte de ignorância de uma época”. O lamentável é que essa ignorância persista até hoje.

Pratique mais um outro ato de lealdade, reconhecendo que Kardec era, sim, um racista brutal e grosseiro

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Presbiteriano defende o relativismo doutrinário - Orlando Fedeli

Cartas: Símbolos mágicos e esotéricos - Orlando Fedeli

Documentos da Igreja: Bula Unam Sanctam

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais