Montfort Associação Cultural

12 de janeiro de 2005

Download PDF

Defesa de Frei Betto, Boff e outros

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Eduardo
  • Idade: 29
  • Localizaçao: Rio de Janeiro – RJ – Brasil
  • Escolaridade: Superior concluído

fiquei muito triste em perceber a hipocrisia de alguns cristãos que insistem em chamar de hereges pessoas com uma consciência política e religiosa tão profundas como frei betto, leoonardo boff, (daqui a pouco vão chamar dom pedro casaldáliga também!!!). Discordar da Igreja, ou melhor, de alguns pontos de conflito, dúvida, nunca foi pecado contra Deus. Ele sabe se defender muito bem. Porém, a Igreja só tem a se enriquecer com o diálogo franco e aberto sobre questões de fé. Jesus não foi morto porque gostava de rezar, mas porque ensinou que Deus ama a todos. Ele vivia entre os pecadores, prostitutas, cobradores de impostos… Os cristãos não foram perseguidos porque eram assiduos na oração, mas por que pregavam o Reino de paz, de justiça, de fraternidade. Direitos humanos! Antes de chamar de hereges pessoas como essas, dêem uma boa lida no evangelho! Quem somos nós para julgar nossos irmãos? Hipócritas é o que somos! Caros irmãos, Deus sabe se defender e a fé que temos é num Deus que ama a todos! Sem distinsões. Abramos nossos olhos… tiremos primeiro a trave do nosso olho para depois tirar o cisco do olho do outro.

Perdoem minhas palavras, mas sei que só o amor e o diálogo, ainda que difícil,acolhendo as diferenças, poderão tornar nossa Igreja mais rica e fiel aos ensinamentos de Cristo.

graça e paz!

Meu caro Eduardo, (pois suponho que Duda seja apelido), salve Maria !

Desculpe-me por ter me esquecido o nome de Dom Casaldáliga!

Mas creio que vou aumentar a sua tristeza, pois que Dom Pedro Casaldáliga, o conhecido Bispo defensor das invasões de terra e da revolução armada, para acabar com a propriedade privada, é tão comunista quanto Betto e Boff.

Herege, meu caro, é aquele que contraria o dogma da Igreja.

Quanto a terem eles o que você chama de “consciência política”, você entende por essa expressão serem eles favoráveis à Revolução comunista. Ora, o comunismo é herético. E não me venha com a velha cortina de fumaça distinguindo comunismo de socialismo, porque o socialismo também foi condenado inúmeras vezes pelos Papas. Por exemplo, Pio XI ensinou na Quadragésimo Anno, que socialismo e catolicismo são termos contraditórios, e que ninguém pode ser socialista e verdadeiro católico, ao mesmo tempo. (Cfr. Denzinger, 2270).

Citei de cor a passagem de Quadragesimo Anno, pois onde estou não a tenho. Mas você pode conferir que o pensamento é esse mesmo. E a citação de Denzinger está certa.

Você se engana totalmente, dizendo que discordar ou duvidar do que ensina a Igreja não seja pecado contra Deus. É pecado, sim. Pode conferir em qualquer exame de consciência. É pecado contra o primeiro mandamento negar ou duvidar do que ensina a Igreja.

Meu caro, você diz um despautério, quando afirma que “a Igreja só tem a se enriquecer com o diálogo franco e aberto sobre questões de fé”. A Igreja foi constituída por Deus como Mestra infalível da verdade. Ela não se “enriquece” com a doutrina ou pensamento de quem quer que seja, pois já possui toda a Verdade que Deus lhe deixou. Por isso Cristo não disse aos Apóstolos: “Ide e dialogai”, e sim “Ide e ensinai“.

Vejo que você é uma das vítimas do famoso “Diálogo”… Pois saiba que quem dialoga é porque não sabe. Quem sabe – como a Igreja – ensina. Quem não sabe, ouve e aprende.

Ouviu bem?

Onde, em que livro de História você encontrou que “Os cristãos não foram perseguidos porque eram assiduos na oração, mas por que pregavam o Reino de paz, de justiça, de fraternidade. Direitos humanos!”? Esses slogans das sociedades secretas jamais foram pregados pelos cristãos. Mais, na Revolução Francesa os católicos foram mortos às centenas de milhares, porque eram contra os Direitos do Homem decretados pela Revolução Francesa. E os tais Direitos do Homem, ou Humanos, da Revolução ainda consideravam a propriedade como um direito natural.

Ser favorável aos tais direitos, chamados humanos, e ser contra o direito de propriedade é uma contradição.

Sim, acho muito boa a sua idéia de dar uma boa lida nos Evangelhos. Leia, por exemplo, em São Mateus, a frase de Cristo que nos ensina: “Não julgueis pelas aparências, mas julgai com reto juízo” (Jo. VII, 24) ).

Interessante, não?

Cristo não proíbe julgar, mas manda julgar retamente.

Porque só o conheço por esta carta não posso julgar da justiça de sua exclamação: “Hipócritas é o que somos!”. Mas creio e espero, que você a colocou na primeira pessoa do plural, certamente, por humildade e por modéstia.

Você me garante que “Deus que ama a todos! Sem distinções.” E a primeira dessas duas frases é verdadeira.

Mas a segunda é um absurdo, pois Deus faz, sim, distinções. Pois Ele diz também: “Deus odeia igualmente o ímpio e a impiedade” (Sab. XIV, 9). E todo amor de Deus, é dito de “diligere” , isto é, amar com eleição, com preferência.

Por isso, está dito por Deus: “Eu amei o Egito, e o assírio é obra de minhas mãos, mas Israel é meu primogênito” (Is. XIX, 25).

E em Israel, Deus preferiu, amou mais, a tribo de Judá, e nela amou mais a família de Davi. E quando Cristo veio ao mundo, ele escolheu discípulos entre o povo, preferindo os que Ele amou mais. E entre os discípulos escolheu e amou mais aos doze Apóstolos. E, entre os Apóstolos, amou mais a João, por ser virgem. Mas deu o poder a Pedro, e não a João. E chamou, em primeiro lugar, a André, e não a Pedro. E elogiou a Bartolomeu, e não aos outros. E confiou a bolsa a Judas. E só a Tomé permitiu que tocasse em suas chagas.

Deus nos ama a todos infinitamente, mas não igualmente. Não sem distinções, como você erradamente escreveu. Por isso ele dirá aos maus: “Ide malditos para o fogo eterno” (Mt.XXV, 41). E essa será a suprema e definitiva distinção. Porém, tanto no céu como no inferno haverá graus diferentes de prêmios e castigos, porque Deus tudo julga com justiça e com distinção.

Ouviu e aprendeu, meu caro Eduardo?

Não o acuso de ter algum cisco nos olhos, mas só de tê-los fechados. E de não saber ler o Evangelho.

Lembre-se que Nosso Senhor previne: “Quem lê, entenda” (Mt. XXIV, 15), Quem tem olhos para ver, que veja”.

Que neste próximo Natal o Menino Deus lhe conceda a graça de ver e de saber ler e entender, é o que lhe deseja do fundo da alma aquele que in Corde Jesu, semper, assina

Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Fome da Verdade - Orlando Fedeli

Documentos da Igreja: Juramento contra o Modernismo

Artigos Montfort: Quando um herege diz a verdade: Confissões do modernista dominicano Jean Cardonnel - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais