Montfort Associação Cultural

27 de abril de 2006

Download PDF

Credo de Tomé: "Creio na Igreja Santa e Pecadora"

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Leonardo
  • Localizaçao: Londrina – PR – Brasil
  • Escolaridade: Superior em andamento
  • Religião: Católica

Inicialmente gostaria de cumprimentá-los pelos ótimos trabalhos. 

Fui ontem à Santa Missa numa paróquia que nunca tinha ido e qual não foi minha surpresa quando na Profissão de Fé o Credo tradicional foi substituído por um tal de “Credo de Tomé“, que dizia, dentre outros absurdos:

 ”Creio na igreja (sic) santa e pecadora (sic)”! 

Até onde ouvi falar, na Santa Missa deve-se usar somente o credo dos Apóstolos ou o Niceno-Constantino, ou independente disso, jamais um que afirma uma heresia tão grave. Gostaria de saber se os senhores conhecem esse tal “Credo de Tomé”, se ele é legítimo e aprovado pela Igreja, embora eu tenha quase a certeza que não.

A Paz de Cristo!

Muito prezado Leonardo,
Salve Maria.

     O que você me conta comprova que bem tinha razão o Cardeal Ratzinger ao dizer que, hoje, a liturgia, está em anarquia.
     Imagine-se um Credo de São Tomé. Deve ser o “credo” da dúvida.
       E ao dizer nesse credo absurdo “Creio na igreja (sic) santa e pecadora (sic)“! se afirma que se crê na heresia.
     Não reze jamais tal loucura. Esse é o credo de Lutero.
     Claro que esse falso credo de Tomé nunca foi e nunca será aprovado pela Igreja. Pelo contrário. Quem o recitar, crendo nessa heresia, fica excomungado.
     Agradeço-lhe suas palavras. Devia agradecê-lo desde o princípio de minha carta. Mas a raiva de tanta heresia e de tanto atrevimento me fizeram postergar o meu muito obrigado a você. Concordamos no repúdio a tal falso credo.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Missa de Sempre x Missa de Paulo VI - Marcelo Fedeli

Cartas: Auto-comunhão - Orlando Fedeli

Cartas: “In Persona Christi” - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais