Montfort Associação Cultural

28 de março de 2013

Download PDF

Contra o casamento gay, um milhão e meio de franceses marcharam domingo em Paris. Polícia reprime com cassetetes e gás lacrimogênio .

 

Na segunda grande manifestação em Paris, contra o projeto do governo socialista de estender o status jurídico de “casamento” a união de pessoas do mesmo sexo, nenhum grande jornal noticiou os números verdadeiros: vale a versão do governo que fala em 300 mil pessoas. A enorme diferença entre a quantidade esperada pelo governo e a real fez com que se reservasse um espaço extremamente exíguo e “discreto” à manifestação, levando a multidão a forçar as barreiras em muito pontos, sobretudo diante do palanque, armado diante do Arco do Triunfo. A reação da polícia foi desproporcional e violenta. O governo recusa admitir que tenha lançado gás lacrimogênio até sobre crianças e acusa a “extrema-direita”. Os “extremistas” tinham todas as idades, cantavam canções de colonia de férias, sentavam-se no chão para comer seus lanches e muitos traziam na mochila os Ramos da missa da manhã…  Abaixo, imagens dos conflitos.

 

PARIS, 25 Mar. 13 / 11:24 am (ACI).- Aproximadamente um milhão e meio de franceses participaram ontem em La Manif pour Tous (A Marcha para Todos) pelas principais ruas de Paris, exigindo ao governo socialista de François Hollande que retire o nocivo projeto de lei que promove o mal chamado “matrimônio” homossexual e a adoção por parte destes casais.

Os porta-vozes das organizações participantes denunciaram que o projeto de lei do regime socialista chamado “matrimônio para todos”, atenta contra a realidade histórica da humanidade e nega o fundamento antropológico das relações humanas.

“Criar uma filiação fictícia é fazer da criança um objeto”, denunciaram, citados pela plataforma espanhola HazteOír, que se juntou à marcha com uma delegação em Paris.

A Marcha para Todos denuncia toda forma de discriminação para com as pessoas homossexuais, mas recorda com similar firmeza que a relação pai-mãe é uma lei universal.

“O matrimônio civil, como instituição, existe precisamente para garantir esta realidade. O Direito não pode reinventar os laços de filiação, que fundamentam nossa sociedade e protegem à criança”, asseguraram.

Para os participantes, “o direito da criança (e não ‘o direito à criança’) é algo superior que ultrapassa os pensamentos ideológicos aos que nos querem acostumar”.

“Todos nascemos de um homem e de uma mulher!”, exclamaram desde a tribuna principal da manifestação.

A Marcha Para Todos busca defender o matrimônio civil entre um homem e uma mulher, ameaçado pela lei “Taubira”, que inclui a “procriação medicamente assistida” (PMA) e a “gestação para outro” (GPA).

Os manifestantes, muitos deles jovens, apareceram com cachecóis com as cores da bandeira francesa, assim como com cartazes e balões que reivindicavam a defesa da infância, da família e do matrimônio entre um homem e uma mulher.

Em 13 de janeiro deste ano, em uma edição prévia da La Manif pour Tous, mais de um milhão de pessoas marcharam em Paris com cartazes que diziam: “Os pais e as mães às ruas descendem e o matrimônio defendem”, “Pai e Mãe: Não há nada melhor para uma criança”, “Todos nascemos de um homem e de uma mulher”, “Nem progenitor A, nem progenitor B: Pai e Mãe!”.

Ainda o tamanho da multidão presente…

 

A manifestação tinha a presença maciça de católicos e o apoio dos bispos, como o Cardeal Vingt-Trois de Paris, e o Cardeal Barbarin de Lyon. Presentes também vários bispos, como Dom Aillet:

http://www.dailymotion.com/video/xyj8jc_monseigneur-aillet-a-la-manif-pour-tous_news#.UVR6VRdwe8A

 

Alguns videos e fotos dos ataques da polícia contra os manifestantes:

http://www.youtube.com/watch?v=zfkuxTVCOC0

 

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais