Montfort Associação Cultural

28 de setembro de 2011

Download PDF

“Conflito nacional de enormes proporções”: Bispos americanos ameaçam Obama

 

Conforme comentário de Daniel Hamiche, do blog Americatho, trata-se de uma ameaça sem ambigüidade e, sem dúvida, do texto mais forte jamais dirigido pela hierarquia católica a um Chefe de Estado americano. A treze meses das eleições, isso deveria fazer refletir a Casa Branca…

 

Bispos dos EUA a Obama: Não ataque a lei que protege o matrimônio entre homem e mulher

WASHINGTON DC, 23 Set. 11 / 01:09 pm (ACI/EWTN)

O Presidente da Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos, Dom Timothy Dolan, exigiu ao Presidente Barack Obama e à sua administração que deixem de atacar a lei que protege o verdadeiro matrimônio entre homem e mulher, assim como a liberdade religiosa daqueles que o apóiam.

Dom Timothy Dolan, Arcebispo de Nova York e Presidente da Conferencia Episcopal Americana

Em uma carta divulgada pelo site do Episcopado norte-americano no dia 20 de setembro, o também Arcebispo de Nova Iorque solicitou ao presidente Obama que cesse o ataque contra a chamada lei DOMA (Defense of Marriage Act).

Esta lei protege os estados aonde as uniões homossexuais não são legais para que, de acordo com a lei, não tenham que reconhecer estas uniões quando provêm de estados onde estas estão permitidas.

O Arcebispo explicou na missiva que com o constante ataque de Obama, poderia “precipitar um conflito nacional entre a Igreja e o Estado de enormes proporções e em detrimento de ambas as instituições”.

O Prelado considera, além disso, que ante a perseguição da administração Obama contra o autêntico matrimônio, os católicos e suas instituições poderiam ver-se ameaçados por processos legais por suposta “discriminação por orientação sexual” em seus esforços por servir o bem comum em diversas áreas como o emprego, a educação e os serviços de adoção.

Dom Dolan deixou claro e para evitar mal-entendidos, que “toda pessoa tem uma dignidade imensurável e todos os indivíduos têm igual valor, incluindo aqueles com atração para o mesmo sexo” por isso rechaçou qualquer atitude de “ódio ou trato injusto contra qualquer um”.

Entre as ações da Administração contra esta lei está a posição do Departamento de Justiça que recentemente anunciou que não defenderia a norma nas cortes, já que isto constituiria em sua opinião uma forma de “discriminação por orientação sexual”.

Do mesmo modo, as agências federais emitiram vários informes nos quais assinalam que a lei DOMA é uma “forma de heterossexismo”, o que seria uma espécie de discriminação, que quer recordar o racismo, com o qual se busca gerar seu rechaço a priori.

Junto com a carta, os bispos enviaram a Obama uma análise na qual assinalam que “de acordo à perspectiva do governo, apoiar a definição do matrimônio que reconhece as diferenças sexuais como um valor fundamental constituiria agora uma tentativa proibida de danificar uma determinada classe de pessoas vulneráveis”.

Os Bispos recordam finalmente que a maioria de estados nos Estados Unidos apóia a lei DOMA e recordaram ao Presidente Obama que ele mesmo apóia que um pequeno tenha pai e mãe, como disse nas celebrações pelo Dia das Mães e dos Pais.

Naquelas oportunidades o mandatário reconheceu “a extraordinária importância das mães em nossas vidas” e alertou que “a ausência do pai é sentida pelas crianças, pelas famílias e pelas comunidades de maneiras incontáveis, deixando um vazio que pode ter efeitos duradouros”.

TAGS

Publicações relacionadas

Notícias e Atualidades: Bispo argentino critica duramente ministro pró-aborto

Notícias e Atualidades: 50 bebês sobrevivem ao aborto na Inglaterra anualmente

Notícias e Atualidades: Padre Lodi: Carta a um juiz

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais