Montfort Associação Cultural

21 de janeiro de 2005

Download PDF

Condenação de Boff e da Teologia da Libertação

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Breno Cunha Leite
  • Idade: 24
  • Localizaçao: São Paulo – SP – Brasil
  • Escolaridade: 2.o grau concluído
  • Religião: Católica

Gostaria de conhecer maiores detalhes deste movimento Social-religioso, inspirado nos escritos de Leonardo Boff, e tão difundido entre as igrejas da América Latina.
Existe algum documento oficial que condene este movimento pela igreja?

Prezado Breno,
salve Maria.

A Teologia da Libertação foi condenada pelo Vaticano depois da polêmica sobre as obras do agora ex frei Leonardo Boff. Este havia escrito uma série de livros que foram criticados pela Congregação da Doutrina da Fé. Um dos livros que causou maior oposição no Vaticano foi o intitulado “Igreja, Carisma e Poder” (Vozes, Petrópolis, 1981), embora muitos outros livros de Boff tivessem já causado grande escândalo.

Boff contou que desde 1972 esteve sob vigilância e exame do Vaticano. Em 1984, o livro “Igreja Carisma e Poder” desencadeou um processo no Vaticano, contra ele. As discussões entre o Vaticano e Leonardo Boff prosseguiram com alternativas variadas, por alguns anos.

Em março de 1984 saiu na revista “30 Giorni” o texto do Cardeal Ratzinger condenando as teses de Frei Boff (esse texto foi publicado também pela Folha de São Paulo em 24-de março de 1984).

Boff foi convocado oficialmente para ir à Congregação para a Doutrina da Fé, a fim de explicar-se. Os cardeais Arns e Aloisio Lorscheider acompanharam o frade rebelde ao Vaticano para defendê-lo, o que foi um ato inédito de apoio a um suspeito de defender doutrinas heréticas. Boff contou em uma entrevista à revista Caros Amigos (junho de 1997) que Dom Arns teria enfrentado o cardeal Ratzinger, dizendo que não acatava a condenação de Boff.

Inicialmente, o Vaticano condenou o frade a um “silêncio obsequioso”, proibindo que ele desse entrevistas, fizesse conferênicas, publicasse livros,etc. Depois, este silêncio foi suspenso. Mas, afinal, Frei Boff teve seus erros condenados pelo Vaticano.

Em março de 1991, por imposição do Vaticano, Boff teve que deixar a direção da revista Vozes. Em setembro desse mesmo ano de 1991, Boff deu entrevista anunciando que “desistia”…

Frei Boff pediu ao Papa dispensa de seus votos, abandonou a batina de frade e a vida religiosa. Deixou de ser Frei Leonardo Boff. Tornou-se apenas Genésio.

Foi depois disso que Boff anunciou que, havia muitos anos, mantinha “um caso” com uma mulher casada, mãe de seis filhos, que fora sua secretária durante anos… Mas ela mesma esclareceu que o marido dela sabia disso desde o princípio. Em outra entrevista Boff declarou que mantinha com ela uma união “pós moderna”, cada um vivendo em um local, e que ela o visitava algumas vezes, toda semana.

Atualmente, o ex frade aderiu a um pensamento “ecológico” fortemente tisnado de Gnose. Perdeu grande parte de sua influência e importância.

Para maiores esclarecimentos, recomendo-lhe que leia a entrevista de Genésio Boff à revista “Caros Amigos” em junho de 1997.. É uma entrevista para lá de escandalosa.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli.

TAGS

Publicações relacionadas

Artigos Montfort: Derrota com Honra - Orlando Fedeli

Artigos Montfort: Embriões humanos e embriões de tartarugas marinhas, dois pesos e duas medidas - Marcelo Fedeli

Cartas: Dança do ventre e outras aberrações na paróquia - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais