Montfort Associação Cultural

1 de dezembro de 2011

Download PDF

Concílio Vaticano II: Como lidar com ele?

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Lucas Ferreira Braga
  • Localizaçao: Diamantina – MG – Brasil
  • Escolaridade: 2.o grau em andamento
  • Religião: Católica

Advéniat Regnum Tuum!

Estimado Prof. Orlando Fedeli.
Bom, antes de tudo, desejo manifestar minha grtidão pelo amor que manifesta pela Igreja, e sua adesão infalivel à Doutrina Católica.
Pois bem, caro Professor, não poucas vezes pude perceber nesse espaço na internet, que o Sr. apesar de todo amor que manifesta pela Igreja, não “vê com bons olhos o Concilio Vaticano II”.
Professor, o Sr. tem esperança que o Concilio seja revisto? Independente da resposta, o Sr. não teme uma divisão na Igreja pelas interpretações diversas nascidas do concilio? O cardeal Ratzinger, à frente da Congrefação para a Doutrina da Fé, manifestava com tristeza, “a má interpretação do concilio”. Recentemente, por ocasião do aniversário de Paulo VI, ele reinterou isso, e afirmou que “em um periodo dificil do Concilio-sua adaptação- o Papa Paulo vi sofreu muito, em esforços quase sobre-humanos”.
Prof., sou fiel à Igreja, e vejo não com pouca tristeza, que o Concilio, têm sido motivo de divisão não só em toda catolicidade, mas mesmo em pequenos grupos de discussão da Doutrina. Essa discussão chegou até as pessoas mais jovens… provando assim, que é um assunto “inflamado”, na Igreja.
O Caráter “pastoral” do concilio foi mal interpretado. Dessa má interpretação, nasceram os grupos que se voltaram contra a própria Igreja, e ainda, os abusos, sobretudo na Liturgia. Mas em tudo isso, não imagino que a culpa possa ser do Concilio. As “bases” da Igreja não compreenderam-no.

Professor, o Sr, não se preocupa com essa corrente subterrânea, que aos poucos parece dividir o que deveria ser “um só coração e uma só alma”?
Eu, sou testemunha da vida Evangélica que pode nascer da coerente reflexão do concilio, e para isso ele foi feito. Reflexão orientada, evidentemente, pelo Magistério. Desejo contudo, manifestar ao Sr. que a Liturgia anterior ao Concilio é muito querida por mim, aliás nosso Arcebispo Emérito a celebrou por diversas vezes, e nos ensinou a amá-la(eu tenho inclusive no computador o Missal anterior à reforma na integra em forma de E-book, além de rezar trechos da Liturgia das Horas em Latim), o Motu próprio de Bento XVI, vem inclusive confirmar a unidade que há entre elas, não se tornando “liturgias”, mas “liturgia”. Os abusos, não foram propostas do concilio, nasceram com os que se dedicam mais às causas humanas que as Divinas, mas em que o Concilio contribui pra isso?
Pois é, gostaria de ouvi-lo a rspeito desse “medo de divisão”, que vejo nascer. Sou a favor do concilio, e não desejo estender uma discussão a respeito, porque sabemos que ao passo que a discussão avança, a verdade recua. Só desejo saber isso: como devo me comportar diante dos diversos grupos que interpretam de maneiras diversas o concilio? Não podemos tirar unidade dessa diversidade?

Desde já, obrigado, por favor, reze por mim, a fim de que a verdade do Crito me conduza.

Lucas FB

Data 05.09.2008

Muito prezado Lucas,
Salve Maria.     
 

     Obrigado por suas palavras reconhecendo o bem que buscamos realizar no site Montfort.

     Você me pergunta:  

o Sr. não teme uma divisão na Igreja pelas interpretações diversas nascidas do concilio?”"

     Meu caro, essa divisão causada pelo Concílio Vaticano II já existe. E escancarada. É ela que faz com que muitos Bispos, no mundo inteiro, estejam se opondo ao Papa Bento XVI. O Cardeal Martini tem feito declarações brutalmente heterodoxas e contrárias ao papa.
     Por causa do Vaticano II, o Papa João paulo II dizia que havia na Igreja um cisma silencioso… Hoje esse cisma é clamoroso. Fala-se em rebelião aberta contra o Papa Bento XVI.
     Agora, se anuncia que o Papa vai determiner mudanças na Mssa nova. Ela seria celebrada em latim e de costas para o povo. Caso o Papa faça esse decreto, é de temer que exploda uma rebelião geral contra o Papa. Porque esses bispos se recusam a acatar o que o Papa manda.
     Veja a contradição que você diz:  

O Caráter “pastoral” do concilio foi mal interpretado. Dessa má interpretação, nasceram os grupos que se voltaram contra a própria Igreja, e ainda, os abusos, sobretudo na Liturgia. Mas em tudo isso, não imagino que a culpa possa ser do Concilio”

     O que quer dizer “pastoral”? 
     O Padre Laurentin (favorável ao Concilio) vê nessa palavra “pastoral” o cavalo de Tróia que permitiu tanta confusão e que muitos erros entrassem na Igreja.
     O Concílio – por ser ambíguo – causou tanta bagunça e tantos erros.
     Foi o Concílio Vaticano II, por aceitar a filosofia moderna que causou a divisão na Igreja. Hoje, não há duas paróquias que tenham a mesma Missa. Foi a Nova Missa que permitiu a criatividade do celebarnte e daí a confusão.
     Não é possivel tirar a unidade da contradição.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli 

TAGS

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais