Montfort Associação Cultural

27 de janeiro de 2010

Download PDF

Como fazer apostolado com nossos próximos?

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Cynthia
  • Localizaçao: Brasília – DF – Brasil
  • Escolaridade: Superior concluído
  • Religião: Católica
Prezado Professor Orlando,

Estou enviando a mesma carta após 3 anos esperando com esperança uma resposta.


Faz pouco tempo, no máximo um mês, que tive a enorme graça de conhecer este site por recomendação de um padre. Eu queria e quero me aprofundar na fé, pois acho demasiadamente triste não ter conhecimento e argumento para defendê-la. E eis aquilo que pude constatar: que nos meus 33 anos de idade não tinha passado ainda do jardim de infância da minha fé. Quanta alienação e falta de amor para com Deus da minha parte. Mas Deus com Sua Infinita Misericórdia quis e ainda quer me instruir e perdoar minha tão grande ignorância em relação a Verdade revelada por Ele.
Quando eu comecei a ler as cartas que as pessoas escrevem com tanta gratidão ou ódio, me fez lembrar da passagem que diz que onde estiver seu tesouro, aí estará o seu coração. E também li os textos sobre o Evolucionismo, Revolução Francesa, Inquisição e sobre a desigualdade
 e foi como se estivesse entrado verdadeiramente no mundo real. Parece loucura, mas não é. Os valores mudam, aquilo que me preocupava tanto passou a ser supérfluo e secundário, pois, na medida que conhecemos mais a Deus, mais fácil é confiar tudo a Ele, e amá-lo é o nosso deleite. Mas foi justamente por conhecer mais é que comecei a sentir uma aflição que ainda não cessou.
O senhor defende a fé de forma louvável e correta e por ser um modo bem radical, as passagens sobre conhecer a árvore pelo fruto, separar o joio do trigo e de não querer o sacrifício e sim a misericórdia vieram em minha mente, e mesmo assim não encontrei conforto. E confesso que já quis escrever outras vezes, mas, por não encontrar a clareza no meu próprio raciocínio, quis esperar mais.
Não sei se encontrei a clareza, mas resolvi escrever logo, pois esta aflição não diminui. Eu queria entender como é evangelizar para pessoas que amo muito, e quero que se convertam e estejam perto de Deus na vida eterna, se elas não são católicas, são extremamente radicais e cegas em suas posições? Suponhamos que eu seja radical ao ponto de “ridicularizá-las” em suas posições e ser veemente na minha em um bate-papo ou discussão (quero deixar claro que elas não questionam minha fé, pois, se este é o caso, falo o que penso sem titubear). Sei que não terei 90% dos amigos e minha mãe perto de mim. É muita omissão e egoísmo de minha parte querer tê-los do meu lado? Eu sou igual a um fariseu hipócrita que quer amar a Deus acima de tudo, mas na hora da prática (no meu caso), não consegue se separar daquelas pessoas que quer bem? MAS EU QUERO AMÁ-LO ACIMA DE TUDO SIM! Então, gostaria de saber se posso orar pela conversão delas, sempre quando eu for questionada a respeito da minha fé deixar a minha posição clara, e oferecer também jejum, sacrifícios e penitências em favor delas? Ou não é o suficiente…Eu quero agir corretamente e pedir a Deus forças para isso.
Por fim, comecei a ler o livro “Diário” A Misericórdia Divina na minha alma de Santa M. Faustina Kowalska esta semana e gostaria de compartilhar 3 mensagens (dentro de diálogos) que Jesus deixou a esta Santa. ” Minha filha, fala aos sacerdotes dessa Minha insondável misericórdia. Queimam-Me as chamas da misericórdia, quero derramá-las sobre as almas, e as almas não querem acreditar na Minha bondade.” (p.83)
Outro trecho:
Lembro-te, Minha filha, que todas as vezes que ouvires o bater do relógio, às três horas da tarde, deves mergulhar toda na Minha misericórdia, adorando-A e glorificando-A. Implora a onipotência dela em favor do Mundo inteiro e especialmente dos pobres pecadores, porque nesse momento foi largamente aberta para toda a alma. Nessa hora, conseguirás tudo para ti e para os outros. Nessa hora realizou-se a graça para todo o Mundo: a misericórdia venceu a justiça. Minha filha, procura rezar, nessa hora, a Via-sacra, na medida em que te permitirem os teus deveres, e se não puderes fazer a Via-sacra, entra, ao menos por um momento na capela e adora o Meu coração, que está cheio de misericórdia no Santíssimo Sacramento. Se não puderes sequer ir à capela, recolhe-te em oração onde estiveres, ainda que seja por um breve momento. Exijo honra à Minha misericórdia de toda criatura, mas de ti em primeiro lugar, porque te dei a conhecer mais profundamente esse mistério.” (p.400)
Diz que a Misericórdia é o maior atributo de Deus.” (p.111)

Obrigada pela atenção!
Que Deus possa continuar sendo glorificado por meio deste site.
Amém.

Muito prezada Cynthia,
Salve Maria.
 
     Se não respondi sua carta antes é porque não a recebi. Há muitas cartas esperando resposta minha.
     Hoje sua carta me chegou ao monitor, e me apresso a lhe responder com prazer. Com prazer, sim, pois que você manifesta tanta estima por nosso site e tanto zelo em aprender e em defender a Fé. 
 
     Quando eu for a Brasília dar palestras, gostaria de tê-la entre meus ouvintes. E se quiser levar algum amigo ou parente, esteja à vontade.                
 
     Claro que você deve sempre rezar pela conversão de seus parentes e amigos. Isso é o que manda a caridade. 
     Nem sempre devemos discutir com nossos pais, pois não temos autoridade sobre eles, que nos vêem sempre como crianças, das quais conhecem os defeitos e não admitem ensinamento.
     Ainda hoje recebi uma carta de um rapaz que tinha esse problema com o pai. Aconselhei que ele não discutisse e desse ao pai a medalha milagrosa. E, depois de três anos, o pai, antes de morrer, se confessou e pediu perdão ao filho por ter atacado durante muito tempo a Igreja. Recebeu a extrema unção contrito, o que faz supor sua salvação. Veja como a misericórdia de Deus é imensa.
     Misericórdia nos manda discutir com aqueles que podemos fazer bem. Por isso, Jesus, Deus de Misericórdia infinita, passou três anos discutindo continuamente com os fariseus. E discutia violentamente. A misericórdia de Jesus chegou a usar o chicote. Porque cantou Nossa Senhora no Magnificat que a misericórdia de Deus é para aqueles que O temem.
     Nem sempre devemos usar o chicote ou a ironia. Muitas vezes temos que usar a paciência e a argumentação suave. Outros exigem de nós a verdade fustigante. Como escolher o melhor meio?
     Reze a Nossa Senhora que a guie. Vise sempre não a sua vitória mas a salvação das almas que disputa com o diabo. E Deus abençoará seu apostolado mesmo que cometa sem querer algum erro. Procure sempre fazer o bem, mesmo quando repreende asperamente como manda São Paulo a Tito (cap. I, 13).
     Escreva-me sempre que a atenderei com alegria.
     Vou pedir aos amigos da Montfort de Brasilia que a procurem para convidá-la para as reuniões que eles têm e as que eu der.
     Despeço-me de você como de uma nova amiga.
 
In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Imagem de Cristo na cruz - Orlando Fedeli

Cartas: Igreja, comunidade, assembléia - Orlando Fedeli

Cartas: Igreja Romana x Igreja Ortodoxa - Marcelo Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais