Montfort Associação Cultural

25 de novembro de 2004

Download PDF

Che Guevara e seu regime de crueldade

Autor: Marcelo Andrade

  • Consulente: Danilo
  • Idade: 22
  • Localizaçao: – Brasil
  • Escolaridade: Superior incompleto

prezado colega , acabo de ler seus comentarios sobre o revolucionario che, e fico abismado como pessoas de um nivel intelectual ate elevado, como o senhor parece ter, possa ainda acreditar que comunista come criancinha. o regime pelo qual guevara lutou a vida toda era justamente para acabar com atrocidades descritas no seu texto e, o uso da força foi realmente necessario para combater a contra-revoluçao, bancada pelos ianques, ianques estes que tambem usufruiram de força para atigir seus objetivos de unidade nacional na guerra de secessao.concordo com o senhor quando diz que o socialismo implantado no mudo nao foi o ideal, e para seu conhecimento foi um dos motivos que levou che a deixa uma vida confortavel com sua familia em cuba, e ir fazer a verdadeira revoluçao social em outros cantos,ja que fidel se mostrou muito pragmatico com a urss.sugiro ao senhor entao que, procure se informar um pouco mais sobre a verdadeira ideologia guevariana antes de difa-lo, comparado-o!
 a um louco como hitler.espero, no ter feito o senhor mudado de ideia, ja que neste espaço seria inviavel,mas pelo menos dispertado um interesse pela vida dessa grande figura desse seculo.
“ha que endurece, mas perder a ternura jamais”(ernesto guevara de la serna)

Prezado Danilo,

Inicialmente peço desculpas pelo atraso na resposta.

Che Guevara, o terrorista, não saiu de Cuba porque não gostasse do socialismo soviético, mas porque se desentendeu com Fidel.

O ditador cubano nunca suportou nenhum tipo de oposição. Qualquer um que levantasse a voz contra ele era morto, preso ou expulso da ilha prisão.

Che, igualmente intolerante e ditador, não aceitou ser submetido ao comandante e assim partiu para suas operações terroristas na África e depois na Bolívia. Nas quais felizmente não logrou êxito.

Che Guevara era totalmente filo-soviético, adorava os assassinos Lenin e Stalin, admirava os países totalitários da cortina de ferro e ficou admirado quando visitou a União Soviética.

Certa vez disse: “Cuba devia seguir o exemplo de desenvolvimento pacífico mostrado pela URSS”.

O regime pelo qual Che lutou toda sua vida foi o regime mais criminoso da história, rival do nazismo em crueldades, responsável pela morte de mais de 100 milhões de pessoas. Foi o regime que promoveu o gulag, a fome premeditada, os expurgos políticos, a irracionalidade do partido único, a perseguição religiosa, os assassinatos em série, os julgamentos forjados, as migrações forçadas, o “paredón”.

O termo “contra-revolucionário”, para os socialistas, significa todo aquele que discorde do programa do partido único. Desta forma, todos os massacres contra a população feitos por Lenin, Stalin, Mao, Pol Pot, Kim Il Sung etc. tiveram a justificativa de combater os “contra-revolucionários”. É lógico que os criminosos Fidel e Che aprenderam rápido o programa comunista e puderam implantar em Cuba o “paredón”, os campos de trabalho forçado, as perseguições políticas, sempre tendo como justificativa combater os “contra-revolucionários”.

O termo “comunista come criancinha” deriva da grande fome ocorrida na URSS, em decorrência da implantação do socialismo, na qual boa parte da população para não morrer era obrigada, em estado de necessidade, comer cadáveres, de crianças inclusive.

Por favor leia a resposta que dei a uma pessoa com as mesmas dúvidas que você tem em  http://www.montfort.org.br/perguntas/cheguevara.html . Lá poderá encontrar mais informações.

Atenciosamente,
Marcelo Andrade

TAGS

Publicações relacionadas

Eventos: Congresso Montfort 2015: A Igreja contra a Heresia

Cartas: ´Ide, malditos, para a Cuba eterna` - Orlando Fedeli

Cartas: Chê Guevara humanista? - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais