Montfort Associação Cultural

26 de janeiro de 2005

Download PDF

Bíblia e Tradição

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Eduardo
  • Localizaçao: – Brasil

Antes de tudo, eu sei que dificilmente o sr. irá sequer responder à essa mensagem, quanto mais publicá-la, mas vamos lá.

O sr. tem defendido com unhas e dentes que a tradição é fonte de revelação divina. Sendo assim porque Jesus teria dito o que Ele disse abaixo, em Mateus 15. Será que naquele seu estudo “Leia a Bíblia” não podemos identificar esses “fariseus e escribas” de quem o Senhor Jesus falou?

Veja bem o que Ele, o Rei dos Reis e Senhor dos Senhores perguntou: “E vós, por que transgredis o mandamento de Deus por causa da vossa tradição?”. Será que poderia então uma tradição ter maior validade do que a Palavra?”

Por um acaso não teria defendido o sr. que o “ouvir” é mais importante? Sendo assim alguém teria que falar não é verdade? Mas o que Deus nos revela sobre o que sai da boca? Vejamos:

“Mas o que sai da boca procede do coração; e é isso o que contamina o homem. Porque do coração procedem os maus pensamentos, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias.”

Sendo assim como poderia algo saído da boca de um homem ter validade como revelação de Deus?

Veja bem, tudo o que foi escrito aqui está comprovadamente baseado na Palavra de Deus, conforme segue abaixo.

Mateus Capítulo : 15

1 Então chegaram a Jesus uns fariseus e escribas vindos de Jerusalém, e lhe perguntaram:

2 Por que transgridem os teus discípulos a tradição dos anciãos? pois não lavam as mãos, quando comem.

3 Ele, porém, respondendo, disse-lhes: E vós, por que transgredis o mandamento de Deus por causa da vossa tradição?

4 Pois Deus ordenou: Honra a teu pai e a tua mãe; e, Quem maldisser a seu pai ou a sua mãe, certamente morrerá.

5 Mas vós dizeis: Qualquer que disser a seu pai ou a sua mãe: O que poderias aproveitar de mim é oferta ao Senhor; esse de modo algum terá de honrar a seu pai.

6 E assim por causa da vossa tradição invalidastes a palavra de Deus.

7 Hipócritas! bem profetizou Isaías a vosso respeito, dizendo:

8 Este povo honra-me com os lábios; o seu coração, porém, está longe de mim.

9 Mas em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homem.

10 E, clamando a si a multidão, disse-lhes: Ouvi, e entendei:

11 Não é o que entra pela boca que contamina o homem; mas o que sai da boca, isso é o que o contamina.

12 Então os discípulos, aproximando-se dele, perguntaram-lhe: Sabes que os fariseus, ouvindo essas palavras, se escandalizaram?

13 Respondeu-lhes ele: Toda planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada.

14 Deixai-os; são guias cegos; ora, se um cego guiar outro cego, ambos cairão no barranco.

15 E Pedro, tomando a palavra, disse-lhe: Explica-nos essa parábola.

16 Respondeu Jesus: Estai vós também ainda sem entender?

17 Não compreendeis que tudo o que entra pela boca desce pelo ventre, e é lançado fora?

18 Mas o que sai da boca procede do coração; e é isso o que contamina o homem.

19 Porque do coração procedem os maus pensamentos, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias.

20 São estas as coisas que contaminam o homem; mas o comer sem lavar as mãos, isso não o contamina.

21 Ora, partindo Jesus dali, retirou-se para as regiões de Tiro e Sidom.

Prezado  Eduardo,
Salve Maria.

Antes de tudo, saiba que não temos medo algum de publicar suas objeções e argumentos. Você pensa que eles nos assustariam, porque os considera irrefutáveis. Quanta ilusão! E que confusão você faz!

A começar pela palavra tradição. Tradição pode ter vários sentidos. Entre o que ensinou Jesus no Evangelho e o que ensinou São Paulo em suas Epístolas não pode haver contradição. Cristo condenou a tradição dos fariseus, com as palavras que você cita. É bem verdade. Mas é verdade também que São Paulo mandou “Guardai as tradições que aprendestes, ou por nossas palavras, ou por nossa carta” (II Thess. II, 14).

Portanto, havia uma tradição boa que não era a que Cristo condenara. Então, meu caro, onde fica sua condenação de toda tradição? Você só poderá condenar a Tradição se condenar o que escreveu São Paulo na Bíblia!!! Na Bíblia, que você diz respeitar, mas que todo protestante desrespeita, pois que só aceita alguns versículos dela, e recusa outros que não lhes convêm. Diga-me, ó valente e anti tradicional protestante, qual é a tradição que São Paulo recomenda guardar e que você guarda?

Ou você não guarda nenhuma tradição? Então como é que você diz que aceita só a Bíblia, quando você não faz o que a Escritura manda, na II Epístola aos Tessalonicenses? A tradição que Cristo condena nos fariseus não era a Tradição verdadeira, e sim uma falsa tradição. Cristo não poderia ter condenado a tradição verdadeira, porque, senão, a própria Bíblia estaria condenada. Pois como se conheciam quais eram os livros revelados por Deus, e que, pouco a pouco, no decorrer dos séculos, constituiram a Escritura Sagrada, senão pela tradição? A tradição que Cristo condenou foi outra.

Cristo condenou a tradição farisaica, elaborada secretamente (como mostra o capítulo VIII de Ezequiel), e que afirmava que os Mandamentos deveriam ser invertidos. Por isto Jesus disse no sermão da Montanha: “Não julgueis que Eu vim abolir a Lei” (Mt, V, 17). E, logo depois, Cristo condenou os que “ensinavam” a violar os mandamentos (Cfr. Mt V, 19). Pois então já havia entre os fariseus do tempo de Cristo quem esperava que o Messias iria abolir a Lei, e que era lícito violar os mandamentos, coisa que será ensinada explicitamente pela Cabala, no futuro. É a esta tradição gnóstica dos fariseus que se referem as palavras de Cristo que você cita.

De fato, essa tradição farisaica — tradição falsa — é que vai culminar na elaboração da Cabala, palavra que significa exatamente tradição, e que afirmaria a santidade do pecado. Conforme a Cabala, o mal teria origem na própria divindade oculta. Dizia ainda essa falsa tradição que o criador do mundo — que na Escritura aparece com o nome de Yahwé — seria o deus do mal. Este deus mau é que teria dado a Lei a Moisés.

Este ensinamento cabalístico e gnóstico é que transpareceu no pensamento de Lutero, quando o fundador do Protestantismo escreveu: “Moisés é um homem péssimo, servo do Deus do mal”. (Lutero Tischredden — “Conversas à Mesa” , n* apud Franz Funck Brentano, Martinho Lutero, ed. p. ) Ou ainda: “Todos os mandamentos devem ser abolidos. São mandamentos de Satanás” (Lutero Tischredden, — Conversas à Mesa, apud F. F. Brentano, op cit. p. ).

Se você quiser mais algumas afirmações de Lutero contra toda a moral, veja mais estas:

“A lei não pode dar senão a morte. Ela não é boa nem útil, mas simplesmente nociva. No seu fundo, ela não é senão morte e veneno” (Dictionnaire de Théologie Catholique, “Luther”, p. 1242).

“Quanto a Moisés, tende-o por suspeito, como o pior dos heréticos, um homem excomungado e danado, que é pior ainda que o próprio diabo; é o inimigo do Senhor Jesus Cristo” (Rohrbacher, Histoire Universelle de l”Église Catholique, tome XII, 4eme ed, Gaume Freres et J. Duprey Ed., Paris, 1866, pag. 147).

“Não aceitamos Moisés, ele só é bom para os judeus; não nos foi enviado por Deus” (Propos de Table no. 356, Funk Brentano, Lutero, pág. 190).

 ”Se te falam de Moisés para te constranger a aceitar-lhe os mandamentos, responde-lhes atrevidamente: Vai falar de teu Moisés aos judeus! Não sou judeu, deixe-me em paz!” (F.Brentano, pág. 190).

Daí Lutero recomendar o pecado em seu princípio fundamental: “Crê firmemente, e peca muitas vezes”. Quando se nega a Tradição Apostólica — ordenada por São Paulo — se acaba caindo na tradição gnóstica e farisaica. É o que se conclui de suas objeções. A Tradição e a Sagrada Escritura são as duas fontes da Revelação cuja guarda Jesus Cristo confiou à Igreja, e deu somente a Pedro e aos seus sucessores — os Papas — o poder de interpretar.

Orlando Fedeli

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Sobre Chico Xavier - Orlando Fedeli

Cartas: Jovem fiel ao Concílio de Trento - Orlando Fedeli

Cartas: Seminarista fica perplexo com a profanação em Fátima - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais