Montfort Associação Cultural

25 de novembro de 2004

Download PDF

Ateísmo mostra seu ódio contra a Igreja

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Luiz Fernando Fabris
  • Localizaçao: São Paulo – SP – Brasil
  • Religião: Ateu

Prezados Senhores,

Li “ad nauseam” a maioria do conteúdo de vosso site.

Ao fazê-lo, constatei como o gênero humano pouco evoluiu filosoficamente, em milênios de existência.

Não creio que este seja o forum adequado para discussão de temas polêmicos, tais como a existência da divindade, coisa em que eu, pessoalmente, não acredito

Por outro lado, o site contém uma interessante resenha de tópicos que, por séculos, são a causa da intolerância do homem para com seu semelhante.

Como pode um site dito religioso fazer apologia da pena de morte, da inquisição, da inferioridade das mulheres, da infalibilidade papal (como se Galileu não houvesse existido) e outros temas de igual jaez, que já deveriam ter sido banidos ou superados em uma sociedade sadia e evoluída.

Causa-me espanto, também, que um professor de história “esqueça-se” de mencionar os milhões de mortos das cruzadas e da inquisição.

A igreja católica, mais do que outras instituições, tem as mãos profundamente manchadas com o sangue de inocentes, cujo único crime foi discordar da posição oficial.

A igreja católica adora mencionar seus mártires, mas, propositalmente, esquece-se de mencionar suas vítimas.

Luiz Fernando Fabris

PS.: Não acredito que vocês tenham coragem de publicar este mail. A covardia moral sempre foi uma característica da igreja.

“Ilustre”, intolerante e contraditório ateu, sr. Luis Fernando Fabris.
Salve Maria, a mulher que é a maior glória da humanidade.

Apressei-me em lhe responder, passando sua carta adiante de outras. Fiz isso porque sua carta é … “saborosa”…

O senhor me desafia a publicar sua missiva, dizendo-me:
“Não acredito que vocês tenham coragem de publicar este mail. A covardia moral sempre foi uma característica da igreja.”

Pois faço questão de publicar o que o senhor nos escreve. E, publicando sua missiva, esse seu último desafio já cai no ridículo.
Quem é que o senhor pensava ser covarde, seu Fabris?

Agora, passemos a analisar suas acusações.

O senhor me assegura que leu a maioria dos textos de nosso site “ad nauseam”.
Fico contente por ter-lhe causado náuseas. Preocupar-me-ia se eles tivessem agradado uma pessoa atéia e tão tolerante quanto o senhor se revela. Pois fique sabendo que escrevo para agradar a Deus e causar ódio em seus inimigos.
Causar-lhes raiva e náusea.
Sua queixa me demonstra que atingi meu objetivo.

O senhor se espanta que haja pessoas católicas como meus amigos da Montfort e eu mesmo.
Pois saiba que pessoas católicas assim, sempre existirão, porque a Igreja Católica é indestrutível, e ela sempre gera novos filhos.
Como, aliás, sempre existirão pessoas atéias como o senhor que, em nome da tolerância, são extremamente intolerantes contra o verdadeiro catolicismo. Em nome da tolerância, o senhor, se pudesse, nos faria ir para a arena, para a guilhotina, ou, mais modernamente, para o “paredón” cubano…

A intolerância é uma característica essencial de todos os tolerantes.
E essa é uma primeira contradição sua.
Chamei-o de contraditório, sim. E é facil de dar-lhe novas provas disso.

Todo ateu é contraditóorio. Mas, um ateu furioso cai ainda mais facilmente em contradição.
Quer que lhe prove?
Pois vá lá.

O senhor começa sua “tolerante” missiva, dizendo que: “… constatei como o gênero humano pouco evoluiu filosoficamente, em milênios de existência.”

E com isso me lança, com todo o gênero humano, filosoficamente pelo menos, ao tempo dos trogloditas.

Mas, poucas linhas depois, o senhor contraditoriamente se espanta de que temas como os que defendo sejam publicados, pois que eles “já deveriam ter sido banidos ou superados em uma sociedade sadia e evoluída.”

Portanto, o senhor supõe que nossa sociedade seja “sadia e evoluída”. Como então afirmou que o gênero humano pouco evoluiu filosoficamente?
E esta é sua segunda contradição.

Para o senhor, uma sociedade “sadia e evcoluída”, não deveria tolerar, mas deveria banir “os temas” que defendo.

Confesse, ó atualizado Robespierre: não são os temas que o senhor quer banir. O senhor quer é banir quem, nesses temas, defenda a Igreja Católica.

E onde ficou a tolerância em sua sociedade sadia e evoluída, ó candidato a tirano?

O senhor, se pudesse, instalaria uma Inquisição — no estilo em que o senhor pensa que a Inquisição teve, e não como ela realmente foi — para impor o ateísmo.

E o senhor me dá a lista dos temas que desejaria banir:

“Como pode um site dito religioso fazer apologia da pena de morte, inquisição, da inferioridade das mulheres, da infalibilidade papal (como se Galileu não houvesse existido) e outros temas de igual jaez, que já deveriam ter sido banidos ou superados em uma sociedade sadia e evoluída.”

Pois um site que expõe o que pensa de modo católico tem que defender a pena de morte que foi defendida pelos santos, pela filosofia tomista, e pelo próprio Cristo. O senhor deve ter lido as citações comprovantes do que afirmo, pois eu as escrevi ad nauseam.

E a Inquisição só é atacada de modo tão grosseiro por pessoas que, como o senhor, desconhecem a sua história, pois o senhor chega ao absurdo de dizer que foram milhões os mortos pela Inquisição e pelas Cruzadas.

E se atreve a dizer:
“Causa-me espanto, também, que um professor de história “esqueça-se” de mencionar os milhões de mortos das cruzadas e da inquisição.”

Quem lhe forneceu essa estatística, ó preclaro historiador?
De onde o senhor tirou esses milhões de mortos?
O senhor os tirou de sua imaginação e de seu ódio.

E quem disse que a mulher é inferior ao homem? Onde o senhor leu isso em nosos site?
O que dissemos é que a mulher é essencialmente igual ao homem, e que tem os mesmo direitos essenciais e naturais que o homem.
O que não significa defender o feminismo que propugna uma igualdade acidental do homem e da mulher, que vai contra a evidência.

Finalmente, o senhor vem carregando o “espantalho” Galileu, pensando me assustar com ele.
Pois não me assusto nem um pouco.
Pelo visto o senhor deve estar saturado dos slogans que a mídia repete — ad nauseam — sobre o caso Galileu. Vai ver que pensas que Galileu foi queimado vivo pela Inquisição, como muitos ignorantes acreditam.
Pois saiba que ele morreu na cama.

Recomendo-lhe que leia o livro “Galileu Herético”, de Pietro Redondi, sobre o caso Galileu, cujo nó central foi uma questão metafísica e não astronômica.

E que tem a ver o caso Galileu com a Infalibilidade Papal?
O Papa é infalível sim, quando fala “ex cathedra” — já expliquei o que é ex cahedra no site, se o senhor ainda não aprendeu, explico-lhe de novo — e, no caso Galileu, nunca houve um pronunciamento papal “ex cathedra”.

Pois está aí, ó valente e destemido ateu, sau carta publicada e refutada. É uma primeira lição. Se quiser mais, escreva-me, ó valente Fabris, que o ajudarei na medida de minhas forças.

In Corde Jesu, semper,

Orlando Fedeli.

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: 100 mil padres abandonaram o celibato - Orlando Fedeli

Notícias e Atualidades: Bento XVI: “A fé de poucos pode incendiar o mundo”

Cartas: Professor Teólogo se revela um herege modernista - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais