Montfort Associação Cultural

9 de maio de 2013

Download PDF

Ascensão de Nosso Senhor Jesus Cristo: liturgia e comentário

Fonte: Missa Tridentina na Paróquia São Sebastião, Campo Grande

ASCENSÃO DE NOSSO SENHOR

1ª Classe – Paramentos Brancos
Para ler/baixar o Próprio completo desta Missa, clique aqui.
Santo do diaSão Gregório de Nazianzo, bispo, confessor e doutor da Igreja (m. 390)
Epístola: Atos dos Apóstolos 1, 1-11.
Na primeira narração [i.e., no Evangelho segundo São Lucas, mesmo autor dos Atos, n.d.t.], ó Teófilo, falei de todas as coisas que Jesus fez e ensinou, desde o princípio até ao dia em que, tendo dado instruções, por meio do Espírito Santo, aos Apóstolos que tinha escolhido, foi arrebatado ao céu. Foi também a eles que, depois da sua Paixão, se lhes manifestou vivo, provando-lho de muitas maneiras, ao aparecer-lhes por quarenta dias, a falar-lhes do reino de Deus. Estando, uma vez, a comer com eles à mesa, ordenou-lhes que não saíssem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai – “aquela, disse, de que Me ouvistes falar-vos: porque João batizou na água; vós, porém, dentro de poucos dias, sereis batizados no Espírito Santo.” Perguntaram-lhe,então, os que estavam reunidos: “Senhor! É agora que ides restaurar o reino em proveito de Israel?” Ele respondeu-lhes: “Não é a vós que pertence conhecer os tempos ou os momentos que o Pai fixou pela sua própria autoridade! Quanto a vós, com o Espírito Santo que há de descer sobre vós, recebereis a Sua força, e assim dareis testemunho de Mim, em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria, e até aos confins da terra.” Tendo dito isto, elevou-se à vista deles, enquanto uma nuvem O ocultou aos olhos deles. Estando assim a olhar para o céu, a vê-Lo subir, eis que se apresentaram junto dele dois personagens vestidos de branco, que lhes disseram: “Homens da Galileia, por que estais a olhar para o céu? Este Jesus, que acaba de se elevar ao céu, do meio de vós, virá do mesmo modo que O vistes ir para o céu.”
Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 16, 14-20.
Naquele tempo, apareceu Jesus aos onze [apóstolos], estando eles à mesa, e censurou-lhes a sua incredulidade e dureza de coração, por não terem dado crédito aos que O haviam visto ressuscitado. Em seguida, disse-lhes: “Ide pelo mundo inteiro, pregai o Evangelho a todas as criaturas: Quem crer e for batizado, será salvo; quem não crer, será condenado. Os milagres que hão de acompanhar os que acreditarem, serão estes: Ao meu nome, expulsarão os demônios; falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e, se beberem alguma coisa de mortífero, não lhes fará mal; imporão as mãos sobre os enfermos, que serão curados.” Depois de assim lhes ter falado, o Senhor Jesus elevou-se ao céu, onde está sentado à destra de Deus. Eles, por seu lado, partiram a pregar por toda a parte, auxiliando-os O Senhor, e confirmando-lhes a pregação com os milagres que a acompanhavam.
Traduções das leituras extraídas do Missal Quotidiano por Pe. Gaspar Lefebvre OSB (beneditino da Abadia de Santo André) – Bruges, Bélgica: Biblica, 1963 (com adaptações).

 

Comentário ao Evangelho do dia feito por
Santo Agostinho (354-430), bispo de Hipona (Norte de África), doutor da Igreja
Sermão 233 (extraído do site da Diocese de Cruzeiro do Sul/AC, apud Per Ipsum).
“Anunciai a Boa Nova a toda a criação”
Ouvistes o Senhor que disse aos seus discípulos depois da ressurreição. Enviou-os a pregar o Evangelho, e eles fizeram-no. Escutai: “por toda a terra caminha o seu eco até aos confins do universo a sua palavra” (Sl 18,5). Passo a passo, o Evangelho chegou até a nós e até aos confins da terra. Em poucas palavras, o Senhor, dirigindo-se aos seus discípulos, estabeleceu o que devemos fazer e o que devemos esperar. Com efeito, Ele disse, como haveis escutado: “Quem acreditar e for batizado será salvo”. Ele pede a nossa fé e oferece-nos a salvação. É tão precioso o que nos oferece que o que nos pede não é nada.
“Os filhos dos homens abrigam-se à sombra das Vossas asas…, na torrente das Vossas delícias lhes dais de beber, em Vós está a fonte da vida” (Sl 35,8s). Jesus Cristo é a fonte da vida. Antes de a fonte da vida ter vindo até nós, só tínhamos uma salvação humana, semelhante à dos animais dos quais fala o salmo: “Vós salvais, Senhor, homens e animais” (Sl 35, 7). Mas agora a fonte da vida veio até nós, a fonte da vida morreu por nós. Recusar-nos-á a sua vida, aquele que se ofereceu à morte por nós? Ele é a salvação, e esta salvação não é vã como a outra. Por quê? Porque ela não desaparece. O Salvador veio. Ele morreu, mas Ele matou a morte. N’Ele, Ele pôs um fim à morte. Ele assumiu-a e matou-a. Onde está agora a morte? Procurai-a em Cristo e ela já não está lá. Esteve lá, mas foi morta lá. Ó vida, morte da morte! Retomai coragem: ela morrerá também em nós. O que se concluiu na Cabeça, concluir-se-á também nos membros, e a morte morrerá também em nós.

Publicações relacionadas

Oração e Vida Espiritual: Liturgia de 03/02/2013: Domingo da Sexagésima

Notícias e Atualidades: Suspensão “a divinis” para seis Franciscanos da Imaculada

Cartas: Latim X Vernáculo - Alberto Zucchi

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais