Montfort Associação Cultural

10 de setembro de 2004

Download PDF

Ameaças de um “Sacerdote” Wiccaniano

  • Consulente: Cibelius Drako
  • Localizaçao: Brasília – DF – Brasil
  • Religião: Outras – escreva abaixo

Ave

É com espanto que vejo a matéria supracitada, plena de preconceito e desinformação. Dentre verdades públicas, como o fato de alguns Wiccans defenderem o direito ao aborto, figuram mentiras como o ritual donde se oferecem sangue de quem quer que seja.

Novamente a sanha autoritária e a imensa máquina de marketing da igreja de Pedro se desfaz de sua máscara.

Vingança? Combater o paganismo com “galhardia do passado”? Firmeza e severidade?

Ora! Há neste texto instrumentos visíveis de incitação ao crime, ameaça, vilipêndio e mais um leque de transgressões. Será o caso de uma representação legal contra tal postura?

Cibelius Drako
Sac. Wiccaniano

Ao nada caro Cibelius Drako,

Salve Maria!

Faz tempo que nós deixamos de ter medo do bicho papão, mais ainda de tolas ameaças de certos “sacerdotes” wiccanos.

Seria de se esperar que um bruxo fizesse ameaças de “fazer um despacho”. Os politicamente corretos wiccanos, contudo, gostando muito de ver chifre em cabeça de cavalo, ameaçam com “uma representação legal” (enquanto sabe-se lá o que fazem em seus rituais!).

Você nos calunia de incitar ao crime. Desafio-o à sua soberba pessoa que prove onde está tal incitação ao crime. Pelo contrário, como provado no artigo Bruxaria e Aborto, são os adeptos da Wicca que defendem abertamente o uso do aborto, que é um crime hediondo, praticado contra um ser humano indefeso, e que sempre foi condenado pela Igreja Católica.

Pior, defendem o aborto como sacrifício e sacramento:

“O aborto é um sacrifício para Artemis. Aborto como um sacramento pelo dom da vida para permanecer pura” (Ginette Paris, The Sacrament of Abortion, Spring Publication, Dallas, 1992, p. 107).

Você, temerariamente, nos acusa de ameaça,. porque sua “sensibilidade” wiccana se assustou com a frase: “o sangue dos inocentes clama a Deus por vingança!”. A vingança, assustado Cibelius, é de Deus, e não minha. Ele é justo juiz, que não tem dois pesos e duas medidas, nem é tolerante para com o erro, mas é misericordioso para com o pecador arrependido:

“Ó Senhor, Deus da vingança, ó Deus da vingança, resplandece!” (Salmos XLIV,1)

“Minha é a vingança e a recompensa…” (Deuteronômio XXXII,35)

Jesus disse:

“Todo o que recebe um destes meninos em meu nome, a mim é que recebe; e todo o que recebe a mim, não me recebe, mas aquele que me enviou.” (S. Marcos IX, 37)

E os wiccanos abortistas e os defensores do aborto não querem receber as crianças, rejeitando assim o Deus da vida.

E é esse Deus quem diz: “É minha a vingança!”

Você, sibilinamente, nos acusa de vilipêndio. Diga então onde sua ilustre pessoa foi vilipendiada, para que você, democraticamente, possa nos “acionar” judicialmente.

Ademais fazer uma representação legal contra nós, que somos uns pobres brasileiros que lutam com dificuldade pelo sustento, contando com o auxilio da providência divina, não é muito lucrativo. Que tal processos mais rentáveis, como contra o Judaísmo? Pois esta escrito no Torah (Antigo Testamento):

“Não permitirás que viva uma feiticeira” (Êxodo XXII, 18)

Que tal uma representação legal também contra o Islamismo?

A feitiçaria, de acordo com estudiosos, têm um impacto real contra o legado de Alá. Por isto que Alá aprecia que se previna contra isto. Com relação ao tratamento legal aplicado a feiticeiros neste mundo, eles devem ser mortos se evidência for estabelecida de que eles praticam bruxaria. Esta é a opinião de Abu Haneefah, Maalik, e Ahmed. O Iman Ahmad disse “A pena capital para o feiticeiro foi autenticamente relatada por três companheiros do Profeta. É relatado por Umar que ele (Maomé) escreveu, “Mate todo feiticeiro e feiticeira”. Bujaalah (um sub-narrador) disse, “Então matamos três feiticeiras”. Isto também é autenticamente relatado por Hafsah (esposa do Profeta) que ela ordenou a morte de uma suas aias porque ela usou feitiçaria contra ela.” Jundub bin Kaab também autenticamente relatou que ele decepou a cabeça de um mágico que estava fazendo magia diante de Waleed e disse, “Deixe que ele use sua mágica em seu próprio benefício agora”.

(Sorcery according to the scholars does have a real impact with Allaah”s leave. That is why Allaah enjoined seeking refuge against it. As for the legal ruling concerning sorcerers in this world, they should be killed if evidence is established that they practice sorcery. That is the opinion of Abu Haneefah, Maalik, and Ahmed. Imam Ahmad said, “Capital punishment for the sorcerer has been authentically reported from three companions of the Prophet . It is reported from Umar that he wrote, “Kill every sorcerer and sorceress.” Bujaalah (a sub-narrator) said, “Then we killed three sorceresses.” It is also authentically reported from Hafsah (Prophet”s wife) that she ordered a maid of hers to be killed because she did sorcery on her.” Jundub bin Kaab was also authentically reported that he beheaded a magician who was playing his magic in front of Waleed and said, “Let him use his magic for his own benefit now.) http://www.allaahuakbar.net/barelwiyat/sorcery.htm

Ou contra o Hinduísmo?

“Lançai-te, Ó Agni, contra os feiticeiros, prenda-os a grilhões; então Indra com seu raio corte fora suas cabeças!” (Atharva Veda, III, 7 – Imprecações Contra Demônios, Feiticeiros, e Inimigos).

E saiba, intempestivo Cibelius, que contra argumentos, usam-se argumentos, e não ameaças, que são o recurso dos imaturos e dos incoerentes.

Sancte Michael Archangele, Defende nos in praelio
Paulo Sérgio R. Pedrosa

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Falta de Caridade - Orlando Fedeli

Artigos Montfort: Padre Joãozinho, “por que buscais a mentira?” - Ronaldo Mota

Artigos Montfort: Bafo de Fel em Favo de Mel: Padre Joãozinho entra em parafuso metafísico. - Orlando Fedeli

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais