Montfort Associação Cultural

13 de novembro de 2004

Download PDF

Amasiamento

Autor: Orlando Fedeli

  • Consulente: Vagner
  • Idade: 24
  • Localizaçao: Goiânia – GO – Brasil
  • Escolaridade: 2.o grau concluído
  • Religião: Católica

Gostaria de saber Prof. Orlando, o que a igreja orienta sobre esse  assunto de conjuges de 2ª união: 

 1ª Sei que 2ª união é adultério.

 2ª Gostaria de saber como deve ser o comportamento dessas pessoas, que se  coverteram, mais estão nesta situação?

 3ª Elas podem servir na igreja, se pode de que maneira?

 4ª Me Passe também onde posso encontrar documentos onde constam que estes  fatos que o sr. vai e responder, tipo “bíblia, Catecismo Igreja, Código  Canônico etc.

  Gostaria mesmo de me aprofundar nesse assunto, tenho um amor muito grande  pela família.

  Que Deus nos abençõe.

Muito prezado Vagner, salve Maria !

A condenação do amasiamento foi feita pelo próprio Nosso Senhor Jesus Cristo, no Evangelho.

No Evangelho de São Marcos se lê que Nosso Senhor disse:

“Não separe o homem o que Deus uniu” (Mc X, 9).

E logo depois Nosso Senhor diz:

“Qualquer um que repudiar sua mulher e se casar com outra, comete adultério contra a primeira; e, se a mulher repudiar seu marido e se casar com outro, comete adultério” (Mc X, 11-12).

De modo que, o que se chama, hoje, de segunda união, é adultério mesmo, e se constitui em pecado gravíssimo contra a família, pecado condenado explicitamente no nono mandamento da lei de Deus. Além disso, foi escrito por Deus:

“Porém, o que é adúltero, perderá a sua alma, por causa da loucura de seu coração” (Prov VI, 32).

Como então pode servir a Deus quem é adúltero?

Não há outro meio, senão o de romper a união adulterina. Se não fizer isso, viverá em pecado, e, caso morra nessa situação, perderá a sua alma.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli.

TAGS

Publicações relacionadas

Cartas: Seminarista não acata o Motu Proprio Summorum Pontificum - Orlando Fedeli

Oração e Vida Espiritual: Segunda Semana da Quaresma: para Missa diária e meditação

Cartas: Expulsão dos vendilhões do templo - Bruno Oliveira

Para comentar esta publicação

O site Montfort não permite a inclusão de comentarios diretamente em suas publicacões.

Para enviar comentários, sanar dúvidas, obter informações, ou entrar em debate conosco, envie-nos sua carta.

Saiba mais